domingo, 11 de setembro de 2011

REGRESSO DE FÉRIAS / CHAMAMENTO



Regressei, trazendo na boca um gostinho de “quero mais”…

Durante este período de férias encontrei-me com uma grande amiga, que já não via há um certo tempo. Falamos frequentemente por telefone, mas os encontros pessoais são cada vez mais escassos. A correria da vida moderna a isso nos conduz.
Este encontro trouxe à minha ideia um outro, ocorrido há bastante anos…

Quando a minha amiga Joana me falou no assunto rondava já os quarenta anos; não podia, por isso, adiar demasiado uma tomada de decisão.
Enquanto almoçamos juntas, fala, como que por acaso, na ideia que ela e o marido têm de «formar uma família».
No fundo, o que acontece é que o seu relógio biológico começou a contagem decrescente, e ela encara, pela primeira vez com seriedade, a perspectiva de ser mãe.
- O que é que tu achas? Eu e o José estamos a estudar a situação, mas gostava de ouvir a tua opinião. Achas que eu devia ter um bebé?
Com todo o cuidado, sem querer denunciar as minhas dúvidas, respondo-lhe:
- Bem… isso vai alterar completamente a tua vida…
- Sim, eu sei. Aquelas saborosas manhãs de sábado e domingo na cama, os fins de semana fora sempre que nos apetece… tudo isso se acaba.
Mas não é bem nisso que estou a pensar. Gostaria de lhe dizer que as feridas físicas da gravidez passam, mas o acto de ser mãe deixa uma marca emocional tão grande, tão viva, que ela ficará totalmente vulnerável.
Olho para as suas unhas bem tratadas e o fato elegante, e penso que, na qualidade de sua melhor amiga, tenho o dever de a alertar para certos factos. E penso:
- Não há elegância que resista a teres que mudar uma fralda. Se for apenas de chichi, até se suporta. Mas… se estiver suja? Até o estômago se revolta…
No entanto… tocar naquela pele tão suave, acariciar aquele corpinho morno e macio, beijar aqueles pequenos pés de dedinhos pequeninos…
Continuo a pensar:
- Nunca mais poderás ler uma má notícia no jornal, sem pensares: “E se fosse o meu filho?”
Todo o tipo de acidentes, incêndios, naufrágios, irão fazer o teu coração apertar-se de ansiedade e pensar: haverá algo pior do que ver um filho morrer?
Mas… e a alegria de vê-lo chegar a casa são e salvo? Nenhuma felicidade é comparável a esta.
E penso ainda:
- Sempre que houver uma nota de urgência no apelo -«Mamã!» - largarás, sem pensar um segundo, a melhor peça de cristal que tenhas entre mãos.
- A tua carreira, na qual investiste os melhores anos da tua vida, será relegada para segundo plano – a maternidade assim o exige.
Poderás até conseguir uma boa ama para o bebé, na qual confias cegamente; mas muitas serão as vezes em que terás que recorrer a toda a tua auto disciplina para não «dar um pulinho a casa» apenas para te certificares de que tudo está bem com o teu filho. E não raras vezes te questionarás se, afinal, o alto cargo que desempenhas na empresa será, «mesmo», mais importante do que o teu papel de mãe.
São estes os pensamentos que me ocorrem enquanto observo a minha amiga, tão atraente.
Devo também dizer-lhe:
- Ainda que percas o peso acumulado durante a gravidez nunca mais te sentirás a mesma.
- A tua vida, tão importante para ti neste momento, terá muito menos valor quando houver um filho.
- A relação com o teu marido também sofrerá alterações. É imprescindível que compreendas que se pode amar ainda mais um homem que está sempre pronto para mudar uma fralda, e que nunca hesita quando o filho reclama a sua atenção…
Para tudo isto e muito mais devo alertar a minha amiga. Mas… tenho também que lhe falar na alegria da mãe ao ver:
- O riso descontrolado de um bebé que toca no pêlo de um cão pela primeira vez;
- O bebé aprender a dar os primeiros passos;
- O filho aprender a jogar à bola…
Absorta nos meus pensamentos só o olhar irónico da minha amiga me faz perceber que tenho os olhos rasos de água.
- Nunca te arrependerás – digo-lhe apenas, por fim.
Depois seguro-lhe na mão e juntas erguemos uma prece por ela e por todas as mulheres que respondem ao «chamamento».

Este encontro ocorreu há muitos anos, mas recordo ainda todos os pormenores.

Agradeço, de coração, a quantos me visitaram e deixaram comentário na minha ausência. 
Bem hajam!
Visitarei TODOS tão breve quanto possível.

46 comentários:

✿ chica disse...

Já chegas emocionando.Tens razão...Nada será o mesmo, mas também ,a vida será bem mais linda com um , 2, 3, 4 bebês,srrs Que bom te ver e que vontade me deu de me jogar naquelas ondas...beijos,chica e bom retorno!

São disse...

Minha querida nena, que bom ter-te de volta!

Um abraço enorme, linda.E bom regresso.

Dora Regina disse...

Seja bem vinda! Feliz retorno!!
Um grande abraço!

xistosa - (josé torres) disse...

Bem vinda à nau!!!
Também estive ausente tempo que bastasse e regressei cansado.
Nunca compreendi porque é que o descanso nos cansa nos últimos estertores... e não é só mentalmente, mas o "físico" parece que acompanha o pensamento.
Como estou reformado tenho 11 meses para me recompor e voltar a partir...
É um ir e vir, um arribar como as andorinhas...

Um bom domingo.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

O "gostinho de quero mais", sempre fica, ao final das férias.Quanto ao "chamamento", é difícil, não atender.

Mariazita, amiga, você retornou bem disposta, gostei de ver. Sua falta, foi bem sentida...Feliz regresso!
Bom domingo
Beijinhos
Lúcia

VeraBruxa disse...

Olá!
As férias te fizeram um bem imenso, a julgar por esse texto...Recebe meu carinho.
Abraço.

Daniel Costa disse...

Mariazita

Em primeiro lugar desejo que tenhas tido boas férias, o que parece aconteceu.
Depois já tinha saudades de ler as tuas interessantes crónicas, como a presente, onde revelas a tua sensatez de mulher muito ponderada.
Beijos

isa disse...

Que bom que voltou!
E que linda "estória" nos contou.
Beijo.
isa.

Luís Coelho disse...

Que maravilha de amizade a vossa.
Que conselhos oportunos.

Nada será maior nem melhor que ser mamã pois aí se completa toda a vida familiar.

Fiquei com os olhos turvos por tantas recordações. Fomos pais a tempo inteiro.

Sentimo-los chegar ao nosso coração.
Vimos a sua partida no mundo da vida.

Aguentámos a dor de não os poder segurar e sabê-los apenas nossos...

Beijinhos cá de casa.

elvira carvalho disse...

Quando uma mulher sente o apelo da maternidade, nada nem ninguém consegue demovê-la. Ainda que seja estéril removerá céus e terra para ter o seu filho mesmo que seja por adopção.
Um abraço e seja bem-vinda de volta.

Carla Ceres disse...

Que bom que você voltou, Mariazita! Senti sua falta. Hoje é domingo, dia em que nem me aproximo da blogosfera, mas passei pra ver se encontrava novidades suas. Tive sorte. Sua postagem é linda. Bem-vinda, querida! Beijos!

Bergilde disse...

Mariazita,
Que beleza de mar!Bons momentos partilhados nesse encontro com a amiga querida, o relato de suas memórias também conosco partilhado reforçando a idéia de que ser mãe vale sempre à pena!
Abraço carinhoso nesse teu retorno bloguístico.

Sonhadora disse...

Minha querida Mariazita

Bem vinda...parece que as férias foram boas e isso é o mais importante.
Estou comemorando 2 anos de blogue e tenho uma fatia de bolo e um selinho guardado para ti com carinho.

Deixo um beijinho
Rosa

carol disse...

Bom regresso a casa e às belas histórias cheias de emoção!

Beijinhos

Cida disse...

Nossa, menina, que LINDO!!!
Também por aqui, os olhos ficaram brilhando de lágrimas...:)
Só mesmo uma mãe, para entender o coração de outra mãe!

Já estava saudosa.
Seja muito bem-vinda!

Te desejo uma feliz e abençoada semana.

PAZ & LUZ!

Beijos,

Cid@

Silenciosamente ouvindo... disse...

Bom regresso amiga e que tudo
esteja bem consigo.Bj./irene

Lourdes disse...

Olá amiga
Regressou com um tema emocionante. Não há dúvida que não há nada na vida melhor que os filhos, mesmo trazendo algumas experiências menos boas.
Beijinhos
Lourdes

Sotnas disse...

Olá Mariazita, que tudo permaneça bem contigo!

As mulheres são seres iluminados, nascem assim, algumas insistem em tentar apagar esta luz, outras a carregam por todo o viver sem jamais deixar de brilhar.

Um retorno ao seu estilo, já nos encantando com esta bela história como sempre fez, parabéns pelo belo texto e pelo retorno que, pelo escrito está com as energias totalmente recarregadas!

E eu sempre grato por tuas visitas sempre generosas deixo aqui meu desejo que você e todos ao teu redor tenham um intenso e feliz viver, enorme abraço e até mais!

Ana Martins disse...

Boa noite, Mariazita,
Que bom que as férias foram esplêndidas e que lindas recordações viveu com a sua amiga!

Beijinho,
Ana Martins

Desnuda disse...

Mariazitaaaa!

Alegria e emoção! Hoje (e agorinha) abrir o blog ver sua atualização foi uma alegria! A emoção foi com a leitura de cada parágrafo deste texto maravilhoso sobre a maternidade e este "chamamento". Tive duas filhas e ambas não planejadas. A primeira ( de surpresa mesmo!) aos 30 anos e a segunda aos 35 ( surpresa maior). Mas do momento que nasceu a primeira fui tomada deste sentimento enorme e grandioso e a cada segundo a minha filha me ensinou a ser mãe. E aprendi direitinho ( acho rsrs). Agora meu relógio biológico grita para ser avó! Dependo da filha acertar os ponteiros dela rsrs. Imagino a emoção deste encontro com a amiga! Felicidades sempre para ambas e toda a família.

Beijos querida amiga. Um abraço quentinho e gostoso como o pãozinho de queijo mineiro e ótima semana.

MARILENE disse...

Seja bem vinda! Fotos lindas e um texto que emociona. Não sou mãe, só tia (rss), mas isso já me traz tanta felicidade!

Bjs.

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Mariazita!

Dá para perceber que as férias correram bem; bem vinda! E logo a abrires com uma bonita história sobre a maternidade, que para pais e mães já foi tema bem mais simples...como toda a gente sabe...

Beijinhos.
Vitor

zeparafuso disse...

Gostei do texto. Uma lágrima, malandra, no canto do olho. Soube-me bem ler esta postagem. Um homem não chora? Pois! Se calhar não. Se calhar somos todos...faltam-me as palavras, mas tu entendes. Bom regresso. Já sentia a tua falta. Mesmo que não comente, este é um sítio de visita obrigatário.
Beijinho

Lilá(s) disse...

Desejo um feliz retorno, mesmo querendo mais, e quem não quer?...
Bjs

Pedrofransilva disse...

A casa da Mariquinhas já não era mas a mesma, faltava-lhe o perfume dos lírios de tuas história!
Encanta-me a emoção com quê escreves!

Tenho uma prenda a te oferecer, mas não encontro um e-mail seu que possa enviá-lo.
Beijo na alma, querida amiga!

Néia Lambert disse...

Mariazita você estava fazendo falta! mas fico feliz por ver que aproveitastes muito bem suas férias.
Quanto ao texto, suas palavras foram de inteira sabedoria.

Beijos

Fernanda disse...

Bem vinda, amiga Mariazita!
É sempre bom saber-se de uma amiga, especialmente quando há um grau de intimidade do tipo que relatas.

Beijinhos

。♥ Smareis ♥。 disse...

Oi minha querida, ja tava sentindo saudades. Bom ter ver de volta. Que bela essa onda, amo praia me deu vontade de molhar meus pés no mar.Beijos e ótima semana.
Smareis

Fernanda disse...

Olá Mariazita!

Obrigada por teres passado logo lá por casa.
Não foi nada fácil, acredita, mas o consenso consegui-se ao fim de 5 longas horas.

Beijinhos

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

O retorno vale a pena,
quando o coração
traz a este reencontro,
o belo contido
nestas preciosas palavras.

Viver é sentir os sonhos
com o coração.

CF disse...

Minha amiga
qd o relógio biológico dá as horas é dificil não responder a correr...:)
Bonita história e esplêndida descrição dos sentimentos, por vezes ambiguos, que nos terão acometido antes de tomar a decisão final...lol
Como mãe identifiquei-me com eles...:)
curiosidade: A sua amiga teve o filho? e como se deu na empreitada?
Bem, não? lol A tirar frladas só pode...lol
Bjs grandes
PS: já tinha saudades de si e espero que as férias tenham sido retemperadoras

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Mariazita! Bem vinda de regresso. Eu fiquei emocionado com seu depoimento tão seguro, tão equilibrado. Na qualidade de filho e pai, me sinto lisonjeado ao me deparar com posturas de mães como a sua. Meu abraço. Paz e bem.

Olinda Melo disse...

Olá, Mariazita

Vim ver o que nos tinha trazido e gostei.

Voltarei para ler melhor e produzir comentário.

Beijo

Olinda

Vivian disse...

Mariazita, fiquei com os olhos cheios de lágrimas!!Minha querida me emocionaste profundamente!
Descreveste tão bem o que é ser mãe, e o final,foi brilhante. Por mais difícil que seja,mesmo com todas as mudanças, e complicações, nunca nos arrependemos!!!
Amei teu conto!!!Obrigada!!!
SEJA BEM VINDA DE VOLTA!!!!
BEIJOS!!

Zé do Cão disse...

Li este texto e atrevo-me a acrescentar alguma coisa.

É certo, encontrar trampa na fralda não é coisa que se goste.
Mas se ela for do leite da mamã, a sua cor amarelinha, que se prende por vezes nos caracois do bébé, quando se lhe dá um banho apressado dentro do lavatório, ver o machão deitado na cama com aquele "saco" enorme que nos causa admiração, repenicar um mijinha cheia de força daquela urina virgem do filho que saiu das entranhas da mãe, ocasionado por um pai estremoso, que nos entra boca dentro sem esperarmos e fica gravado na memória para toda a vida,há lá coisa mais bela que dar continuidade à família.
Tenho acertado com os lugares de férias, desta vez, fico "zambado" não acerto. Dou palpite...Mar Cantabrico?
Bjs minha amiga

Lindalva disse...

O que nos faz bem guardamos n'alma e as doces lembranças sempre nos acompanham. Querida amiga as tuas férias findaram e as minhas estão em continuação, creio que agora podemos marcar o nosso encontro. Já tive o prazer de abraçar alguns amigos, a nossa querida Isa, a inigualável Lili Laranjo, a doce Amélia, o Sir Vitor Chuvas, como encontros com pessoas não blogueiras, as quais não deixo de abraçar anualmente. Partirei dia 30 entra em contacto quando tiveres disponibilidade 911500775. Um beijo enorme no coração.

Zé do Cão disse...

Minha amiga
Gostava de te mandar uma coisa linda que encaixa perfeitamente no meu comentário sobre o bébé. Para isso necessitava do teu mail, que usarei exclusivamente para isso.
Para não o tornar publico, podes mandar para o meu.
Sargentonoactivo@yahoo.com

O meu obrigado

Bergilde disse...

Mariazita,
Outra vez por aqui!
Hoje deixando um convite pra você também conferir e dar sua opinião critica numa entrevista minha falando de como percebo e provo a educação de filhos como brasileira vivendo na Itália atual. O link está no blog.
Bom fim de semana!

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Mariazita:
Muito, muito emocionante o teu texto. Haverá coisa melhor na vida do que ter um filho? Haverá coisa pior do que perdê-lo? É o pavor de uma Mãe desde que ele é concebido. Ah, "Filho"! Essa palavra mágica que transforma toda e qualquer mulher!
Parabéns pela tua sensibilidade.
Desejo que as tuas férias tenham sido reparadoras e que a trua saúde não te esteja a causar grande transtorno.
Um grande abraço.

Lilazdavioleta disse...

Mariazita ,

bem vinda .
Que bom tê - la de volta acompanhada pela emoção , neste caso .

Beijinhos ,
Maria

Evanir disse...

Querida Mariazita..
Agradeço de coração sua visita é muito bom ter você de volta estou muito feliz.
Seja bem vinda mais uma vez espero ter descansado bastante .
Que a viagem tenha sido bem proveitosa .
Que suas energias estejam renovadas.
Um feliz final de semana beijos no coração.
Evanir

Cecília Romeu disse...

Mariazita querida!
Também estava com saudades!!!
Que lindo... depois que fui mãe, nunca mais dormi bem, ouço "mamãe" umas 50 vezes quando tento escrever... mas a amo mais que a mim mesma!
Beijinhos!
Emocionei-me por aqui!
Obrigada pela presença lá no Humorecmonto.

Vera Lúcia disse...

Bem-vinda de volta.
Difícil deixar de atender a este chamamento.
Em seu pensamento, você delineou muito bem as alegrias e as dores de ser mãe. Mas creio que sempre vale a pena. Optei por não abraçar a maternidade e não me arrependi.
Em contrapartida, amo seus sobrinhos e vibro com tudo que diz respeito a eles. É como se fossem meus filhos.
Delícia de fotos!
Beijos.

Maria disse...

Querida amiga nada se pode comparar ao chamamento de ser mãe.
Feliz regresso.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

Linda Simões disse...

Mariazita,

É verdade.É mesmo assim como descreves.Ser mãe é uma dádiva que Deus nos concede.É um chamamento.

Seja bem vinda, querida.


Beijinhos

JADY*ALVES disse...

Minha queridíssima amiga Mariazita.
Tenho eu os olhos rasos d'agua.
Cada momento vivido, cada gesto de carinho doado com prazer são presentes que recebemos por respondermos afirmativamente ao 'chamamento' Sim!!!
Mil vezes Sim para cada riso, cada olhar afetuoso de um filho cada abraço apertado e beijos lambusados com gosto de quero mais.
Amiguita, vim te ler pois por aqui nada quero perder e esse post humm amiguita está imperdível.
Feliz retorno e grata por essa tua escolha pra lá de especial.
Meu olhar agradece o privilégio em ler-te.
Obrigada amiguita amada.
Deus a abençoe.
Beijos e beijos com carinhos dobrados pra tí.
Tua amiga,
Jady