domingo, 22 de março de 2009

ANITA

ANITA – EPISÓDIO XV

(Ficção baseada em factos reais)

- Ele acaba por se habituar…e olhe que para mim também não vai ser fácil estar sem ele umas horas. Sei que ao princípio me vai custar, mas tem que ser! – acrescentou Anita, resolutamente.

FIM DO.EPISÓDIO XIV
EPISÓDIO XV

E continuou:
-O que eu pretendo é ir dar aulas no colégio. A mãe podia vir comigo falar com a directora…que acha? Ou parece-lhe melhor eu ir com o pai?
- Não me importo de ir contigo, e não vejo interesse em que seja o teu pai a acompanhar-te. Afinal, num primeiro contacto, apenas vais informar-te da possibilidade de lá dares aulas, não é? Pode não haver vaga…sei lá!

Anita sentiu-se invadir por um certo desânimo. No meio de todo o seu entusiasmo nem se lembrara da hipótese de não haver vaga no colégio.
Ao ver o seu ar decepcionado, Eulália acrescentou, rapidamente:

- Mas de qualquer modo vamos lá. Não se perde nada por isso. E, se não houver vaga, podes lá deixar a indicação de que pretendes leccionar, e no próximo ano lectivo talvez já consigas…
Deixa-me ir calçar uns sapatos, e vamos lá já. Até porque quero passar primeiro pela Igreja, para entregar umas roupas ao padre. Amanhã é dia de distribuição aos pobres, e ele, coitado, nunca tem que chegue para as necessidades…

Alguns minutos depois estavam a caminho da igreja.
O padre recebeu-as com um sorriso, cumprimentou-as, e logo se voltou para a cadeirinha de Tiago, ao qual fez uma festa no rosto.
- Como este menino é bonito! E como cresceu desde o baptizado!...
- É verdade, padre. Tem-se desenvolvido muito bem, e felizmente é muito saudável…- respondeu Anita.
Eulália, olhando enternecida para o neto, acrescentou:
- Com a graça de Deus, este meu netinho não tem dado preocupações à mãe. Tem tido sempre saúde, sempre comeu muito bem, e tem sempre um sorrisinho nesta carinha bonita…
Mas, padre, falemos doutra coisa. Trouxe aqui estas roupas para os seus pobrezinhos, e deixei separadas, em casa, umas mercearias, que mais logo a empregada vem cá trazer.
Mas diga-me: como vai o projecto da sua creche?
- Vai devagarinho, dona Eulália, vai devagarinho. As dificuldades são muitas…O espaço eu já consegui arranjar, e material também já tenho prometida uma grande parte. Estou a contar com a boa vontade de muitas paroquianas para fornecerem o leite, o pão, umas bolachas…enfim, o que for necessário para alimentar as crianças enquanto cá estiverem.
O senhor António, da mercearia, prometeu dar uma ajuda diária, e o senhor Francisco, da pastelaria, também...logo que a creche comece a funcionar.
- Então, padre, o que lhe falta para abrir essa bendita creche? Olhe que é uma grande melhoria para a cidade, e as mães não vêem a hora de trazerem para cá os seus meninos…
- O que falta, dona Eulália? Falta quem prepare o espaço, porque precisa ser tudo pintado, madeiras arranjadas, alguns vidros estão partidos…
- Ora, padre, isso não vai custar nenhuma fortuna. Vou falar com o meu marido, a Anita fala com o marido dela, e com mais algumas ajudas depressa se junta o dinheiro para fazer esses arranjos.
- Ó dona Eulália, eu nem sei como lhe agradecer.
Sendo assim, depois só fica a faltar arranjar alguém que queira vir tomar conta das crianças. É porque a dona Teresinha, que é a única que pode vir para cá, não consegue, sozinha, tomar conta de tantas crianças.
- Mas são assim tantas, padre?
- As mães que se mostraram interessadas, já passam de vinte, é capaz até de chegar às trinta. Para elas a creche é uma coisa muito boa, podem ir trabalhar descansadas…Há muitas senhoras que não gostam que elas levem as crianças para o trabalho…
Já vê, uma pessoa só, não dá…e o problema para arranjar mais pessoas é que o ordenado não poder ser muito grande…a paróquia tem poucos recursos…

Anita assistia à conversa, em silêncio, com um ar pensativo.
Imaginava uma sala bem arejada, limpa, com muita luz e cores bem alegres, cheia de crianças de tenra idade, algumas ainda bebés, outras gatinhando, outras ainda, cambaleantes, ensaiando os primeiros passos…
Era uma visão enternecedora.
Voltando-se para o padre, disse:
- Padre, o senhor já esteve noutras paróquias onde havia creches. Deve ter uma ideia de quantas pessoas são precisas para pôr a funcionar esta que vai abrir…

FIM DO EPISÓDIO XV

20 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Taí, pois não é que a Anita vai trabalhar mesmo?! Que bom, coitada, tem o nenê, o que é uma bênção, mas a vida de uma melhor, e ainda por cima jovem, deve ser preenchida em todos os sentidos. Estou curiosa, Mariazita. Sua prosa é muito boa.
Mudando de assunto, amanhã compelto 46 anos de idade. Não estou muito bem de saúde, passo 3 dias em casa e 4 em outro lugar por causa da saúde, mas como é meu aniversário, me deram o fim de semana de presente. Mas nem um pedaço de bolo poderei comer, porque tenho diabetes e a médica me proibiu até doces light e diet. Tão chato aniversário sem bolo de chocolate e brigadeiro. Pareço uma criança, não, Mariazita?
Beijinhos, e continue escrendo, pois está cada vez melhor,
Renata

Francisco Sobreira disse...

Querida Maria,
Antes de pegar o "Novos Contos da Montanha", do seu compatriota Miguel Torga, que estou relendo, passo por aqui ainda faltando pouco mais de 2 horas para a madrugada de domingo. Quanto ao episódio de hoje, está como sempre escrito com a fluência e a desenvoltura habituais. No entanto, senti falta nele do clima de ansiedade, de expectativa, de um certo "suspense" no final, como vem ocorrendo nos episódios precedentes. Talvez, quem sabe, pela ausência do enteado. De todo modo, vamos aguardar o que acontecerá com o propósito de Anita de lecionar. Tenho para mim que, a partir do que for resolvido, o próximo episódio terá o mesmo atrativo (no sentido que falei) dos demais. Isso é um sentimento pessoal, não quer dizer que eu esteja certo. Foi a minha impressão. Um beijo carinhoso.

Daniel Costa disse...

Mariazita

Novo episódio!... Fica no ar a hipótese de a Anita oferecer os seu préstimos ao reverendo, para a sua nova creche.
A visita, não terá sido forjada, para desviar Anita da profissionalização?
Estarei cá para ver como é, para poder contar como foi!
Beijinhos,
Daniel

Giselle disse...

Má,
puxa vida as coisas aos poucos vão aparecendo para a Anita, que reviravolta, adorei, rs...
Lindo domingo para ti ...
beijos linda

Victor disse...

Querida Mariazita

É sempre com agrado que leio os desenvolvimentos desta estória de tantos afectos e sentires...

Sei que um dia virá em que vou ler todos estes pedacinhos de uma forma continuada... Mereces mesmo.

Beijinhos.

Fenix disse...

Hummm...
E já estou a imaginar a Anita a dedicar-se de alma e coração a cuidar das ciranças...
Ou talvez não, afinal ela talvez deseje ensinar jovens um pouco mais velhos...
Talvez o apelo de mulher/mãe seja mais forte e ela opte por, pelo menos por uns tempos, se dedicar e dar amor às crianças pequenas.

Espero pelos próximos capítulos...
Continuo a gostar!

Beijinhos
São

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Mariazita:
Hoje é meu aniversário e tem um bolinho lá no Feminina. Apareça.
Um beijo,
Renata

stériuéré disse...

Parece-me que conheço essa Anita de algum lugar....
Realmente, tens um escrita que puxa por nós a esperar pelo próximo episódio.



Mariazita... peço desculpa por ainda não ter escrito a pedir as informações ... mas as coisas têm andado complicadas por aqui( lá tou eu com as queixinhas)
Tinha uma tia bastante mal e .... pois ... tinha , agora coitada lá foi .....



bem mudando de assunto, com as formações de dois dias semanais com o meu pikeno com um braço partido , o tempo parece escasso... mas nunca é tarde demais ...
Muitos beijos amiga, com muito carinho !
Boa semana!

Meg disse...

Mariazita,
A saga da Anita está a tornar-se cada vez mais apelativa.
Terá ela encontrado o seu caminho?
Ou irá leccionar?

Cá estarei no ptóximo capítulo.

Beijo

Ana Martins disse...

Querida Mariazita,
Anita começa a ficar entusiasmada com a ideia de trabalhar na creche. Esperemos que nada a atrapalhe, mas como se trata de uma história verdadeira, tudo pode acontecer.

Beijinhos,
Ana Martins

Pena disse...

Linda Amiga:
Um texto repleto de altruísmo e de solidariedade simplesmente, delicioso. Repleto de ternura e carinho.
Como a "Anita" poderá fazer "milagres"...Linda...!
As palavras parecem mágicas e seleccionadas com o seu encanto. Encanto imenso.
Adorei!
Com respeito e estima
Beijinhos de amizade pura


pena

Bem-Haja, Amiga, tem uma sensibilidade linda. Fantástica. Parabéns sinceros.

Fenix disse...

Amiga Mariazita,

Acabei de receber mais uns selinhos giros e que quero partilhar com os blogues que mais gosto.
É o caso da tua linda casinha!
Estão aqui.

Beijinhos
São

manzas disse...

Engano com palavras mudas o grito que cala
Esperanças na ponta da lança que fere o peito
Atingindo sentimentos sentidos por defeito
Descritos pelo som da escrita, que por si fala

Passando para agradecer a gentil visita
Retribuindo de uma forma que emana
Em aqui estar e ler sua sublime escrita
E desejar-lhe uma extraordinária semana

O eterno abraço…

-MANZAS-

Paula Raposo disse...

Estou a gostar. Beijinhos.

In Cucina disse...

Querida amiga mariazita tenho muito que aprender com você!

Obrigada também por suas visitas sempre muito agradáveis!

Beijos brasileiros, Teresa

Canduxa disse...

Valha-me Deus, perdi os primeiros episódios e agora vou precisar de uma tarde para ler tudo....quando será isso possível?
Claro que sei que não levas a mal, por isso aqui fica um abraço do tamanho do Mundo da tua manita.
Até breve.
canduxa

Maria João disse...

Mariazita...

Tenho cá para mim, que Anita se vai revelar uma pessoa extraordinária, no seu percurso de vida!

Intuições...

Um beijinho

Desnuda disse...

Ihhhhhhhh amiga! Anita se encantou com a idéia da creche! que bommmmmmm! Adorei!


Beijão!

Desnuda disse...

Voltei!

Mariazita, coloquei no Desnuda o selinho Roxie para o seu blog. E consiste em você responder as 5 perguntinhas também com indicações...Bom,tá lá no meu cantinho.


Beiiiiiiiiiijooooooooo!

Táxi Pluvioso disse...

Abrir creche sem ASAE? Com leite, pão, bolachas dadas? Outros tempos, outros tempos.