quarta-feira, 6 de junho de 2018

"IN MEMORIAM"

Esta postagem constitui uma espécie de “memorial” em homenagem a quem partiu, faz hoje, DIA 6 DE JUNHO, seis anos, mas permanece vivo na minha memória e no meu coração – o meu Marido.


ENCONTRO MEDIÚNICO

Despidos de roupas e preconceitos, frente a frente, olhamo-nos em silêncio.
Vejo nos teus olhos, envolto numa enorme ternura, um desejo sem fim.
Lentamente dirijo-me para ti.
Colocando-me a teu lado, pressiono o meu corpo, seios e ventre, contra o teu lado esquerdo.
Não te moves. Apenas um ligeiro arrepio denuncia que notaste a minha presença, o meu contacto.
Avanço a mão esquerda em direcção ao teu peito. Suavemente acaricio-te, primeiro do lado esquerdo e de seguida do lado direito, lenta e demoradamente, como quem tem todo o tempo do mundo.
Ao mesmo tempo a minha mão direita, colocada na parte de trás do teu pescoço, faz uma ligeira pressão desde a base dos teus cabelos, deslizando pelas costas, ao longo da coluna.
Com as pontas dos dedos contorno, suavemente, cada uma das tuas vértebras.
Sem pressas, as minhas mãos vão descendo, divagando, ao longo do teu corpo.
Alcançado o baixo-ventre dirigem-se, lentamente, para a parte interna da tua coxa esquerda, desviando-se da tua fonte da vida, que tocam, muito ao de leve, com a sua parte exterior. Um frémito percorre todo o teu corpo.
Docemente coloco-me à tua frente, elevando as minhas mãos até aos teus quadris. Uno o meu corpo ao teu e deslizo para o lado direito.
Os meus movimentos são lentos, suaves, quase diáfanos, como se nos encontrássemos em "slow motion".

Não me deixas prosseguir.
Levantas o braço, passa-lo por cima do meu ombro, bem junto ao meu pescoço, e comprimes o meu corpo contra o teu flanco.
Inclinas-te para o meu lado e, profundamente conhecedor, beijas-me o pescoço.
Sinto o desejo irromper dentro de ti como um vulcão subitamente desperto do seu sono.
A lava incandescente do teu corpo invade-me; no meu ventre surgem labaredas, qual sarça-ardente.
Murmuro-te ao ouvido palavras meigas e sensuais:
- Não resistas, meu amor; deixa-te invadir por estas ondas de fogo que ateiam o nosso desejo.
Procurando, como só eu sei, os teus pontos mais sensíveis, levanto a minha mão direita e acaricio a tua orelha, continuando a murmurar palavras inflamadas, que te provocam arrepios:
- Quero fundir o meu corpo no teu, em comunhão total.
- Quero ser tua, para toda a eternidade…
Correspondes com ansiedade redobrada:
- Quero receber o teu corpo como num altar do Amor.
- Quero que os nossos corpos se unam para sempre.
Prosseguimos com frases que só os amantes conhecem e entendem.

Passou-se um minuto, um ano, um século… O tempo não conta. Pararam todos os relógios do Universo.
Agora sabemos que a dança da sedução está prestes a terminar. Lentamente, caminhamos para um final sem retorno.

Abraçamos o céu com as mãos. Somos únicos à face da Terra.
No clímax que nos atinge, inesperadamente violento, miríades de fogos-fátuos enfeitam os nossos corpos.


Exaustos, olhamo-nos ainda: tu, lá tão longe… eu aqui, tão longe! Separa-nos a distância de um profundo céu negro, polvilhado de estrelas brilhantes.
Ao meu lado, a cama vazia. No ar, o perfume da tua presença.

A morte não é um impedimento intransponível para a comunicação entre aqueles que se amam verdadeiramente.
Texto de Mariazita

48 comentários:

Rejane Tazza disse...

Puxa! Já 6 anos?
Lindo teu texto e claro, as saudades enormes do marido! Bjs e tudo de bom,chica

Pedro Coimbra disse...

O amor não morre com a pessoa.
Beijos

Os olhares da Gracinha! disse...

Uma saudade imensa ... uma dor maior ... em belo texto de AMOR!!!bj

Olinda Melo disse...


Querida Mariazita

Nos versos do post anterior adivinhei a saudade e as recordações pela partida do teu querido marido e deduzi que a homenagem seria dedicada a ele. Já se passaram seis anos! Na altura estivemos aqui contigo procurando consolar-te, dentro do possível.

Ao ler este belíssimo texto, tão repleto de amor, tive a certeza de que se pode alcançar outros níveis na expressão da nossa sensibilidade. E termina-lo com uma frase que diz tudo:"A morte não é um impedimento intransponível para a comunicação entre aqueles que se amam verdadeiramente". Sim, a nossa forma de sentir não termina com a morte daqueles que amamos.

Beijinhos.

Olinda



Carla Ceres disse...

Que texto maravilhoso, Mariazita! Digno de concurso literário. Seu marido deve estar feliz e comovido com a homenagem. As pessoas que amamos continuam conosco, para sempre. Vocês continuam sendo um belo casal. Parabéns!

Manuel disse...

Minha querida amiga
Deixaste-me sem palavras!
Este texto é duma beleza, duma elevação... difícil de descrever.
Vou apenas dizer isto:
ADOREI!

Deixo-te com um abraço apertado e um carinhoso beijo.
Teu,
Manuel

Larissa Santos disse...

Um texto bastante saudoso e profundo. Adorei :))

Voam borboletas em desejos fugazes.

Bjos
Votos de uma óptima Quarta - Feira

Daniel Costa disse...

Querida amiga Mariazita
Não sem uma forte emoção, tranquilamente, lí a a crónica. Na verdade só um espírito muito muito impregnado do outro espírito, sabe e pode compreender, o que perpassa, no mundo desse espírito.
Que grande legado de sublimes sentimentos!
Beijos de consideração e amizade

Tais Luso disse...

"A morte não é um impedimento intransponível..."
Maravilhoso texto, e a saudade tão evidente! Só assim poderia ter sido escrito.
Beijo, minha querida.

Fá menor disse...

Que só as boas recordações permaneçam!

Beijinhos.

Kr. Eliane disse...

Querida Mariazita:
quão divino um amor assim !!
a proposta de Deus para a humanidade.
fico comovida de ver tão lindo amor que deves ter vivido .
Sagrado e divino.
Tenho um amor imenso pelo meu marido. Não consigo imaginar ficar sem ele.
mas caminhamos e entregamos sempre com confiança à Deus nossa caminhada.
Mas que Deus a cubra de bençãos e consolo, pois o mistério da vida , só Ele um dia vai
nos revelar.
grande abraço.
:o)

Odete Ferreira disse...

Amiga: não consigo imaginar como se vive depois da ausência física do amor da nossa vida. O que consigo é perceber quão sofrida e forte ela é, pela forma como a expressaste, sem reservas, como só os amores inteiros o podem ser.
Um aplauso pelo texto e um carinhoso abraço pela perda.

Amélia disse...

Querida Mariazita.
Mais um belíssimo, maravilhoso texto que adorei ler. Deixou-me sem palavras com esta saudosa homenagem!
Beijinhos.

Emília Pinto disse...

Claro, amiga, que a morte não vos separou, mas não sentir a presença fisica junto de ti e uma tristeza que ficará para sempre. Sabes que eu ainda nāo tinha sentido a dor de uma perda definitiva até ao dia em que o meu pai partiu e ter consciência que não mais o verei naquele lugarzinho da sala, dá-me uma grande tristeza e consigo entender melhor a grande saudade que a minha mãe sente todos os dias quando não o vê ao lado dela na hora do pequeno almoço. Amiga, querida, o mês de Junho foi mau para ti e vai continuar a sê-lo, pois o teu marido continuará presente no teu coração e mais ainda neste dia, Deixo-te um abraço apertadinho e votos de que consigas ultrapassar esta tristeza causada pela saudade.
Emilia

Larissa Pereira dos Santos disse...

Acredito que a morte une a pessoa a Deus, se estamos nEle, estamos unidas a essa pessoa, é uma comunhão de almas! Belo texto! grande abraço!

Ana Freire disse...

Belíssima e emocionante homenagem, Mariazita!...
Há laços que perduram, para além da vida... do tempo... e do espaço... não, a morte não é intransponível... e provavelmente encontraremos os nossos, de novo, um dia... em outras circunstâncias... e com uma nova vida pela frente... eu gosto de acreditar que isso, será mesmo possível... e enquanto tal não acontece... também creio... que nunca andam muito longe... zelando por nós, de alguma forma...
O amor nunca morre... só o esquecimento realmente, mata!...
Adorei o texto! Um beijinho grande!
Ana

Jaime Portela disse...

Um texto belo e comovente.
Esta homenagem em memória do teu marido mostra-nos que ele ainda está vivo dentro de ti.
Bom fim de semana, amiga Mariazita.
Beijo.

Fátima Oliveira disse...

Oi Mariazita, seu texto é uma declaração mutua do amor vivido por vocês dois, amor, paixão cheia de sensualidade, um verdeiro casal que souberam aproveitar a vida à dois, numa perfeita sintonia, que bom...
Acho que você é uma mulher muito forte e corajosa, que Deus abençoe.
Beijos.

Manuel Luis disse...

Neste altar do amor só morre mesmo se esqueceres.
Adorei esta declaração de amor.
Bjs

PAULO TAMBURRO. disse...


MARIAZITA,

sou seu novo seguidor e exatamente o de número 473.
Que lindo relato de amor,iluminada e mediúnica realização de encontro impulsionado pela força da espiritualidade que sobrepõe a matéria, deixa de lado os circunstanciais sentimentos de perda e recupera num fôlego só, a integralidade de mágicos momentos, apos seis anos da passagem do amado.
Nenhuma pompa da realeza de nenhuma parte do mundo e suas milionárias produções "para inglês ver" e o resto do mundo também, supera a simplicidade e grandeza deste reencontro, a riqueza esta sim, de uma verdade que nenhuma carruagem de ouro pode transportar, pois está dentro do seu coração, só dividida entre você e o Criador.
Saio daqui, Mariazita acreditando mais no ser humano,muito mais em nossas capacidades de transcendermos e como pássaros voarmos pela imensidão e infinitude dos céus, procurando em cada estrela o rosto, o corpo e a felicidade que agora se tornou cósmica.
Obrigado Mariazita por este momento de luz e crença eterna no amor.
Permita beijá-la , o beijo respeitoso de admiração.
Um abração carioca e bem brasileiro.


Elvira Carvalho disse...

Li o texto no dia 6 mas fiquei tão emocionada que não consegui comentar. Pelos seus textos, e pelos seus livros perpassa o grande amor que vos uniu. Deve ter sido uma dor sem tamanho a sua partida e a saudade enorme. É preciso uma coragem enorme para continuar a viver.
Um abraço e bom fim-de-semana

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

O Amor vive para sempre.
A separação não destrói nem afasta; dói para Divinização dos Seres.
Ler-te neste texto é como seguir a trilha que vais caminhando.
Homenagem, Honra e Glória a coroar Amor eterno.
Estou contigo, Mariazita.


Beijo
SOL

Amélia disse...

Boa noite Mariazita.
Votos de excelente fim de semana.
Beijinhos

BETONICOU disse...

Oi Mariazita! Li com calma, e digo que entendo esse grande amor escrito com tanta ternura. As grandes almas tem esse dom de guardar em si as coisas belas da vida, e um coração que transborda de amor, sempre o guardará cheio nas recordações.Deixo um terno abraço e beijos; Feliz semana.

Graça Sampaio disse...

Como ele continua vivo na sua mente, no seu ser! Ainda bem que assim é! Um grande e sentido amor!

Beijinho especial.

Andreia Morais disse...

Falta a presença física, que nada consegue colmatar, mas acredito que as pessoas só morrem verdadeiramente quando nos esquecemos delas. Por isso, enquanto preservarmos as memórias, estarão sempre vivias no nosso coração.
Belíssima homenagem!

r: Fico muito feliz por ler isso, obrigada!
Tenho amigos que já fizeram os Caminhos e as as suas partilhas são mesmo inspiradoras.
Não abusa, volte sempre que quiser. As minhas gavetas estão abertas :)

Majo Dutra disse...

Lindo, Mariazita, algo triste, mas muito belo.
Que seja sempre assim.
Não podia haver melhor memorial, agradeço a
agradável leitura.
Abraço grande, Amiga.
~~~

Graça Pires disse...

Uma homenagem sentida num texto comovente. Fica a saudade e o amor para sempre no seu coração…
Uma boa semana.
Um beijo.

O Árabe disse...

Belíssimo, Mariazita! Felizes aqueles que chegam a conhecer o amor, em sua força e plenitude! Boa semana, amiga; fica bem.

Beatriz Bragança disse...

Querida Mariazita
Que texto! Só um grande, grande amor, traz tal inspiração!
A tristeza assalta-nos, de vez em quando, de mãos dadas com a saudade, mas o Amor, esse, continuará sempre! É eterno.
Continuação de uma excelente semana.
Um beijinho
Beatriz

Zilani Célia disse...

Oi Mariazita!
Palavras não são suficientes para definir a beleza de teu texto. É tão bonito que nos causa sentimentos daí, sem palavras
Abrçs

Zizi Santos disse...

O tempo não apaga todo o teu amor ao parceiro de toda a vida .
Aqui desse lado, a emoção toma conta, pois nao consigo me ver
sem o meu .
Teus sentimentos tomam forma num elevo sutil e harmonioso
As almas se fundem nesse momento.
Mariazita tu és uma fada das escritas

bjs

Smareis disse...

Boa noite Mariazita!
Perder alguém que faz parte da nossa vida é muito triste. 6 anos e você ainda o ama com toda força do coração. Amor de alma nunca se separa, sempre estarão juntos.Uma linda homenagem.
Um abraço apertadinho e um beijo no coração.
Continuação de boa semana!

Escrevinhados da Vida

Jaime Portela disse...

Gostei de reler este excelente texto.
Bom fim de semana, amiga Mariazita.
Beijo.

A Nossa Travessa disse...

Minha querida Mariazitamiga

Belíssimo texto.

INFORMAÇÃO

Como deixei escrito no final do quarto texto da saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGÓLICO fiquei seriamente a pensar em terminar a sua publicação. Isto porque o primeiro episódio teve uma boa aceitação (52 comentários e correspondentes respostas), o segundo ficou-se pelos 20 e o terceiro ainda menos, 18…
O apelo para uma boa polémica só teve uma resposta. A da Nonamamiga.
Escuso de matutar mais no problema: fico-me por este último texto. Continuarei a escrever a saga mas para outra finalidade. Obrigado a todos os que me acompanharam e também a quem o não fez


Ceciely disse...

Saludos Mariazita. Magnífico texto!!!
El amor no se termina ni con la muerte, sus palabras lo dicen todo.
Grande y bello su corazón.
Un abrazo en la distancia.

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Reler, tem o condão de penetrar no Espírito do sentimento: Une e partilha.

Beijo
SOL

dono jono disse...

thank you for sharing
viagra asli
jual viagra asli
obat viagra asli
viagra obat kuat
viagra original usa
obat kuat usa
obat kuat viagra
jual obat kuat viagra

Ana Freire disse...

Passando a deixar um beijinho, e os meus votos de uma excelente semana!...
Ana

PAULO TAMBURRO. disse...


MARIAZITA,

não estou conseguindo comentar no seu Olhai os lírios de Macuá(?).
Tentei de tudo!!!
Nesta semana em FALANDO SÉRIO" publiquei: PAPA FRANCISCO, EINSTEIN E NÓS!
Está polêmico!
Beijo.
Um abração carioca.

Diná Fernandes O.Souza disse...

Olá Mariazita, é sempre doloroso falar sobre que amamos e que partiu pra outra dimensão. o amor verdadeiro perdura até o encontro espiritual que um dia acontecerá!
Deixio meu carinhso abraço e votos de feliz semana!

Andreia Morais disse...

r: Estão mesmo :)
Muito obrigada! É verdade, a vida precisa de um pouco de loucura
Vir ao Norte, apesar de ser suspeita, vale sempre a pena :D

Beijinhos*

Maria Glória disse...

Palavras sedutoras, profundas, encantadoras e ampla de muito amor e saudades. Seis anos é tão pouco tempo, mesmo parecendo tanto tempo. É recente minha querida! Os aromas ainda são frescos, úmidos! E sempre serão, com todo esse amor!
Maravilhosa homenagem ao amor de vocês!
Uma abada doce de beijinhos e abracinhos Mariazita.

A Nossa Travessa disse...

Minha querida Mariazitamiga

Hoje venho pedir-te que me envies o teu endereço de imeile [espantosa criação minha...:-)))] para o meu ferreira20091941@gmail.com a fim de poder avisar-te da saída de novos textos lá na Travessa. Obrigado.

Muitos qjs deste teu amigo e admirador
Henrique, o Leãozão

A Casa Madeira disse...

Oi Mariazita, eu já havia lido em outra ocasião e
fiquei em pânico!
É porque começei a pensar sobre essa situação.
Bom o que tenho a dizer e´:
PAZ E BEM.

BETONICOU disse...

Oi Mariazita! Passando para lhe desejar uma ótima continuação de semana. Temos nova postagem. Espero que tudo esteja bem. Beijos e abraços.

A Nossa Travessa disse...

INFORMAÇÃO

Na Nossa Travessa já se encontra o texto n.º 5 a saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGOLÓIDE. O título dele é “MAS QUE DEUS É ESTE?


Jaime Portela disse...

Mariazita, bom fim de semana.
Beijo.