domingo, 3 de abril de 2011

SAUDOSA ÁFRICA DISTANTE



(Este texto foi publicado há três anos; é, portanto, uma reedição [com ligeiras alterações] )

FALAR PORTUGUÊS

NÓS É QUE OS ENSINÁMOS

Uns dias melhor, outros pior, o tempo vai-se passando, nesta cidade que poderia ser o paraíso.
Há até um simpático impala que diversas vezes vem visitar o meu jardim. Caminha calmamente. Através da janela aberta olha para dentro da sala. Em seguida examina o jardim. Terminada a inspecção retira-se tão tranquilamente como chegou.


(Foto minha - no meu jardim)

Contudo, temos sempre presente o que se passa lá para o norte, na chamada «zona de intervenção».
Mas, entre um e outro sobressalto, a vida continua, e todos temos deveres a cumprir.
Lá mais para o sul há empregadas domésticas, mulheres que vão trabalhar às casas dos “brancos”
Aqui, não. São homens que fazem esses serviços. A troco de um salário estabelecido e comida, às vezes também dormida, executam as tarefas domésticas que normalmente são atribuídas às mulheres: cozinham, lavam e engomam a roupa, limpam a casa.
São homens, adultos, muitas vezes casados, ou jovens que rondam os vinte anos.
Há casos em que se tem um adulto para cozinhar e tratar das roupas, e um mais jovem para limpar a casa.
Há ainda uns garotos, (normalmente rapazes, embora por vezes apareçam meninas), que muitas vezes nos batem à porta perguntando:
Senhora precisa miúdo?
São meninos pobres que não têm o que comer em suas casas, e bem cedo começam a lutar pela subsistência.
Dá-se-lhes comida, dormida e roupas (geralmente só têm a que trazem no corpo, e em muito mau estado), e, em troca, eles brincam com as nossas crianças, vigiando para que nada de mal lhes aconteça.


São crianças sombras de crianças. Só se vão deitar depois que os meninos vão para a cama, o que, aqui, acontece bastante cedo.
Todos falam português. Os “miúdos”, por vezes não sabem muito, mas é o bastante para se fazerem entender. E como a linguagem das crianças é universal, conseguem estabelecer longas conversas com as nossas crianças, nas suas brincadeiras.
Na minha casa, para além do miúdo, há um cozinheiro e um rapaz, o Albino, que trata da limpeza da casa e serve à mesa.
Não sei bem a idade de um e de outro. Não é nada fácil calcular. (Tratando-se de pessoas bem avançadas na idade, já de carapinha branca, torna-se ainda mais difícil. E se perguntamos a uma dessas pessoas quantos anos tem, a resposta é sempre: - Não sei, senhora. Tenho muitos!)
O Albino aparenta dezoito a vinte anos. É um rapaz já com prática de trabalho, que me foi recomendado por uma amiga.
Cumpridor dos seus deveres, pouco falador, vai desempenhando bem as suas funções.
Embora fale o indispensável de português para se fazer entender, por vezes não compreende muito bem o que se lhe diz.
Há dias estávamos a almoçar e eu pedi-lhe que fosse buscar água ao frigorífico, pois tinha-se esquecido de a pôr na mesa. Dirigiu-se à cozinha, ouvi-o abrir a porta do frigorífico, mas não aparecia com a água. Depois de esperar uns minutos, chamei-o. Apresentou-se sem nada nas mãos. Perguntei-lhe:
- Então???
Respondeu-me:
- Não encontro, senhora.
- Não encontras o quê???
- Não sabe, senhora…
Calculo que fosse bastante difícil encontrar uma coisa que ele próprio não sabia o que era!...

Cenas como esta acontecem de vez em quando. Nós ensinámos-lhes a nossa língua, mas não todas as palavras, com certeza. No entanto há certos vocábulos que toda a gente aprende muito facilmente.
Todos os dias, a meio da manhã, o Albino pede me para ir tratar das suas necessidades fisiológicas.
- Senhora, pode ir no mato?
- Podes sim, vai lá no mato.
E ele vai. E volta.
Um dia o Albino “foi no mato” mas, contra o costume, demorou-se muito tempo. Eu já pensava: encontrou algum conhecido e ficou à conversa. Quando finalmente apareceu, achei que deveria fazer-lhe um reparo:
- Meu Deus, Albino, demoraste tanto tempo para ir no mato!
Resposta pronta:
- Senhora, não pode ir ca**r aqui no pé de casa !
Engoli em seco, e dei a conversa por terminada.

Quando o Albino veio para minha casa eu não sabia praticamente nada a seu respeito, a não ser que era de confiança. E tanto me bastava. Cerca de um mês depois de estar ao meu serviço, um dia resolvi meter conversa com ele, e perguntei-lhe:
- Albino, tu és casado?
- Não, senhora, ainda sou menino.
- E porque não te casas?
- Porque as mulheres da cidade são todas p*t**.

Também desta vez engoli em seco, e encerrei o assunto.
E jurei a mim mesma não voltar a fazer perguntas indiscretas!

Eles apenas repetem as palavras que lhes ensinámos.

59 comentários:

Isa disse...

Lembranças de África que tb guardo no meu blog.
Momentos de que tenho saudade.Estão
sempre presentes.
Beijo.♥♥♥

isa.

C. disse...

Hehe que ótimo texto Mariazita!
A vida nos oferece muitas oportunidades para o enriquecimento da alma, né? Esse rapaz nos mostra o quanto é importante a discrição, principalmente em casos de culturas diferentes, e assim transitaremos livres em qualquer lugar.

Tenha um ótimo domingo amiga, aqui ensolarado e lindo!

#Beijinhos

✿ chica disse...

Lindas recosrdações e como são diferentes as usanças... Legal de lembrar, de ler e de se divertir com o que aprendese por lá...beijos, lindo domingo e semana!chica

CF disse...

Gosto muito de ler estes seus textos onde fala de uma cultura diferente da nossa, mas com aspectos que se entrecruzam...principalmente a lingua. Sinto muita curiosidade em relação a África e não se sei foi no seu blogue se no da Isabel, mas um dia gostria de fazer voluntariado por lá... veremos o que a vida me reserva.
Tem um recado para si no meu blogue.
Bjs e bom domingo

zeparafuso disse...

Recordar é viver! Acabei de reviver agora um longo período, talvez o mais feliz da minha vida. Quantos Albinos conheci..!!!Quando saí de África a despedida de um Albino, ( que por acaso era Rogério ) foi de lágrimas nos olhos, depois de 16 anos a trabalhar para mim, 16 anos de convivência. Obrigado por recordares estas vivências.
Bom domingo, Bjinho

Néia Lambert disse...

Mariazita, o texto é excelente e valeu a pena postá-lo novamente. A gente sempre aprende alguma coisa ao ler o que escreves, isso faz um bem!

Beijos

São disse...

Mais uma estória das que espero ver em livro de papel!

As tos estão interessantes.

Uma semana muito feliz, neninhina

Estela disse...

Mariazita,
as boas lembranças estão sempre presentes e que bom que as escrevestes aqui!
Beijocas.

Sotnas disse...

Olá Mariazita, que tudo esteja e permaneça bem contigo!
É por este motivo, que ainda que eu demore em aparecer, não posso deixar de por aqui passar. E perder de ler, conhecer e viajar em tuas histórias sempre enriquecedoras. Conhecer culturas diferentes é enriquecedor para os dois lados. Mesmo para que pensa que somente esta ensinando, vai perceber que também aprende muito!
Mariazita, eu não sei se faz idéia do quanto me alegrou por ter aceitado o desafio, muito mais do que imagina! E também os elogios! Agradeço de coração!
É maravilhoso saber que temos amigos assim feitos você e tantos outros, e virtualmente.
Fico deveras contente por suas visitas e comentários, além da sua amizade, e claro por também sempre que passo por aqui, adquiro mais um tanto de conhecimento além das fronteiras deste imenso país que morro e mal conheço!
Belíssimos textos sempre postados por você aqui na sua casa com lírios e histórias, e assim desejo a você e todos ao redor infinita felicidade, abraços e até mais!
PS. Também não foi fácil, eu penso que livros lidos são como parte de nossa existência, difícil escolher entre tantos, este ou aquele, se gostamos de todos!

André Miranda disse...

Ótimo texto! a vida é feita de lembranças e é o experienciar que nos torna aptos para a vida.

Beijo.

Cida disse...

Ai menina, acho tão interessantes esses teus casos, essas tuas lembranças!...
Coisas tão distantes da minha realidade, que pra mim parece até um filme :)
Imagino como tudo isso te serviu de experiência de vida, e te ajudou a enfrentar dificuldades.

/\ღ/\¸
(=•_•=)
.*•.¸.•*
ღ♥*♥ღ.•*¨) ©
.(")_(") (¸.•*¨*•►
Beijinhos e abraços carinhosos ♥

Cid@

Rogério Pereira disse...

DEpois de atentamente isto ler, acho que iria gostar de este meu escrever

Estela disse...

Tem um Selinho pra você no "Guardados e Achados".
Bjs.

Desnuda disse...

Hahahahah Mariazita mais perguntas indiscretas e teria nais para contar e rir depois! Adoro seus textos amga! Amo você!


Beijos com carinho , ótimo domingo e uma feliz semana!

Lilá(s) disse...

Desde muito criança aprendi a gostar de África sem nunca lá ter estado, eram imensas as histórias qu e o meu pai contava ao serão, e ainda hoje o meu cunhado e irmã mais velha que lá viveram muitos anos continuam contando e recordando...
Bjs

JADY*ALVES disse...

Olá Amiguita!!!
Como está o teu domingo?
Aqui chove incessantemente, tempo inconstante sempre nos surpeendendo...
Quanto ao teu post de hoje "Saudosa África Distante" eu lembro-me bem de já tê-lo lido, foi quase aí que nos conhecemos.
Um pouco antes, grata lembrança da nossa amizade que foi crescendo...
E aqui estamos nessa caminhada que só tem nos ajudado a crescer...
Lindas as fotos que tiraste como deve ter sido com certeza belos os dias vividos em tua Saudosa África.
É sempre gostoso ler e reler teus textos, fico aqui imaginando este belo animal, impala pois não? A olhar por tua janela sem receios, simplesmente tentando reconhecer fazendo amizade com os novos visitantes, lembro-me do teu cozinheiro expert na cozinha e a ajudava de bom grado e alegria, e das Mulheres P. rsss todas? ah impossivel mas ele as via desse modo, pena tenha deixado a vida passar por conta de um olhar atravessado rss...
Minha queridissima amiga, peço desculpas pela demora na publicação do teu sempre esperado comentario em meu *bloguito, tento, mas; muitas vezes não posso acessar a net e as denpências vão se acumulando...
Deixo aqui nessas linhas o meu beijo e meu carinho num abraço quentinho de saudade.
Fica com Deus!
Sempre pertinho de tí, tua amiguita,
Jady

Vivian disse...

Boa Noite, Mariazita!!

Que belas lembranças!!
Quantos momentos interessantes!!
Uma vida tão diferente, da que estamos acostumados por aqui...
Obrigada pela partilha,por dar uma oportunidade de conhecimento e aprendizagem.
Você escreve divinamente!!Me senti dentro do texto!
Beijos pra ti!
Bom começo de semana!!!

Miguel disse...

Mariazita, quero agradecer sua visita em nosso humilde blog e principalmente, seu gentil comentário sobre nosso despretencioso trabalho, também já estou te seguindo. Maravilhoso este texto, adorei também a história da Maria Eugênia e o esquecimento das calcinhas, hehe, ainda bem que ela resolveu o problema, e de uma maneira interessante, o simpático senhor não a chamou de gorda e sim de grávida. Gostei muito. Minha cara, estarei sempre por aqui, até outras vezes minha amiga.

Van disse...

Oi Mariazita

delicioso seu texto, lembranças do cotidiano. Tão interessante a nós do outro lado do mar

Boa semana!

ju rigoni disse...

Querida Mariazita, ler suas histórias é uma experiência única em que muito se aprende. Essa é uma narrativa que me deixa entre o riso e a tristeza, - tristeza por saber quão básicas são as faltas com as quais ainda convive esse povo irmão.

Apreciei também as fotos que você escolheu para ilustração. A do impala no jardim... Uau!

Um beijo, querida amiga. Bom demais ler seus escritos.

Desejo-lhe uma boa semana. Inté!

Machado de Carlos disse...

Aprecio muito a Língua Portuguesa (A de Portugal mesmo). Por aqui mudam muito a maneira de falar, principalmente com a entrada de muitas gírias, e, principalmente dos produtos americanos, cujas linguagens entram em nossa língua. Às vezes falamos coisas de Norte Americanos sem saber realmente o que significam. Agora a Língua portuguesa é belíssima!
Com o número excessivo de mulheres no mundo, elas – as mulheres já substituem os homens em quase tudo.
Adorei o seu comentário em meu Blog. Fiquei muito feliz com a sua visita.
Beijos!...

Luciana Vannucchi de Farias disse...

HAHAHA! Ótimo texto, Mariazita!!!

Sabe... aqui neste Brasilzão, onde a grande maioria está habituada ao português, muitas vezes esbarramos na barreira de linguagem.

Mas me lembrei da minha sogra, que veio da Bahia aos 16 anos e, em uma das vezes que foi visitar a família, chocou os irmãos quando foi ao mato e voltou coberta de "picão". Aqui pra São Paulo, essa palavra se refere a uns espinhos que têm no mato e que grudam em nossa roupa. Lá na Bahia, se refere a coisas bem menos lisonjeiras, rsrsrsrsrs...

Beijocas, uma ótima semana procê!!!

Lilazdavioleta disse...

Olá Mariazita ,

Eles tinham um vocabulário reduzido , mas sabiam aplicá - lo convenientemente :)

Um beijinho,
Maria

TERESA SANTOS disse...

Não conheço África, mas sei, sem qualquer espécie para dúvida, que África tem qualquer espécie de magia que toca todos os que por lá passam, ou vivem.
Obrigada pela visita.
Quero descobrir este espaço com mais tempo, com mais calma.
Abraço

Carla Ceres disse...

Que blog interessante, Mariazita! Voltarei muitas vezes. Beijos!

Evanir disse...

Querida amiga ..
Uma linda semana anjo lindo beijos meus,,Evanir...

www.aviagem1.blogspot.com

manuela baptista disse...

claro que gosto de África!

embora apenas conheça o norte da mesma...

mas imagino o cheiro e os sons

obrigada, Mariasita!

um abraço

manuela

Lourdes disse...

Mariazita
A sua narrativa faz-nos sentir s saudades qie sente desses momentos vividos em África junto de gente tão simples. Aquilo que descreveu é muito semelhante a tantas estórias que tenho ouvido contar a colegas, também elas criadas num continente com culturas tão diferentes do nosso.
Todas elas denotavam uma grande nostalgia.
Beijinhos
Lourdes

Machado de Carlos disse...

Reitero-lhe os dizeres do comentário acima, pedindo-lhe desculpas para uma pequena ressalva; - A Musa dos meus versos continua a mesma de sempre, ela – A Musa é eterna. Ela me inspira e sempre inspirará a minha condição de um sonetista, cujos versos são singelos, mas saem da alma, isto sim é muito importante tanto para mim quanto para ela, a grande Musa que tem moradia dentro do meu coração.
Carinhosamente receba o meu grande abraço de sempre.

Machado de Carlos disse...

Reitero-lhe os dizeres do comentário acima, pedindo-lhe desculpas para uma pequena ressalva; - A Musa dos meus versos continua a mesma de sempre, ela – A Musa é eterna. Ela me inspira e sempre inspirará a minha condição de um sonetista, cujos versos são singelos, mas saem da alma, isto sim é muito importante tanto para mim quanto para ela, a grande Musa que tem moradia dentro do meu coração.
Carinhosamente receba o meu grande abraço de sempre.

Bergilde Croce disse...

Mariazita,muito bacana essa mensagem que você transmite aqui apresentando uma cultura que também faz parte das raízes históricas do meu Brasil.
Abraços pra ti,
Bergilde

as-nunes disse...

Também tenho andado distante de muitos dos meus blogues de referência. Este é um deles.

Bem penso em penitenciar-me deste pecado, que sei que é grave, injusto muitas vezes.

Moçambique, presumo.
Penso que já aqui trocámos algumas impressões sobre África, o que até nem é de espantar, claro está.

Em Nampula, onde estive dois anos, 1969/71, onde nasceu a minha filha Inês (hoje com dois filhos, 15 e 12), tive ocasião de viver algumas experiências deste tipo.

Como era casado tinha direito a dois "mainatos". Eram o Gregório (por sinal gostava bem de álcool) e o António. Bons cozinheiros e tomavam conta das crianças com um desvelo a toda a prova.

Gostei muito desta narrativa.

Bj
António

nacasadorau disse...

Mariazita, amiga!

Cada tiro cada melro :)))
Quem faz perguntas pertinentes leva respostas destas :)))
Mais uma vez fizeste-me rir, só para variar:)))
Essa dele ir ao frigorífico buscar nem ele sabia o quê... é de morrer a rir. Coitado!!!
Sabes que tenho um irmão do meu cunhado em Moçambique há muitos anos. Esse conta histórias de morrer a rir.
Agora está a minha sobrinha também em Angola, mas essa ainda deve ter poucos empregados.

Dizes tu que eles só aprendem o que os "brancos" lhes ensinam... será?

Gosto dos teus textos sobre África, não são nada pesados, bem pelo contrario.

Beijão

Silenciosamente ouvindo... disse...

O fascínio de África parece ser mtº. forte, porque quem lá esteve
jamais o esquece. Eu não conheço
África ao vivo, o que sei é dos
filmes, dos livros, dos blogues...
e meu marido que foi militar em
Moçambique. Um bom post amigo.
Beijinhos
Irene

Evanir disse...

Mariazita suas postagens sempre com um recheio marvilhoso de cultura .
Por isso sempre digo ser b ogueio e ler potagem tambem é cultura.
Ès maravilhosa no que faz amiga.
Um beijo carinhoso,Evanir..


www.aviagem1.blogspot.com

nacasadorau disse...

Mariazita, amiga!

Fora de mão é África!!!!

Não venhas por um dia ou dois, vem uma semanita e verás as belezas desta terra.
Prometo que te mostrarei tudo. Visita VIP com direito ao Director do Aquamuseu como cicerone, o meu amigo Dr Carlos é um amor de pessoa e é um pedaço de mau caminho :))))
Às vezes nem sei para que peixe estou a olhar :)))))))))ou entendo mal o que ele diz para o ouvir mais pertinho :)))
Agora a sério, se não conheces Cerveira, pensa e arranja um tempinho. Vais ver que não te arrependes.

Beijinho

Sonhadora disse...

Minha querida

Uma história como sempre muito bem contada...cheia de realidade e que me fez voltar no tempo.

Deixo um beijinho com carinho

Rosa

Marilu disse...

Querida amiga, que privilégio ter um impala como visitante do teu jardim, realmente essas são coisas que não se esquecem. Lindas lembranças, lindas histórias pra contar. Beijocas

Daniel Costa disse...

Mariazita

É perita a contar os épisódios vividos na então, África Colonial Portuguesa. Adoro todas as tuas histórias, porém as de África mexem comigo e ainda estou a sorrir da última conversa com o Albino. O que respondeu era mais ou menos certo.

Sobre dinheiro, também não era esse que me atraíu, se fosse conseguiria decerto. Ainda assim o famoso AVC travou o êxito editorial económico, que criei e que tinha chegado então chegado.
Beijos

Cacá - José Cláudio disse...

Olhando um pouco para a Àfrica e para o Brasil, vemos que a barreira cultural menos problemática é a língua. Aqui também temos pessoas em abundância nessa condição de falantes da língua mas pouco entendedores dos sgnificados para se tornarem cidadãos mais plenos de sua história. Uns contrastes muito acirrados. Aprecio muito estes conhecimentos, Mariazita. Abraços. Paz e bem.

Táxi Pluvioso disse...

Pois, e o mundo dá cada volta, agora somos nós que lhes batemos à porta perguntado: quer miúdo?

boa semana

Nilce disse...

Gostei muito de conhecer um dos personagens de suas vivências na África, Mariazita.
São recordações saudosas de um povo sofredor, que muito serviram e lutaram para sobreviver.

Bjs no coração!

Nilce

Regina Rozenbaum disse...

Mariazita, amada!
Memórias lindas e que bom que repostou, assim pude conhecer mais um cadim de sua história e da cultura africana.
Beijuuss n.a.

Desnuda disse...

Mariazita,


Vim correndo trazer meu beijo estalado de bom e te lembrar que amo ocê pra daná!!!

Evanir disse...

Querida Mariazita..
Hoje votei no meu blog vi você foi minha segunda visita .
E por isso estou aqui ..esta tudo bem contigo?
Minha amiga faz alguns dias que não sei de você eu corro atraz mesmo para saber como estas ,pois não é só na alegria que serve nossas amizades.
Um beijo ,Evanir.

www.aviagem1.blogspot.com

Anne Lieri disse...

Mariazita,vc é um encanto de pessoa e adorei sua história sobre o Albino na África!Muito divertida!Em meio a tanta pobreza e dificuldades,vc tornou a história leve e deliciosa a leitura!Quis levar seu selinho,mas não foi possivel copiar.Se puder me mandar,colocarei com carinho em meu blog adulto.Bjs,

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Oi Mariazita!
Gosto dos seus textos ,das suas histórias, esta de saudade!
Não conheço África , mas tenho familia, que esteve em Moçambique, e voltaram para ver o local onde cresceram, onde foram felizes.
Parabéns, voltarei!
Até breve
Herminia

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Oi Mariazita!
Gosto dos seus textos ,das suas histórias, esta de saudade!
Não conheço África , mas tenho familia, que esteve em Moçambique, e voltaram para ver o local onde cresceram, onde foram felizes.
Parabéns, voltarei!
Até breve
Herminia

Silenciosamente ouvindo... disse...

Pois é amiga só faltava que
viesse fazer uma comunicação
daquelas de sorriso...
Vamos sofrer sim, e ainda se
fosse para aprenderem de vez
a governar o país...
Um beijinho
Irene

Gilmar Morais disse...

Mariazita,

Volto depois, com mais tempo, para saber mais e saborear mais as suas falas.

Estou seguindo-a.

Meu carinho!

Evanir disse...

Mariazita olha eu aqui.
Quando voltar no meu blog da uma olhada a esquerda dele .
Creio que vai gostar muito de ver afinal Mariazita tenho muitos amigos e amigas de Portugal .
È só ver o carinho enorme que tenho por todos vocês espero que encontre ok.
Um beijo no coração minha linda amiga..
beijos meus,Evanir.
http://aviagem1.blogspot.com/

Perola disse...

Muito bom compartilhar suas histórias amada.
Parabéns e obrigado pela oportunidade.
Beijos.

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Mariazita:
Que lindo texto! Quanta ternura! Valeu! Gostei e muito! E, depois, é África! É uma reedição de um texto da tua autoria, não é?
Beijos.

Lis disse...

Muito bom conhecer um pouco mais das suas viagens pela Africa, Mariazita
Histórias hilárias e reais , sempre me surpeendendo.
Ainda chocada com a tragédia que vivemos aqui num bairro do Rio de Janeiro .
A violência daqui sempre ocorre por causa do tráfico de drogas ( na repressão entre traficantes e polícia ) mas esse genero surpreendeu a todos os brasileiros.
Uma escola um ambiente que imaginamos seguro ! infelismente estamos a mercê de mentes deturpadas e doentes.
Triste Mariazita , muito triste.
Vidas interrompidas e muitos sonhos desfeitos.
Que as famílias tenha o conforto pra prosseguir a vida.
desculpe comentar sobre isso, mas é o que está doendo por aqui.
deixo abraços e um bom fim de semana

Miguel disse...

Mariazita,

Vim desejar-lhe um lindo final de semana, repleto de muita paz, saúde e alegrias!

Deus seja contigo!

http://hajalluz.blogspot.com/

Evanir disse...

Bom Dia aqui no Brasil né Mariazita?
Hoje venho desejar um feliz final de semana também dizer a você ,que és a segunda visita a ser homenagiada no blog.
No dia 27/01/2011 foi você a segunda visitante da minha Viagem.
Hoje venho te agradecer não só pela primeira visita mais pelo carinho pois continua a me visitar fazendo parte da minha vida.
Espero que de tempo para você dar uma olhadinha.
Amada a algum tempo quero perguntar-lhe sei que seu livro é maravilhoso como faria eu morando no Brasil para comprar um livro seu?
Quanto sairia e como faria esse pagamente sei que muitos compram livros até mesmo cd mais fazem o deposito direto no Banco do Brasil sem barreiras alguma porque tem Banco do Brasil em Portugal ,mais ñ sei se seria nosso caso.
Com muito carinho aguardo .
caso quiser explicar por emais aqui esta o meu.
evanir_garcia@hotmail.com
não acho muito legal falar de compras no blog sentirei -me muito honrada em poder adquirir um exemplar de seu livro.
Um beijo carinho ,Evanir.

www.aviagem1.blogspot.com/

Maria disse...

Querida amiga adorei acompanhá-la nas suas recordaçôes. Como diz o velho ditado "recordar é viver" e sabe tão bem lembrar esses momentos distantes, que marcaram a nossa vida.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Estela disse...

Olá Mariazita,
Tem um convite pra você lá no "Guardados e Achados".
Bjs.

José disse...

Olá Mariazita!
Assim que cheguei, vi umas tabuinhas,
vi logo que era aqui a casa da mariquinhas.
A África é onde o tempo mais aquece,
mas quem por la passa, nunca mais a esquece.

boa noite, eu vou andando
até mais ver.
José.