domingo, 11 de julho de 2010

PARA INGLÊS VER

A maioria das pessoas já ouviu a expressão “para inglês ver”, mas, provavelmente, poucas saberão a sua origem.
Veja a explicação que é apresentada como muito provável:

A origem deste ditado situa-se, quem diria, pela época da Abolição da Escravatura. Em termos geográficos, mais precisamente pertinho de Conservatória (RJ) na divisa de Minas Gerais com o Rio de Janeiro em Santa Rita de Jacutinga..
Pelo lado mineiro, nas margens do Rio Preto, existe uma secular Fazenda, a Santa Clara.

Sua sede majestosa (foto), entre outros detalhes arquitetônicos típicos da época relativa ao Ciclo do Café, conta com mais de 100 janelas voltadas para a sua fachada.
Pois bem, a Inglaterra era a maior credora da dívida externa brasileira e, pelo fato da abolição da escravatura no Brasil ter demorado por demais na sua finalização, segundo o gosto inglês, este país condicionou a continuidade dos negócios com os Tupiniquins à exigência de exterminação de quaiquer resquícios de escravidão humana.
A Fazenda Santa Clara foi alvo de uma severa fiscalização por parte da Coroa Inglesa que anunciara para breve uma vistoria nas suas instalações, mercê de denúncias de ainda praticar-se por lá o uso de mão de obra escrava e principalmente, pela existência de senzalas que continuavam a abrigar, agora clandestinamente, estes escravos.
Senzalas não tinham janelas e possuíam uma única entrada e só.
Aproximava-se a data prevista para a tão temida vistoria dos Ingleses.
Alguém teve, então, a idéia de desenhar várias janelas (umas abertas, outras fechadas e outras tantas semi-abertas), nas paredes frontais às senzalas.

Assim pensado, assim feito. O pessoal da fazenda tinha conhecimento que a comitiva dos auditores Ingleses passaria pela margem oposta do Rio Preto, no Rio de Janeiro, haja a vista que o acesso para Minas Gerais (margem da Fazenda Santa Clara) só poderia ser acessada em um local muito distante. Isto tomaria um tempo precioso e a Santa Clara não era a única a ser submetida a tal cometimento. Todas a fazendas da região de Vassouras, Barra do Piraí, Valença e Paraíba do Sul, ou quase todas, estavam incriminadas. Portanto a vistoria tinha que ser rápida;
E assim os Ingleses, na margem oposta do Rio, fiscalizaram a Fazenda Santa Clara e constataram que as reformas necessárias foram executadas. Não mais senzalas. Vistosas janelas foram colocadas no, antes, hediondo local, tornando-o humanizado segundo os padrões habitacionais.
Notava-se inclusive que algumas das janelas estavam entreabertas, permitindo uma ventilação refrescante ..

E agora você já sabe: -Toda vez que ouvir alguém dizer “isto é para inglês ver”, foi lá na Fazenda Santa Clara que tudo aconteceu. Se tiver oportunidade vá ao local e poderá ver as “janelas” perfeitamente colocadas.

M.Turbay (Vila Velha, ES, 01/01/2009)

História
A Fazenda Santa Clara foi construída a partir de 1760 pelo governador de Minas Gerais e a família Bustamante Fortes, de São João Del Rey.


O lugar é repleto de rituais, tais como: uma janela para cada dia do ano, ou seja, 365 janelas; a escada da oração "Pai Nosso", na qual o fiel subia rezando uma frase para cada degrau (acertando, podia fazer um pedido para Santa Clara e seria atendido); a prisão conserva até hoje os instrumentos de torturas, os troncos, marcas de unhas nas paredes (prova do padecimento dos escravos), a senzala com suas janelas pintadas para que a fazenda não perdesse a estética (não poderiam ser verdadeiras para não facilitarem a fuga dos cativos) e os salões com móveis portugueses e italianos da época. Tudo isso guarda a história dos tempos da colonização e da escravidão. A fazenda serve de palco para grandes produções da Rede Globo. Ali foi rodada a mini-série "Abolição" e também parte da novela "Terra Nostra", sendo cenário da fazenda de Gumercindo (Antôni Fagundes). Está aberta à visitação pública, acompanhada por um guia da fazenda, mostrando todo seu interior e contando toda a sua história.

36 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Mariazita, amada!
E eu que não sabia dessa história???? Adorei! Passo também para dizer que deixei um mimo procê lá no Divã.
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Fátima disse...

Muito interessante e informativo seu texto, muitas vezes fazemos uso de termos ou frases , sem sequer saber sua origem.
Seu blog aborda temas que nos acrescenta conhecimento de forma bastante simplificada, gosto muito. E olha, não digo isso só para Inglês ver não, rs.

Beijinho com carinho.

Amanda Luna disse...

Oiii, muito bom este post, eu não conhecia esta historinha não!!!
Beijoca
sermulhereomaximo.blogspot.com

lis disse...

Oi Mariazita
Não tinha lido a respeito ainda ,mesmo sendo brasileira rsrs gostei de saber ! essa expressão é bem usada por aqui!
São João Del Rei é uma das cidades históricas de Minas e conhecida por suas tradicionais festas religiosas, principalmente pela Semana Santa.
Muitos predios são tombados como patrimonio publico ,inclusive a Fazenda Santa Clara .
Foi uma cidade que por causa do ouro tinha muitas discórdias , viviam guerreando por cobiça.
Todo o Estado de Minas Gerais é recheado de histórias politicas Mariazita e é muito bonito e interessante.
Adoei o texto, como sempre voce é otima tanto escrevendo como escolhendo
os temas.
abraços,bom domingo

Livinha disse...

Interessantíssima informação. Que aula histórica que acabei de ler. Nossa me deu anseio de ir, porque adoro esse passado, me condoo por ele e sinto curiosidade de saber mais.
Na verdade é dos negros as nossas orígens,
Maravilha saber disso.
Obrigada minha amiga, sempre trazendo sabedoria pra gente. isto é cultura!!!

Lindo Domingo pra ti
Bjs

Livinha

Luís Coelho disse...

Bom dia e bom domingo
Não pretendo tirar valor à sua história que achei encantadora.Uma parte da nossa história que nos pesa por tantos erros - escravatura.

A origem do "para inglês ver" sempre me foi explicada como um truque para enganar incautos.
Abreviar a obra pintando as paredes que não tem consistência, ou uma sala encerada com o lixo debaixo dos tapetes ou cortar uma fita numa inauguração pública onde nem metade está feito... "aldrabar"

António Gallobar disse...

Olá amiga

Um texto precioso, educativo bem revelador do quanto a preversa mente humana é capaz de fazer para iludir os outros, essa das janelas pintadas acabou definitivamente comigo. Fiquei de boca aberta!

O livro Equador do Miguel Sousa Tavares, consegue dar uma imagem da luta travada para abolir a escravatura.

Parabens amiga, um bom domingo

Beijinho

Kim disse...

Mariazita!
Também não conhecia a "estória". Sou um leitor atento deste tipo de curiosidades.
Esta é mesma uma curiosidade a reter e não deve ter sido dada a conhecer, apenas para inglês ver.
Beijinho para ti

Vitor Chuva disse...

Olá Mariazita!

A origem da expressão,confesso,
desconhecia; apenas o seu sentido.
Quando à "dor de alma" dos Ingleses em relação à exploração da mão-de-obra escrava, há quem sustente que o motivo seria outro, e mais bem prosaico: concorrência desleal com os seus próprios produtos, que assim não encontravam comprador, por serem mais caros ...
E quando à habilidade de fingir a existência de janelas onde elas não existiam, ela faz-me lembrar o mesmo truque há muito usado em navios cargueiros, à vela,que pintavam canhões no costado do navio para "Inglês ver", e assim evitarem serem atacados e pilhados.

E ficámos todos mais ricos com a explicação; eu gostei.

Beijinhos.
Vitor

Fernanda disse...

Querida Mariazita!

Conhecia bem a explicação, desculpe se sou desmancha prazeres hoje :))))
Coisas do Inglês e ligadas com a língua inglesa é o meu forte, modéstia à parte.

Confirmo categoricamente e junto o complemento do amigo Vitor.
Gostei muito! Imenso! E louvo o facto de mais uma vez nos surpreender com um tema que não lembra a todos.

Parabéns.

Na Casa do Rau

com senso disse...

Amiga Mariazita

Tantas vezes dizemos expressões de que não sabemos a origem e é uma delícia vir a descobrir essa raiz, a razão de ser de algo que é tão comum, mas tão antigo, que a memória se foi perdendo no tempo.
Ainda bem que há registos como estes e melhor ainda quem tenha a generosidade de os divulgar, como a Mariazita o fez.
Muito curioso e interessante. Gostei muito.
Um beijinho com amizade

Saozita disse...

Querida amiga Mariazita, gostei de ler o post sobre a origem da expressão "para Inglês ver", sinceramente não conhecia e é sempre bom aprender.
A fazenda de Santa Clara é efectivamente uma das fazendas históricas, que marcam um passado e nos contam e servem como testemunhos históricos.

Tem uma boa noite, querida amiga.
Beijinhos

Zélia Guardiano disse...

Querida Mariazita
É por esse motivo, entre outros, que gosto de vir ao teu espaço: aqui se aprende!
Não há uma postagem sua que não seja de suma importância!
Muito grata, minha amiga!
Enorme abraço!

Sonhadora disse...

Minha querida Mariazita
Sempre aprendendo, não conhecia, gostei do texto.

Beijinhos
Sonhadora

poetaeusou . . . disse...

*
ai de mim,
que entro em transe,
quando falam de ingleses,
recordo logo o ultimato . . .
brrrrrrrrrrr,
,
conchinhas,
,
*

Maria João disse...

Mariazita

Eu já conhecia a origem da expressão.
Tantas vezes utilizamos estas e outras expressões bem populares, sem sabermos a sua origem, e é sempre interessante conhecê-la.

Beijinhos
Não me esquecerei do nosso " café", falta-me apenas a oportunidade. Mas ela virá, está prometido!

Cida disse...

Gostei demais, amiga!

Às vezes a gente usa uma expressão por anos a fio, sem ter a mínima idéia da sua origem.

Obrigada por compartilhar conosco.

Beijo grande

Cid@

Saozita disse...

Querida amiga, Mariazita. Espero que tudo esteja bem contigo, vi o teu comentário e fiquei preocupada, suponho que tenhas estado à espera de uma consulta médica de urgência!
Relativamente ao comentário, não te preocupes amiga, isso é o menos e nós fazemos isto por gosto e lazer dentro da nossa disponibilidade. Não havendo uma premente obrigatoriedade, não é querida amiga? Primeiro as nossas obrigações e depois o lazer!

Uma santa e feliz noite para ti, é o que te deseja esta tua amiguinha.
Até amanhã querida amiga.
Beijinhos

Táxi Pluvioso disse...

Bom, outros tempos, agora os Governos já não conseguem pintar os orçamentos pra inglês ver, mas conseguem pintar números pra português ver.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Que fascinante esta história.
Penso que os livros didáticos
deveriam ser assim.
Trazer curiosidade e encanto
de mãos dadas.

Dias de paz para ti.

Livinha disse...

Passando pra te desejar um bom dia e dizer que estou ligadinha na Casa da Mariquinhas...

Bjs

Livinha

JADY*ALVES disse...

Boa tarde querida Mariazitaaa!!!
Eita amiga Culta essa sô, euzinha aqui tão perto da história do meu País não tinha conhecimento do sentido da dita frase, "PARA INGLÊS VER" contigo aprendi mais uma fessôra rss.
Adorei o post, e feliz estou que esteja aproveitando bem o verão e essa praia que você e eu amamos. To aqui branquinha feito lagosta ( das brancas), breve vou virar camarão rss e depois aquele bronze lindo que adoro pegar, não artificial porque adoro sol e amo praia e mar assim como tu amiga querida.
Boas férias aí, continue aproveitando e se divertindo, fim de semana to indo pro Rio de Janeiro aproveitar as minhas he he.
beijos e beijos da Jady

AC disse...

Sempre cativante nos seus temas, Mariazita.
Confesso que também não sabia esta.

Beijos e uma boa semana!

VALVESTA disse...

Mariazita querida, surpreendente tua agilidade em contar essas estórias lindas, e nos deixar mais informados, obrigada por partilhar, beijos no teu coração.

helia disse...

E assim fiquei a saber a origem de "Para inglês ver..."
Os ingleses não foram muito espertos e foram fàcilmente enganados!
Em Portugal costuma dizer-se que " com papas e bolos se enganam os tolos..."
E os ingleses foram bem tolos!

Livinha disse...

Mariazita,
É na fotografia que não se revela
que está contida magias e encantos
que se mostram apenas nos sentidos...

Tem um selinho pra você em meu
recanto.
Obrigado pela sua presença amiga...

Bjs

Livinha

Saozita disse...

Querida amiga, passo para te desejar uma noite feliz.

Beijinhos com carinho e amizade.

Rogério Pereira disse...

Mariazita,

Este texto "Para inglês ver" é um documento...

Hoje, o "para inglês ver" está instituído:
- A nossa democracia, não é o que deveria ser, ela é... "para inglês ver"
- Os programas eleitorais dos partidoa, do "arco do poder",são... "para inglês ver"
- As decisões, que nos tribunais estão a acontecer, são..."para inglês ver"
- As tributações de quem está a enriquecer, são... "para inglês ver"
- As organizações de caridadezinha estão a crescer, também..."para inglês ver"

ATÉ EU, POR ESTE COMENTÁRIO ESCREVER, SINTO QUE É... "PARA INGLÊS VER"

Beijos de amigo a valer...
"para o ingês NÃO ver)

São disse...

A estória que eu conhecia para explicação da expressão não era esta, mas tem notórias semelhanças.

Um abraço grande, nena linda.

Desnuda disse...

Mariazita,

eu adoro visitar estas fazendas. Principalmente algumas que servem o chá imperial com pessoas vestidas de barão e servido divinamente por mulheres também vestidas de mucamas com trajes da época. Mas já alguns anos não me hospedo mais nelas porque meu marido , muito medroso, dá de ver fantasmas e me deixa louca kkkkkkkkk. Ele aprontou uma que virou histórica em uma dessas fazendas. Foi na fazenda Ponte Alta onde tem o Museu dos Escravos e uma biblioteca maravilhosa onde aproveitei bastante ( me enfurnei dentro dela kkkkkkkkkk). Há também magníficos saraus! Mas foi hilário, viu? Aff Maria!!! Depois te conto o que ele aprontou hahahaha.

Vez ou outra a trabalho ele precisa ir a uma dessas fazendas...Volta sempre medroso com as estórias rsrsrs. Mas não dorme mais! A não ser quando estritamente necessário. E aí passa a noite acordado por medo hahahaha.

Há tambem nesta mesma cidade ( Barra do Piraí) uma outra com o café colonial também dos deuses. Que deliciaaaa.

Conservatória, a cidade citada, é uma cidadezinha onde desde um limite nas estradas até a cidade - Cidade das Serestas- vamos vendo plaquinhas com poesias e letras de musicas. Aos domingos seresteiros vão pelas ruas cantando serestas e o povo dançando e cantando acompanhando. Uma graça!


E como você vê pela estória... Desde sempre há o famoso " jeitinho brasileiro" de se ajeitar as coisas hahhahhahaahha.


ADOREI esta divulgação. Só mesmo voce, Mariazita! Obrigada.

Beijos, querida.

Lilá(s) disse...

Uma amiga brasileira já me tinha falado sobre isso mas, gostei de ler aqui tão bem explicadinho...
Bjs

Luis disse...

Minha Querida Amiga Mariazita,
Não conhecia esta história aqui tão bem contada por si! Mas conhecia uma outra sobre este mesmo tema mas passada aqui em Lisboa quando da visita do Rei Eduardo VII. D. Carlos para mostrar que Portugal tinha um grande Exército congeminou o seguinte: As Tropas depois de desfilarem frente ao local onde estava Eduardo VII circulavam e mudavam de barretes e dolmans para as tornarem diferentes e voltavam a passar de novo a desfilar perante o Rei Inglês. Fizeram isso tantas vezes dando assim a ideia de um grande e organizado Exército como se pretendia. Daí o dizer-se que fora para Inglês vêr!!! Que esta acção se fez é histórico também! É o "desenrrasca" muito português a funcionar tal como na sua história...
Um beijinho amigo.

Daniel Costa disse...

Mariazita

Além de ter adorado toda a história, mormente de Santa Clara, contado como bem sabes organizar, fiquei a saber da origem do dito: "para Inglês ver". Não fazia a mínima ideia.
Beijos

Pérola disse...

Eu ñ sabia disso ñ rs.
Tá vendo como é bom postar textos informativos,nota-se que realmente há muita coisa para se conhecer.
Parabéns amada.
Eu fiquei só com um pouquinho de ciúmes rs. Mas já passou rs.
Adorei minha linda,sempre q puder me ajude a lembrar de visitar aqui é q na correria sempre acabamos por esquecer.
Ñ me leve a mal ok.
Te adoro minha flor.
Beijokas.

Saozita disse...

Olá minha querida amiga desejo que se encontre mais bem dispostinha tem andado muito tristinha ,venho por aqui pra te deixar um beijinho com todo o carinho do mundo ,fica bem amiga .
Tem um bom fim de semana minha doce amiga

José Antonio Braga Barros disse...

Mariazita,
Bom dia!
Conheço outras versões para a origem dessa expressão. Adorei a sua. Como o Governador de Minas vem vistar minha cidade na próxima semana, peço autorização para publicar no jornal TEM de Paraisópolis- MG, o seu texto, indicando, é claro, o blog.
Meu endereço eletrônico é:jabragabarros@yahoo.com.br
visite meus blogs:
paraisopolitano.blogspot.com
mesadopoeta.blogspot.com