domingo, 19 de outubro de 2008

AMOR E LOUCURA

Em tempos passados existiram duas crianças, um menino e uma menina, que tinham entre quatro e cinco anos de idade.
O menino chamava-se Amor e a menina Loucura.

O Amor sempre foi uma criança calma, doce e compreensiva.
Já a Loucura era muito emotiva, passional e impulsiva, enfim, do tipo que jamais levava desaforo para casa.

Entretanto, apesar de todas as diferenças, as crianças cresciam juntas, inseparáveis, brincando, brigando...


Mas houve um dia em que o Amor não se sentia muito bem, e acabou respondendo às provocações de Loucura, com a qual teve uma discussão muito feia.

Ela não deixava nada barato, estava furiosa como nunca com o Amor. Começou a agredi-lo, mas não só verbalmente, como de costume.
A menina estava tão descontrolada que agrediu o garoto fisicamente, e, antes que pudesse perceber, arrancou os olhos do Amor.

O Amor, sem saber o que fazer, chorando, foi contar à sua mãe, a deusa Afrodite, o que havia acontecido.
Inconsolada, Afrodite implorou a Zeus que ajudasse seu filho, mas que não castigasse Loucura.

Zeus, por sua vez, ordenou que chamassem a garota para uma conversa.

Ao ser interrogada, a menina respondeu, como se estivesse com toda a razão, que o Amor a tinha aborrecido, e que foi merecido tudo o que aconteceu.

Embora soubesse que não fora justa com o seu amigo, a menina, que nunca soube desculpar-se, concluiu dizendo que a culpa havia sido do Amor e que não estava nem um pouco arrependida.

Zeus, perplexo com a aparente frieza daquela criança, disse que nada poderia fazer para devolver a visão do Amor, mas ordenou que Loucura ficasse condenada a guiá-lo por toda a eternidade, estando sempre junto ao Amor, em cada passo que este desse.

E, até hoje, eles caminham juntos: onde quer que o Amor esteja com ele estará Loucura, quase que fundidos um no outro.
São tão unidos que por vezes não se consegue definir onde termina o Amor e onde começa a Loucura.

É também por isso que se costuma dizer que o Amor é cego; mas isso não é verdade, pois o Amor vê com os olhos da Loucura.

Autor desconhecido

Veja o vídeo

O AMOR É LOUCO...

Canção. Intérprete: Carlos Ramos.


47 comentários:

  1. Mariazita,
    esse texto explica o porque o AMOR toma atitudes incorretas, absurdas ...
    Adorei seu texto ...
    Triste o que vem acontecendo com os amores ...
    Linda, tenha um lindo domingo,
    súper beijos

    ResponderEliminar
  2. Mariazita,
    Este é um belo texto, aparentemente inocente, mas bom para nos fazer pensar nas suas entrelinhas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Mariazita:
    Venho dizer-lhe que tenho um novo Blog chamado "Resenhas antigas", onde postei agora as resenhas de maio (Across the universe, Blade Runner, Asas do Desejo e a sinopse de Cidade dos Anjos). Eu as tinha retirado do Galeria porque ia fechá-lo. Não o fechei e a única solução para postar as resenhas de maio a setembro foi fazer um novo Blog. Também reforço o convite para apreciar meu novo post na Galeria.
    Um beijo,
    Renata Cordeiro

    ResponderEliminar
  4. Mariazita

    Este texto, sobre o amor e a loucura, baseado na mitologia grega, é uma pérola e termina com uma chamada de reflexão, porque o amor é cego e é guiado pela loucura vê com os olhos desta, ao contrário da paixão o amor é mais racional e prudente e por isso mais duradouro.

    Beijos
    Carlos Rebola

    ResponderEliminar
  5. Mariazita

    Muito interessante, algo edificante. De facto o amor, para o ser, exige uma certa dose de loucura qb. Ontem era assim, hoje com outras nuaces, creio que também. A atestá-lo o fado, na voz de Carlos Ramos, que me fez recordar a última vez, que o ouvi e onde, haverá 50 anos. Teria iniciado a adolescência e confesso ser muito romântico, de tal maneira, que o "Amor é Louco", era uma das canções preferidas.
    Fico grato por me fazeres reviver, simplesmente reviver.
    Beijo,
    Daniel

    ResponderEliminar
  6. Mariazita.

    Os mitos contêm muita sabedoria.

    Acredito nesta união eterna entre Amor e Loucura. Já amei e já me senti realmente dominada por esta "loucura". Como é irracional, meu Deus! Depois que passa, a gente vê: como fui fazer isto? como fui agir assim? como eu era boba, meu Deus!

    É humano.

    ----------

    A sua Luz fulgura linda no meu blogue. Obrigada pela surpresa tão cheia de vida. Vc me trouxe muita alegria no dia de hj! E muita emoção com os seus textos inspiradores.


    Beijos e abraços da amiga,

    Ana.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, Amiga!
    Uma importante reflexão; ótimo tema para ser debatido...AMOR CEGO, AMOR LOUCO, AMOR PAIXÃO e até...AMOR RAZÃO...Vou refletir melhor, teus textos sempre merecem um pausa para tanto. Guarde bem seu edelweiss!!!Bjsss

    ResponderEliminar
  8. Interessante , interessante...

    Aqui fica o convite para apreciar a civilização maia no SÃO. E não ficará só por aqui...
    Feliz semana.

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia, mas gostei bastante,
    pois não é uma simples história.
    é um texto bastante reflexivo
    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. O engraçado é que este texto apesar de contar uma história entra duas crianças, tornam-se adultas e com maldade. Todos nós aprendemos a ter alguma( senão muita) maldade. Grande lição! Muitos beijos Mariazita.
    Desculpa pelo atraso, mas por motivos de tempo não tenho visitado tudo o que quero( vida familiar leva tempo heheheh)
    Mas, já comentei o post anterior, que , claro, adorei, e deixo-te aki muitos abraços de uma fã para a vida !
    Stériuéré

    ResponderEliminar
  11. Querida Giselle
    Por alguma razão se diz que
    "de louco, todos temos um pouco"!!!
    É o amor, minha querida, é o amor...
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  12. Olá, Meg
    É exactamente isso!
    Inocente só na aparência, mas nas entrelinhas lê-se muito...
    Bjs
    Mariazita

    ResponderEliminar
  13. Oi, Renata
    Logo que eu possa, apareço.
    Bjs
    Mariazita

    ResponderEliminar
  14. Olá, Maria João
    Ainda bem que gostaste.
    Obrigada.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  15. Olá, Carlos
    No amor é frequente haver uma pontinha de loucura.
    Eu penso que, qundo a loucura é em doses elevadas, deixa de ser amor.
    Passará talvez a ser paixão...
    Muitas vezes confundimos os sentimentos...
    Mais segura é a amizade destes beijinhos que aqui te deixo
    Mariazita

    ResponderEliminar
  16. Meu caro Daniel
    Os tempos mudam, mas o amor mantém-se.
    As suas manifestações é que se vão adaptando à modernidade.
    Eu gosto muito de fado, e o Carlos Ramos cantava-o muito bem.
    Era um óptimo fadista, com uma voz bastante peculiar, para mim, inconfundível.
    Aquele pequeno "toque" de rouquidão tornava a sua voz ainda mais romântica.
    Este é, na minha opinião, um dos seus melhores fados.
    Fico feliz por ter-te ajudado a recordar...
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  17. Querida Ana
    Há quem diga que o amor pode levar a cometer loucuras.
    Mas...será isso AMOR???
    Em doses certas, a loucura pode dar beleza ao amor, levá-lo a ter gestos que doutra forma talvez não tivesse.
    Mas...tudo se quer na medida certa.
    Para depois não termos que nos lamentar e pensar: como fui capaz???

    Fico muito feliz por ter contribuído para que te sintas bem.
    É gratificante sabê-lo.

    Beijinhos, querida.
    Mariazita

    ResponderEliminar
  18. Querida Vanuza
    É uma história bonita, sim, mas que pode servir para reflectir.
    Pelo menos para quem souber ler nas entrelinhas...que é o teu caso!
    Obrigada pela recomendação...rsss
    Eu disse: é uma relíquia!
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  19. Olá, São
    Não só "espretei", como já vi com a maior atenção e interesse.
    Aguçaste a minha curiosidade...
    Fico à espera do resto...
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  20. Olá, Luna
    Que bom que gostaste!
    Faz bem pensar nestas coisas.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  21. Querida Sté
    Podia dizer-te que a maldade não faz falta nenhuma à vida.
    Pessoalmente, acho que não. Mas ela existe, faz parte da vida...
    Temos é que aprender a conviver com ela, a contorná-la, a não nos deixarmos contagiar...

    Vem quando puderes, que serás sempre bem recebida.
    Mas, por favor, não fiques preocupada, nem atrapalhes a tua vida se não te der geito aparecer...
    Não é por isso que vou te esquecer...
    Beijinhos carinhosos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  22. Viva Mariazita!

    Gostei imenso do texto-Amor e loucura-com sonoridades e fantasias da sempe inesgotável mitologia grega...Onde termina cada qual e começa o outro...na vida que os renascer...é a segunda visita que faço ao seu cantinho...e fico feliz por por descobrir na blogosfera mais uma marca de qualidade indiscutível...

    bjinhos

    ResponderEliminar
  23. errata:

    ...na vida ue os faz renascer...

    ;)

    ResponderEliminar
  24. IMPORTANTE:

    O espírito de Eloá falou comigo pela madrugada.
    Vai lá no blogue.

    Bjos,

    Ana.

    ResponderEliminar
  25. Um belo e reflexivo texto!
    Infelizmente, muitas vezes o amor é confundido com a loucura e sofrimentos resultam disto!

    Beijos te deixo!

    ResponderEliminar
  26. Caro Luís
    É tão bom "ouvir" palavras elogiosas!
    Dá alento para continuar, e tentar fazer cada vez melhor.
    E há alturas em que uma palavrinha de alento faz muita falta...
    Obrigada, amigo. Volta sempre.
    Beijinho, beijinho
    Mariazita

    ResponderEliminar
  27. Tá bom, querida.
    Me aguarda...
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  28. Oi, Gerlane
    Muitas loucuras se cometem em nome do amor, até atrocidades.
    Vê o que fazem os fundamentalistas em nome do amor ao seu deus...
    Isso é amor??? Claro que não, embora eles digam que é por amor...
    E daí resulta muito sofrimento.
    O amor só por si, ainda que com uma pitadinha de loucura, é sempre belo, e não faz mal a ninguém.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  29. O amor, sempre o amor louco, porque é cego. É preciso cuidar.
    Mariazita:
    Fiz nova postagem sobre um filme de dança. Vá apreciá-la porque a anterior vc não foi.
    Beijos,
    Renata

    ResponderEliminar
  30. Belíssimo texto, magnifico mesmo, talvez por isso mesmo se costuma dizer que " o coração tem razões que a razão desconhece "

    Adorei o texto.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  31. Venho-lhe desejar uma noite de paz e descanso, Maria.

    Aguardo com serenidade a sua resposta.

    Sonhos suaves...

    PAX

    Ana

    ResponderEliminar
  32. Do casamento do Amor com a Loucura nasceu o Marco Paulo.

    ResponderEliminar
  33. Querida Mariazira, o texto já o conhecia mas a canção não. Muito linda, iclusive as imagens. Parabéns pela escolha!
    Beijos brasileiros, Teresa

    ResponderEliminar
  34. Oi, Renata
    Já lá fui, viu?
    Bjs
    Mariazita

    ResponderEliminar
  35. Olá, Ana
    Que bom que o texto agradou.
    Fico feliz por isso.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  36. Obrigada, querida Ana
    Depois falaremos com calma.
    Beijo grande
    Mariazita

    ResponderEliminar
  37. Olá, Táxi
    Você gosta mesmo do Marco Paulo, não?
    Já não é a primeira vez que fala nele...
    Não tenho nada contra, entenda!
    Até acho que ele tem uma voz muito bonita.
    Só não entendi a alusão...
    Cump.
    Mariazita

    ResponderEliminar
  38. Querida Teresa
    Este fado é realmente muito bonito.
    O fadista, Carlos Ramos, infelizmente já faleceu.
    Tinha uma voz muito bonita e cantava muito bem.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  39. Que bonita essa história!

    É mesmo... O amor por vezes é cego e impede de enxergarmos a realidade, por vezes, nem um pouco promissora!

    Adorei o seu texto, amiga!

    Beijos de luz e um dia muito feliz...

    ResponderEliminar
  40. Um excelente texto que descreve, de forma metafórica e mitológica, situações bem presentes.
    E foi bom aqui recordar a o inesquecível Carlos Ramos numa das suas mais conhecidas criações.

    ResponderEliminar
  41. Olá, Zélia
    É isso mesmo. Se o amor fica completamente cego...não vê! E muitas vezes o que ele imagina, sem ver, é bem diferente da realidade.
    Por isso penso que tudo se quer na medida certa.
    Obrigada, amiga.
    Uma noite tranquila e feliz.
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  42. Olá, António
    A mitologia tem histórias muito interessantes. Acho que esta é uma delas.
    E recordar Carlos Ramos é sempre agradável, não?
    Que bom teres gostado!
    Uma noite boa.
    Beijocas
    Mariazita

    ResponderEliminar
  43. Vilma, minha querida,
    Não sei se concordo consigo...
    Acha mesmo que o amor é mudo???
    Ele farta-se de refilar, às vezes!
    Gostei muito de a ver por cá.
    Já tinha saudades...
    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
  44. Pronto! Ninguém mais precisa de horas e horas de analista. Está tudo explicado!
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  45. Oi, Oliver
    É isso aí!
    Para quê analista?
    Vem aqui. Nesta Casa encontra solução para tudo...-:)))
    Beijocas
    Mariazita

    ResponderEliminar

A SI, QUE VEIO VISITAR-ME, UM GRANDE
BEM HAJA!

BEIJINHOS
MARIAZITA