sexta-feira, 1 de julho de 2022

TEXTO DRAMÁTICO


AS MÃOS DO AMOR

No meio do palco um homem aparentando 70 anos, levemente curvado, olha para as mãos que tremem muito ligeiramente.

SALVADOR – Como estão diferentes as minhas mãos!

(Olhando para o público) – Estão a ver estas mãos? Nem sempre foram assim. Não, não adianta quererem ser simpáticos; alguns de vós conhecem-me bem, e gostam de me agradar. Porém… eu sei que elas tremem um pouco. Mas já foram muito firmes.

Todas as vezes que seguravam um bisturi não podiam ter maior firmeza! Eram fortes, estas mãos…

Com toda a precisão cortavam apenas o essencial, procurando causar o menor dano. Sim, que as cicatrizes que resultavam das cirurgias que eu fazia pareciam um fiozinho de teia de aranha.

As senhoras ficavam todas felizes quando viam o resultado do meu trabalho. Aquelas carnes bonitas, depois de passarem pelas minhas mãos, pareciam mais encantadoras.

(Dá uma risadinha, e continua) – Algumas até ficavam com mais graça; aqueles risquinhos, muito fininhos, davam-lhes um certo charme. Que algumas, coitaditas, bem precisavam … (Sorri, com ar matreiro)

– Quando iam para a praia com os seus lindos biquínis, muitas vezes ouviam piropos… E como elas gostavam de ouvir:  “Olha, ali vai mais uma barriguinha do doutor SALVADOR! “

(Levanta a cabeça, mostra um ar orgulhoso) Sim, que as barrigas do doutor SALVADOR não eram de se deitar fora… eram perfeitas! Acreditem! Algumas das minhas clientes até mandavam tatuar uma borboleta, ou uma rosa, ou o que lhes apetecesse… bem junto da cicatriz, para chamar a atenção.

(Olha para as mãos) – Posso dizer com orgulho que estas mãos espalharam muito Amor ao longo dos meus longos anos…

(Põe um ar meio tristonho) – Alguma dor, também… Quando o parto era mal sucedido e mais um anjinho ia para o céu… Não foram muitos, por Deus! Podem contar-se pelos dedos de uma destas mãos (levanta uma mão, abrindo os dedos). Mas foram os suficientes para me fazer sofrer muito…

Ainda me lembro (olha de frente para o público com ar interrogativo) e como poderia esquecer? Quando tive nas mãos aquele corpinho inocente, o pequeno coração a vacilar… sem saber se havia de continuar a bater ou dar-se por vencido… Também o meu corpo cansado teve vontade de curvar-se, abatido, perante uma batalha que me parecia perdida… Mas aquele pequenino coração mostrou-me que não se podem baixar os braços, é preciso lutar para viver… E começou a bater forte. Parecia querer dizer-me: Tenho uma estrada comprida para percorrer, e neste momento preciso da tua ajuda. E, com a força do Amor, juntos vencemos! (Num aparte, em tom orgulhoso) – Hoje está um homem! Forte! Com um coração de ferro!

(Suspira profundamente e volta  ao tom normal) – Não nos deixemos abater pela tristeza! A verdade é que a vida me proporcionou momentos muito felizes… e concedeu-me o dom de, com estas mãos (baixa os olhos para as mãos) poder fazer muita gente feliz. (Olha directamente para o público, estendendo as mãos) – Já repararam que são gémeas? Gémeas verdadeiras, monozigóticas. Desenvolveram-se a partir de duas metades da mesma pessoa, que sou eu, e formaram-se a esquerda e a direita. Por isso são do mesmo sexo, são iguais (junta as palmas das mãos) Vêem? São mesmo iguais. (Separa as mãos) - Quando uma sofre… a outra chora; quando uma ri… a outra bate palmas de contente. Mas… no momento em que se erguem em acção de graças por tantas bênçãos que recebi (junta as mãos) … aí encostam-se, bem juntinhas, com as pontas dos dedos voltados para o alto.

(Com um sorriso sonhador, mantém a posição das mãos) – Lembro-me quando a minha filha se casou… No altar, quando aquelas duas vidas se uniram, também as minhas mãos fizeram o mesmo, orando para que o Amor os acompanhasse ao longo da vida… e se mantivesse sempre acesa a sua luz.

(Estende as mãos em frente, as palmas voltadas para cima, e com um ar meio triste, continua) – E quando o meu filho partiu à procura de vida melhor … foi com estas mãos que o abençoei e, com Amor e lágrimas, lhe desejei breve regresso.

(Faz uma breve pausa. Volta as palmas das mãos para baixo e, olhando-as, continua)

Hoje as minhas mãos tremem um pouco, sim. Tremem porque esta manhã receberam uma notícia triste. Abriram uma carta onde estava escrito: Vimos por este meio comunicar que, a partir desta data, os seus serviços nesta clínica estão dispensados.

Dispensados! Ouviram bem? (repete a palavra, soletrando pausadamente) DIS PEN SA DOS!

Como quem deita fora um trapo velho sem qualquer utilidade, dizem que já não precisam de mim!

Mas estão muito enganados, porque, ainda que o SALVADOR estivesse vendado, estas mãos saberiam (soletra a palavra) PER FEI TA MEN TE como trazer um bebé ao mundo. Não foi em vão que o fizeram anos a fio…

(Descai os ombros, em sinal de desalento e tristeza) – Vivemos numa sociedade muito injusta. E estas mãos que tinham ainda tanto Amor para dar…

(Remata com ar conformado)

Quando um dia eu tiver de fazer a Grande Viagem… alguém irá colocar estas minhas mãos, amorosamente, sobre o meu peito (coloca as mãos uma sobre a outra, na horizontal, junto ao peito) e eu partirei feliz porque, com Amor, fiz muita gente feliz.

E termina:

Sinto-me realizado porque toda a minha vida espalhei(Faz uma pausa, mete a mão ao bolso e retira um papel que desdobra, esticando-o com as mãos. Nele está escrito em letras grandes a palavra “Amor”, que mostra ao público)

SALVADOR (num grito) - AMOR!

 CAI O PANO

Maria Caiano Azevedo

Para quem, eventualmente não saiba. TEXTO DRAMÁTICO  é, em Escrita Criativa, o nome que se dá a um texto destinado a ser representado. Há quem opte por chamar-lhe Texto Teatral, embora haja características diferentes entre ambos.

Como, por motivos particulares, vou ter de fazer uma pausa indeterminada (dois, três , quatro meses…) decidi partilhar convosco este “TEXTO DRAMÁTICO” que recebeu  o 1º prémio num concurso a que concorri.

Durante o tempo que vou estar ausente, desejo a todos, amigas e amigos, tudo de bom.

Um abraço, já com saudades…

Aproveito a oportunidade para informar que já foi publicado o meu último livro, “SEGREDOS”.

Se alguém estiver interessado em adquiri-lo pode pedir-mo directamente por email; ainda tenho alguns exemplares disponíveis.

Obrigada. 


32 comentários:

Porventura escrevo disse...

Bonita história.
Merece continiuaç´~ao

Jaime Portela disse...

As pessoas são usadas enquanto rendem como se fossem máquinas. É a economia de mercado...
Gostei muito do conto/texto dramático, é muito bom.
Há mais vida para além dos blogues, mas não demores muito...
Tudo de bom para ti, minha querida amiga Mariazita.
Um beijo.

chica disse...

Que beleza de texto e nele verdades da vida...
Bom descanso e parabéns pelo MERECIFDO prêmio!Adorei! beijos, chica

Daniel Costa disse...

Querida amiga Mariazita és muito completa a criar literatura de todos os géneros, até de teatro, como se se vê. Criar é sempre sinal de vida; de vitalidade. Devemos ter sempre em conta que, criar é vida; é viver. Alguém disse: "eleva-te a ti e elevarás a sociedade". Sendo assim, estás nesse comprimento de onda. Beijinhos de amizade.

Ruthia disse...

Parabéns pelo prémio e pelo livro, Mariazita. Espero que esta paragem não seja dramática, nem por motivos de saúde. Cá te esperamos, com saudade e paciência.
Até breve
Ruthia

Roselia Bezerra disse...

Boa tardinha serena, querida amiga Mariazita!
Boas férias de Verão!
Um texto interessante e muito bem escrito pela escritora que é a amiga.
Sucesso pelo seu livro!
Descanse e aproveite tudo.
Tenha dias abençoados!
Beijinhos com carinho fraterno

Mariazita disse...

A.S. deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Excelente o teu texto Mariazita! Gostei muito.
Parabéns pelo Prémio.

Votos de umas boas férias e bom descanso.
Um abraço!

Publicado por A.S. em A Casa da Mariquinhas a 1/07/2022, 14:57

Parapeito disse...

Brisas doces para o caminho.
Grata pela sua presença no Parapeito.
Sensível e emotivo o texto e tão real.
Pena as pessoas serem descartáveis a partir de certa altura.
Mas que o Amor seja sempre estandarte.
Abraço e tudo de bom **

Mariazita disse...

- R y k @ r d o - deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Texto intenso, profundo, que me fascinou ler

Um feliz fim de semana.

Pensamentos e Devaneios Poéticos


Publicado por - R y k @ r d o - em A Casa da Mariquinhas a 1/07/2022, 20:39

Mariazita disse...


Duarte deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Os meus parabéns pelo bem enfocado que deixas-te este magnifico texto.
Sempre existe o pensamento poderoso que obriga a ceder.
Pode que tudo esteja vinculado com o tipo de vida que levamos nesta economia de mercado tão poderosa.
Abraço de vida, querida amiga.

Publicado por Duarte em A Casa da Mariquinhas a 2/07/2022, 16:57

Mariazita disse...


Verena deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Aplaudindo de pé tão lindo texto, Mariazita
Prêmio mais que merecido.
Bravo!
Um carinhoso abraço e até a volta
Verena.

Publicado por Verena em A Casa da Mariquinhas a 2/07/2022, 18:53

Fátima Oliveira disse...

Oi Mariazita! Um belíssimo texto! Amei !!
Lembra de mim? Continuo com meu jardim é assim, penso em voltar ao blog mas vou deixando pra depois. Agradeço o lindo comentário que fizeste na minha última postagem.
Um grade abraço e boas férias

Carla Ceres disse...

Parabéns pelo prêmio muito merecido, Mariazita! Aproveite bem seu tempo de afastamento e volte cheia de novidades. Divirta-se! Beijinhos!

Beatriz Bragança disse...

Querida Mariazita
Não admira que tivesse recebido um prémio por este texto! Que bonito!
Um beijinho
Beatriz

Amélia disse...

Querida Mariazita.
Um prémio bem merecido pelo fantástico texto.👏👏🌻
Boas férias.
Beijinhos

Regina Magnabosco disse...

👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻 Li como se estivesse assistindo à apresentação. Parabéns, Mariazita! Um forte e afetuoso abraço!

O Árabe disse...

Mais um merecido primeiro lugar, amiga; muito bom, como todos os teus textos! Já sabes como fazer, para que eu possa ter o teu livro? Não sei como funcionam esses pagamentos internacionais! Meu abraço, boa semana.

Beatriz Pin disse...

Gostei imenso dista peza teatral, monólogo ou como queira chamarse.
É a nossa realidade! Sim, a de tudos que chegamos á idade de aposentamento e ja algumas das coisas que podiamos fazer com mestría, ja não fazemos.
Sentirse inútil, inservible, menosprezad@...é motivo de tristeza.
Você escreve muito bem. Eu ademiro suas obras. Meus parabéms, amiga.
Beijinho

Ana Freire disse...

Vivemos na era do descartável, infelizmente, a quase todos os níveis... achando-se que todos são substítuiveis... com o respectivo declinio de qualidade em tantos serviços, por conta de tal...
Adorei o texto, que tanto nos faz reflectir... as mãos trémulas, terão mais conhecimento e experiência, perante os imprevistos, do que muitas mãos firmes, que poderão prestar também maus serviços, por falta de prática ou competência...
Este texto, fez-me pensar no cardiologista da minha mãe, que já tem alguma idade... e não o troco por nada... já a livrou de situações bem complicadas... bem mais facilmente e rapidamente, do que outros médicos bem mais novos... supostamente detentores de conhecimentos mais actuais... e contudo... apresentando tantas vezes, soluções pouco eficazes!...
Gostei muito do texto! Sem qualquer dúvida, um prémio merecidíssimo!
Votos de muito sucesso, para a sua mais recente publicação, Mariazita... e cá aguardaremos o seu regresso! E no entretanto... cuide-se bem, Mariazita, sobretudo em locais de maior aglomeração! A DGS deixou de dar informações com regularidade... mas a pandemia continua mais presente do que nunca... apenas deixaram de o mencionar nos telejornais... porque agora outras guerras tornaram-se uma prioridade... conveniente... para mais com as polémicas que o sector da saúde, ultimamente tem gerado!
Um beijinho grande! E até à volta! Tudo de bom!
Ana

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e outros textos literários. disse...

"Se hoje a juventude é fresca e bela
A velhice amanhã nos apavora."
Já disse um poeta outrora
E hoje e sempre se revela
Essa verdade singela,
Feito um trauma para quem
Vê a velhice que vem
Ou veio e a não aceita.
Porém só há uma receita
Para evitar: é o além!

E viva a vida baseada n'alma que é eternamente jovem. Abraço fraterno. Laerte.

Maria Rodrigues disse...

Um texto brilhante que tocou o meu coração. É tão triste quando somos descartados e ainda temos tanto para dar.
Boa pausa querida amiga.
Beijinhos

Lúcia disse...

Excelente, esse seu texto! Lembrei-me de uma peça teatral " As Mãos de Eurídice", de autoria de um dramaturgo brasileiro que era médico - Pedro Bloch. Esse seu texto dramático, comparado àquela peça de teatro, nada deixa a desejar. Parabéns "teatróloga" Mariazita Caiano!

Ana Tapadas disse...

Um texto maravilhoso! Ah...as mãos, como nelas se inscreve tanta coisa!

Beijinho

Tais Luso de Carvalho disse...

Querida Mariazita, que texto maravilhoso, amiga,
comove muito os que estão do outro lado!
Mostra a vida do médico cirurgião, mostra o seu percurso de luta
constante. E depois... é isso tudo que você narra magistralmente!
Eu aplaudo de pé, daqui de tão longe!
Beijo, minha querida, aguardemos sua volta.

Mariazita disse...

O Árabe deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Meu abraço, amiga; boa semana, fica bem! Aguardo o próximo post.


Publicado por O Árabe em A Casa da Mariquinhas a 11/07/2022, 19:42

Emília Pinto disse...

Querida Mariazita, um texto que emociona e que muito mereceu o prémio recebido. Infelizmente, somos descartados como farrapos velhos, mesmo quando as nossas mãos ainda são firmes e o mais doloroso é sermos " jogados ao lixo " pelos filhos: demos -lhes tudo o que de melhor tinhamos dentro de nós e tantas vezes somos desprezados por já não termos a mesma agilidade. Muito obrigada, querida Amiga e espero que a tua ausência seja só para descansar e que todos estejam bem de saúde aí em casa. Um forte abraço carregadinho de amizade 👏 🙏
Emilia

MARILENE disse...

Sensacional! Merecido prêmio recebeu, certamente. Vejo-o no palco, a contar sua história de vida, assim como sua dispensa profissional. Gostei muito! Bjs.

Olinda Melo disse...


Querida Mariazita

Fui das primeiras pessoas a comentar este lindo "Texto Dramático,
de que gostei muito. Na altura disse que à medida que ia lendo
ia pensando que era mesmo bom para ser representado, tendo a
confirmação disso no final da minha leitura.

Passei ontem por aqui e vi que o meu comentário tinha desaparecido.
Aconteceu-me o mesmo no blogue do amigo Laerte, "Silo Lírico".

Muita saúde, querida amiga.
Beijinhos
Olinda

Duarte disse...

Claro que sim, esse é o dom do bem escrever.
Cativo estou da tua prosa.
Narrado assim engancha.
Forte abraço de vida, querida amiga.

Mariazita disse...

O Árabe deixou um novo comentário na sua mensagem "TEXTO DRAMÁTICO":

Passando e relendo, amiga; realmente, muito belo. Aguardo o próximo post. Meu abraço, boa semana!


Publicado por O Árabe em A Casa da Mariquinhas a 25/07/2022, 19:53

A Paixão da Isa disse...

um feliz domingo tudo de bom bjs

Ana Freire disse...

Passando a deixar um beijinho e desejando um excelente Agosto, com tudo a correr pelo melhor!
Tudo de bom, Mariazita!
Ana