sábado, 6 de agosto de 2016

FÉRIAS / SENTIDO INVERSO

Como tem sido habitual nos últimos anos vou ausentar-me em Agosto (a partir do dia 05) e Setembro, retornando ao vosso convívio em princípios de Outubro.
Até lá deixarei programados três capítulos deste conto QUE NÃO É AUTOBIOGRÁFICO, EMBORA ESCRITO NA 1ª. PESSOA - e que dividi em três partes para não se tornar demasiado fastidioso, já que é um pouco extenso.
Quando regressar, em Outubro, retribuirei todas as visitas que entretanto me fizerem e que, desde já, agradeço.
Espero que gostem deste conto que intitulei:

SENTIDO INVERSO


Quando eu nasci os meus pais não tiveram a alegria que normalmente os pais têm com o nascimento de um filho, simplesmente porque eu não era um filho, mas uma filha.
Na realidade eles desejavam que o primeiro rebento fosse um rapaz, com o que, provavelmente, encerrariam as actividades de procriação.
Coitados! Tiveram azar, e apareci eu, uma menina, linda, ao que dizem, e como posso comprovar pelas fotografias, que me tiraram em criança. Talvez justificado pelo facto de ter sido uma desilusão para os meus pais, na verdade não são muitas as fotos que guardo de quando era pequenina…
Acabaram por se conformar; não havia mais nada a fazer, a não ser uma segunda tentativa para conseguirem um rapaz.
Depois de eu nascer os meus pais ficaram tão abalados que precisaram de alguns anos para se refazerem e ganharem coragem para nova investida…
Dessa vez foram bem-sucedidos, e o meu irmão apareceu quando eu já tinha cinco anos.
O facto de eu ser uma menina não me prejudicou em (quase) nada.
Apesar de, ao nascer, lhes ter causado uma grande desilusão, os meus pais trataram-me sempre com o maior carinho e desvelo, e mesmo depois de o meu irmão ter nascido, os seus cuidados para comigo não diminuíram. Nunca houve qualquer diferença de tratamento entre o meu irmão e eu.
Há apenas um pormenor, relativo á minha infância, que me causa um certo desconforto quando o recordo:
A minha Mãe vestia-me sempre com roupas muito arrapazadas – calças ou jardineiras, mas sem aquele toque feminino que geralmente têm estas peças de roupa quando destinadas a meninas, e que se traduz por umas florinhas, ou bonequinhos, ou corações, enfim, qualquer floreado que é colocado no bolso ou no peitilho. Raramente usava saias ou vestidos.
O cabelo andava sempre muito curto. Nada de tranças ou totós, nem mesmo as “palmeirinhas” que todas as meninas usam no topo da cabeça, quando o cabelinho começa a crescer, por volta dos dois anitos, e que as mães enfeitam com vistosos laçarotes.
Recordo-me que isso me causava um certo desgosto. Via as minhas amigas com alegres vestidos rodados, cabelos caindo pelas costas ou apanhados em totós, à “ Pipi das meias altas”, e sentia-me inferiorizada, feia e sem graça.
As amigas da minha mãe às vezes comentavam:
- Credo, tu não tens gosto nenhum para vestir a tua filha. Nunca se lhe vê um vestidinho…parece sempre uma Maria-rapaz!
- Assim é que ela anda bem, pode correr e saltar à vontade sem precisar de se preocupar com as roupas! A Liberdade começa por aí…
As amigas não insistiam porque sabiam que não valia mesmo a pena.
A minha Mãe parecia querer encaminhar-me num sentido inverso àquele para o qual eu havia nascido – ser Mulher.
Quando fiz 18 anos pude, finalmente, começar a decidir o que vestir.
Comprei um lindo vestido vermelho, todo moderno, bem feminino, que me marcava as formas que Deus, na sua infinita misericórdia, fizera semelhantes às de uma deusa!



Consegui que a cabeleireira me “ripasse” o cabelo dando-lhe um aspecto bem feminino. E, pela primeira vez na minha vida, uma amiga maquilhou-me.
A minha Mãe esboçou um ligeiro esgar ao ver-me aparecer assim vestida na festa que me preparara com todo o esmero. Fiquei na dúvida se era desagrado ou espanto ao ver a filha como nunca a vira antes.
Mas eu estava demasiado feliz para me preocupar com esses pormenores. Foi um dia muito lindo na minha vida, que marcou o início duma grande reviravolta.
Num primeiro gesto de rebeldia comecei logo a deixar crescer o cabelo, e durante um ano a cabeleireira não lhe pôs a tesoura.
Quando já me pousava nos ombros passei a deixar que fosse tratado por mãos de profissionais.
E pude, finalmente ser, mas muito especialmente sentir-me, mulher!
Recuando um pouco até à pré-adolescência, altura em que começa a despontar a sexualidade, recordo-me que as meninas andavam pelos cantos aos beijinhos aos rapazes, ainda com alguma inocência, mas já revelando o aproximar do desabrochar das hormonas.

 

Talvez devido aos meus modos arrapazados incentivados pela minha mãe, os rapazes não manifestavam por mim qualquer interesse para além do jogo da bola – eu era sempre integrada numa das suas equipas. Acho que eles me viam como “um dos deles”…
Assim fui crescendo, e quando andava pelos treze anos, em que, se não acontece antes, é altura de despertar a grande curiosidade pelo misterioso sexo, tudo para mim continuava na mesma, pois os rapazes viam-me com os mesmos olhos de sempre, e não denotavam sentir pelo meu corpo qualquer atracção física.
Foi então que uma amiga começou a insinuar-se mais junto a mim, e um dia convidou-me para ir estudar para casa dela. Fui, contente e feliz.
Lembro-me que era um dia de muito calor.
Os pais dela trabalhavam, ela não tinha irmãos, portanto a casa estava por nossa conta.
Começámos a estudar na sala mas, pouco tempo depois, ela propôs que descansássemos um pouco e fôssemos para o seu quarto ver fotos ou qualquer outra coisa que agora não recordo; não fiz qualquer objecção Fomos!
Aí chegadas a minha amiga começou a queixar-se com calor, dizendo que ia pôr-se à vontade, e insistindo para que eu fizesse o mesmo. Tudo bem, porque não? Estava, realmente, um calor insuportável.
Ficamos, portanto, apenas com as calcinhas e os sutiãs.
Sentámo-nos na beira da cama a ver qualquer coisa, e de repente, sem eu esperar, ela, com a mão direita puxou-me pelo pescoço e deu-me um beijo na boca, ao mesmo tempo que, com a mão esquerda, acariciava a minha coxa.
Qualquer coisa em mim entrou em alerta! Eu nunca havia tido qualquer contacto mais íntimo, e em casa os meus pais eram bastante discretos, embora muitas vezes trocassem carinhos.
Penso que a minha sexualidade ainda não tinha despertado, o que só viria a acontecer, na prática e fisicamente, depois dos dezoito anos.

Continua no dia 29 de Agosto.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

VOCÊ PRECISA DE ESTÍMULO?

Tenho duas plantas de flores de cera. Conhecem? São lindíssimas.
Hoya carnosa – seu nome técnico – faz-nos lembrar que a sua folhagem é, de facto, carnuda, sem qualquer atractivo especial além daquele que possuem todas as plantas, para quem gosta de plantas.
A grande beleza reside nas flores.
É muito interessante acompanhar o ciclo da sua floração, desde que aparecem os pequeninos cachos de pecíolos com botões, 

até que se apresentam em todo o seu esplendor, lembrando guarda-chuvas floridos.


São flores que se mantêm viçosas durante bastantes dias; quando começa a aproximar-se o fim, formam, a partir do centro, umas gotas de um líquido transparente, semelhantes a lágrimas, que escorrem depois pelas pétalas e caiem para o chão.
Disse-me a minha empregada, Lina, que na terra dela lhes chamam “lágrimas de Nossa Senhora”. 

Eu tinha apenas uma destas plantas.
Trouxe-a para casa – comprei-a num horto – há já uns anos, não posso precisar quantos.
Pelo aspecto viçoso das folhas e pequena estatura – teria uns trinta cinco a quarenta centímetros de altura – via-se que era uma planta muito jovem.
Adaptou-se lindamente à sua nova casa, e a breve trecho erguia os ramos em direcção ao céu. Era altura de começar a guiá-la por um fio que lá coloquei para o efeito.
Prontamente iniciou o seu ciclo de floração, mimoseando-me com flores belíssimas.

Esta orgia de flores manteve-se por alguns anos.
A determinada altura comecei a notar a sua falta de flores. Pura e simplesmente tinha desistido de me brindar com a sua linda prole.
Continuava com as folhas viçosas, em nada denunciando a sua provecta idade, excepto na falta de procriação.
Continuei a tratá-la com o carinho de sempre, conformada com a sua aposentadoria.
Um belo dia a Lina trouxe-me uma planta de flor de cera que ela reproduzira a partir de outra que tinha em casa.
Colocámo-la ao lado da antiga, distanciada cerca de 40 centímetros. Mais ou menos  um mês depois a segunda planta, perfeitamente adaptada ao novo lar, começou a florir.
Surpreendi esta conversa da Lina com as plantas:
- "Vês? Não quiseste dar mais flores e a tua mamã arranjou outra para o teu lugar."

Deduzi que ela falava com a planta mais velha.
Não denunciei a minha presença, mas fiquei a saber que ela também falava com as plantas. Afinal não era só eu…
Senti-me um pouco mais “normal”.
Tenho por hábito todas as manhãs ir à varanda visitar as minhas plantas, regá-las se têm falta de água, retirar alguma folha seca e, confesso, também converso com elas. Até lhes acaricio levemente as folhas, enquanto converso.
Alguns dias passados a Lina foi à varanda e chamou-me, toda alvoroçada:
- "Senhora! vem cá ver uma coisa."
Lá fui, e vi que a velha planta de cera estava em flor. Fiquei admirada, pois estava convencida que o seu período de floração havia terminado irremediavelmente. Senti-me muito feliz. A minha velha plantinha, afinal, ainda conseguia brindar-me com as suas lindas flores.
Acariciei-a ao de leve e agradeci-lhe a alegria que acabava de me proporcionar.
Do alto da sua sabedoria singela, a Lina falou:
- "Sabe, senhora, no outro dia eu estive a envergonhá-la; disse-lhe que a senhora agora ia gostar mais da nova do que dela. De certeza ela entendeu, e com medo que a senhora a deitasse fora resolveu dar flores outra vez."
Será que foi isso mesmo que aconteceu?
As pessoas mais simples, por vezes, têm percepções que escapam ao mais comum dos mortais.
Será que, tal como acontece com algumas pessoas, também as plantas precisam de estímulo?

Há pessoas que, face a contrariedades que surgem, entregam-se ao desânimo e levam uma vida tristonha, sem objectivos…
Todos sabemos que, com algumas pessoas, isto é assim mesmo, precisam ser estimuladas para mostrarem do que são capazes.
Precisam ser incentivadas, ‘espicaçadas’, “metidas em brios”, para reagirem e voltarem a ter fé nas suas capacidades.
Acredito na necessidade objectiva do estímulo. Ele é, muitas vezes, a mola impulsionadora fundamental para ultrapassar a inércia.
Um exercício simples, que pode ajudar muito, é tentar fazer o que tivermos medo de fazer. Vencer essa resistência torna-nos mais fortes, conduz-nos à vitória.
É necessário ter um ideal na vida, um sonho, e para realizá-lo é preciso conservar os olhos fixos nele, lutar sempre pelo que se deseja, e acreditar que isso é possível - só quem luta merece recompensa, e dos fracos não reza a História.
A Esperança prova que há um sentido oculto na Existência. A Vida é demasiado importante para que não tentemos enfrentar os seus obstáculos, pois eles não têm metade da força que aparentam ter.
Deixemos que a nossa luz interior nos conduza, pois todos temos uma boa estrela a guiar-nos e a ajudar-nos nas adversidades.

PS – A Amiga Nina Filipe gentilmente chamou-me a atenção para um pormenor que me falhou: o aroma da flor de cera.
De facto esqueci-me de referir essa particularidade.
A flor de cera tem um perfume diferente das outras flores, muito forte, semelhante, talvez, ao perfume de jasmim…, que se faz sentir sobretudo de noite.
O meu quarto de dormir comunica directamente, por uma porta envidraçada, com a varanda onde tenho as flores de cera. Mantenho essa porta aberta, mesmo durante a noite, principalmente no Verão.
Quando a flor de cera está em flor, à noite tenho que fechar a porta - o perfume da flor de cera é de tal modo intenso que me custa respirar.
Um “Obrigada!” à Amiga Nina Filipe pela chamada de atenção.










segunda-feira, 27 de junho de 2016

MOMENTO DE POESIA - QUANDO NADA MAIS RESTAR

QUANDO NADA MAIS RESTAR

Quando nada mais restar desse sonho lindo
E duas lágrimas rolarem no teu rosto
Esquece o que passou, não lembres o desgosto
Observa a Natureza, em festa se abrindo.

  Quando ao crepúsculo divisares as sombras
E as recordações te acudirem ao espírito
Agradece aos deuses, que estão no infinito,
Princípio imaterial de doces alfombras.
 

 Quando olvidares todo o tempo passado
Sem qualquer futuro a ensombrar-te o olhar
O sonho mais lindo surgirá renovado.

 Escuta o silêncio na noite. E a Morfeu
Sorri com enlevo. E sem pestanejar
Ergue de mansinho as mãos. E agradece ao céu!

  Mariazita
 

segunda-feira, 6 de junho de 2016

"IN MEMORIAM"

Esta postagem constitui uma espécie de “memorial” em homenagem a quem partiu, faz hoje, DIA 6 DE JUNHO, quatro anos, mas permanece vivo na minha memória e no meu coração – o meu Marido.


ENCONTRO MEDIÚNICO

Despidos de roupas e preconceitos, frente a frente, olhamo-nos em silêncio.
Vejo nos teus olhos, envolto numa enorme ternura, um desejo sem fim.
Lentamente dirijo-me para ti.
Colocando-me a teu lado, pressiono o meu corpo, seios e ventre, contra o teu lado esquerdo.
Não te moves. Apenas um ligeiro arrepio denuncia que notaste a minha presença, o meu contacto.
Avanço a mão esquerda em direcção ao teu peito. Suavemente acaricio-te, primeiro do lado esquerdo e de seguida do lado direito, lenta e demoradamente, como quem tem todo o tempo do mundo.
Ao mesmo tempo a minha mão direita, colocada na parte de trás do teu pescoço, faz uma ligeira pressão desde a base dos teus cabelos, deslizando pelas costas, ao longo da coluna.
Com as pontas dos dedos contorno, suavemente, cada uma das tuas vértebras.
Sem pressas, as minhas mãos vão descendo, divagando, ao longo do teu corpo.
Alcançado o baixo-ventre dirigem-se, lentamente, para a parte interna da tua coxa esquerda, desviando-se da tua fonte da vida, que tocam, muito ao de leve, com a sua parte exterior. Um frémito percorre todo o teu corpo.
Docemente coloco-me à tua frente, elevando as minhas mãos até aos teus quadris. Uno o meu corpo ao teu e deslizo para o lado direito.
Os meus movimentos são lentos, suaves, quase diáfanos, como se nos encontrássemos em "slow motion".

Não me deixas prosseguir.
Levantas o braço, passa-lo por cima do meu ombro, bem junto ao meu pescoço, e comprimes o meu corpo contra o teu flanco.
Inclinas-te para o meu lado e, profundamente conhecedor, beijas-me o pescoço.
Sinto o desejo irromper dentro de ti como um vulcão subitamente desperto do seu sono.
A lava incandescente do teu corpo invade-me; no meu ventre surgem labaredas, qual sarça-ardente.
Murmuro-te ao ouvido palavras meigas e sensuais:
- Não resistas, meu amor; deixa-te invadir por estas ondas de fogo que ateiam o nosso desejo.
Procurando, como só eu sei, os teus pontos mais sensíveis, levanto a minha mão direita e acaricio a tua orelha, continuando a murmurar palavras inflamadas, que te provocam arrepios:
- Quero fundir o meu corpo no teu, em comunhão total.
- Quero ser tua, para toda a eternidade…
Correspondes com ansiedade redobrada:
- Quero receber o teu corpo como num altar do Amor.
- Quero que os nossos corpos se unam para sempre.
Prosseguimos com frases que só os amantes conhecem e entendem.

Passou-se um minuto, um ano, um século… O tempo não conta. Pararam todos os relógios do Universo.
Agora sabemos que a dança da sedução está prestes a terminar. Lentamente, caminhamos para um final sem retorno.

Abraçamos o céu com as mãos. Somos únicos à face da Terra.
No clímax que nos atinge, inesperadamente violento, miríades de fogos-fátuos enfeitam os nossos corpos.


Exaustos, olhamo-nos ainda: tu, lá tão longe… eu aqui, tão longe! Separa-nos a distância de um profundo céu negro, polvilhado de estrelas brilhantes.
Ao meu lado, a cama vazia. No ar, o perfume da tua presença.

A morte não é um impedimento intransponível para a comunicação entre aqueles que se amam verdadeiramente.

Texto de Mariazita

quarta-feira, 18 de maio de 2016

MOMENTO DE POESIA - PRESENÇA NA AUSÊNCIA


PRESENÇA NA AUSÊNCIA

Gosto de ouvir o silêncio
Que, logo que a noite cai,
Em nossa casa se instala.

É a madeira que estala
Um cão que ao longe ladra
O vento que anda rondando
E tu!

A tua presença,
Que de dia se dilui
À noite torna-se viva, palpável.

O teu perfume, o abraço,
O teu carinho ao olhar-me,
A ternura do teu beijo…
De noite faz-se sentir
Muito melhor que de dia.

Então, no plasma dos sonhos,
Ouço o respirar das águas
Que caiem bem devagar…
Porque a casa é o lugar
Onde os átomos do delírio
Me falam melhor de ti!

Tua voz ecoa pelo espaço
Como um hino…
Afago-te, e vejo,
Em puro assombro,
Num derradeiro espanto,
O teu sorriso divino.


Mariazita

sexta-feira, 29 de abril de 2016

DIA DA MÃE


Aproxima-se o dia em que, em Portugal, se comemora o dia dedicado à Mãe – o primeiro Domingo de Maio – DIA DA MÃE
É a todas as Mães - as que o são, as que o virão a ser e as que o foram… em Portugal e em todo o Mundo, que dedico este texto a que dei o nome de “Chamada para a vida”

CHAMADA PARA A VIDA

Depois de termos estado uns anos sem nos vermos, quando a minha amiga Márcia se aproximou, verifiquei, com prazer, que conservava aquele corpo escultural que sempre lhe conhecera.
Apesar de rondar os quarenta anos, o seu andar elegante no sapato de sato alto e no caro tailleur de executiva, atraía os olhares de quem com ela se cruzava.
Abraçamo-nos efusivamente, mitigando as saudades acumuladas ao longo de tanto tempo, e que os frequentes telefonemas não conseguiam atenuar.
Impaciente, logo que nos instalámos no restaurante onde iríamos almoçar, perguntei-lhe:
- Afinal que assunto é esse, assim tão urgente, que não podia ser adiado nem um minuto e nem tratado por telefone? – perguntei, com um sorriso.
Márcia assume um ar sério, compenetrado, e responde:
- Sabes? Já há um certo tempo eu e o José temos vindo a falar sobre a questão de formar uma família. A verdade é que nunca pensámos nisso muito a sério. Mas nos últimos dias… a ideia não me tem saído da cabeça. E, na qualidade de minha maior amiga, e com a tua experiência de mãe, gostava que me desses a tua opinião…
Imediatamente penso: o seu relógio biológico começou a contagem decrescente, e ela encara, pela primeira vez com seriedade, a perspectiva de ser mãe.
Márcia continua:
- O que é que tu achas? Ultimamente, eu e o José falamos muitas vezes sobre o assunto, mas estamos indecisos…Por isso pensei em falar contigo, trocar umas ideias, como sempre fazemos quando temos dúvidas. Achas que eu devia ter um bebé?
Com todo o cuidado, sem querer denunciar o que realmente penso, respondo-lhe:
- Bem… isso vai alterar completamente a tua vida…
- Sim, eu sei. Aquelas saborosas manhãs de sábado e domingo na cama, os fins-de-semana fora, sempre que nos apetece… tudo isso se acaba.

Mas não é bem isso que me preocupa – penso para mim mesma.
Gostaria de lhe dizer que as marcas físicas, próprias da gravidez, passam com o tempo, mas o acto de ser mãe deixa uma marca emocional tão grande, tão viva, que a tornará totalmente vulnerável.
Olho para as suas unhas bem tratadas e o fato elegante, e penso que, na qualidade de sua melhor amiga, tenho o dever de a alertar para certos factos. E penso:
- Não há elegância que resista a teres que mudar uma fralda. Se for apenas de chichi, até se suporta. Mas… se estiver suja? Vais ter uma certa dificuldade em te adaptar… 
Contudo… - continuo a pensar – a sensação de tocar aquela pele tão suave, acariciar aquele corpinho morno e macio, beijar aqueles pés pequeninos, de dedinhos minúsculos…

O meu pensamento continua a divagar:
- Nunca mais poderás ler uma má notícia no jornal, sem pensares, angustiada: “E se fosse o meu filho?”.
- Todo o tipo de acidentes, incêndios, naufrágios, irão fazer o teu coração apertar-se de ansiedade e pensar: haverá algo pior do que ver um filho morrer?
Porém… em contrapartida… haverá alguma coisa que se possa comparar à alegria de vê-lo chegar a casa são e salvo, depois da ansiedade da espera? Não, não existe maior  felicidade do que esta!

E penso ainda:
- Sempre que houver uma nota de urgência no apelo - Mamã! - largarás, sem pensar um segundo, a melhor peça de cristal que tenhas entre mãos.
- A tua carreira, na qual investiste os melhores anos da tua vida, será relegada para segundo plano – a maternidade assim o exige.
- Poderás até conseguir uma boa ama para o bebé, na qual confias cegamente; mas muitas serão as vezes em que terás que recorrer a toda a tua auto disciplina para não «dar um pulinho a casa» apenas para te certificares de que tudo está bem com o teu filho. E não raras vezes te questionarás se, afinal, o alto cargo que desempenhas na empresa será, mesmo, mais importante do que o teu papel de mãe.
São estes os pensamentos que me ocorrem enquanto observo a minha amiga, tão atraente.

Devo também dizer-lhe:
- Ainda que percas o peso acumulado durante a gravidez nunca mais te sentirás a mesma.
- A tua vida, tão importante para ti neste momento, terá muito menos valor quando houver um filho. Ele passará a ocupar o PRIMEIRO lugar.
- A relação com o teu marido também sofrerá alterações. É imprescindível que compreendas que se pode amar ainda mais um homem que está sempre pronto para mudar uma fralda, e que nunca hesita quando o filho reclama a sua atenção…
Para tudo isto e muito mais devo alertar a minha amiga. Mas… tenho também que lhe falar na alegria da mãe ao ver:
- O riso descontrolado do bebé ao tocar no pêlo de um cão pela primeira vez;
- Ao ver o bebé aprender a dar os primeiros passos;
- A observar o filho a aprender a jogar à bola…

Absorta nos meus pensamentos só o olhar irónico da minha amiga me faz perceber que tenho os olhos rasos de água.
- É a melhor decisão da tua vida. Nunca te arrependerás! digo-lhe, com a voz embargada. E não acrescento mais nada.

Depois seguro-lhe na mão e, juntas, erguemos uma prece por ela e por todas as mulheres que respondem ou algum dia responderam à «Chamada para a vida». 


PS - ESCLARECIMENTO,  PARA QUE NÃO SURJAM CONFUSÕES:
        ESTE TEXTO É FICCIONADO, FRUTO DA IMAGINAÇÃO DA AUTORA DO                   BLOG - MARIAZITA