domingo, 13 de dezembro de 2009

ANITA

ANITA – EPISÓDIO XXXIX

(Ficção baseada em factos reais)

- Como certamente sabes, o aneurisma é devido à dilatação de uma artéria, que forma uma espécie de bolha, em que as paredes ficam muito frágeis, e podem rebentar. Não há qualquer tratamento, a não ser a cirurgia, que consiste em fazer uma abertura no crânio e colocar grampos metálicos no aneurisma, para o bloquear.

FIM DO EPISÓDIO XXXVIII

EPISÓDIO XXXIX

Ao fazer-se a cirurgia corre-se o risco, muito elevado, de rebentar as paredes da artéria e o sangue espalhar-se pelo cérebro. E quando isso acontece… três coisas podem verificar-se:
- O doente não sobreviver à cirurgia; - O doente sobreviver, mas ficar como um vegetal; - E por último, mas infelizmente em casos raríssimos, o doente ficar bem, com todas as suas faculdades intactas.
Eduarda ouvia-o, aterrada. Conseguiu balbuciar:
- Não há mais nada que se possa fazer?
- Minha querida filha – respondeu o médico - infelizmente não, não há mais nada que possamos fazer. Está em estudo um novo método para tratamento do aneurisma, a que deram o nome de embolização ou tratamento endovascular, que dispensa a intervenção a nível do crânio. Infelizmente encontra-se em fase de estudo, e nem sequer foi experimentado em seres humanos.
- E porque é que o doutor diz que eu tenho que tomar uma decisão difícil? Que decisão é essa?
- A tua Mãe encontra-se meio anestesiada sob o efeito dos medicamentos para as dores, e, como tal, legalmente incapaz de poder tomar uma decisão tão grave. Como única parente viva, presente e de maior idade, terás que ser tu a decidir e autorizar a cirurgia. Sem isso não se poderá realizar.
- Mas não sou a única; há o meu irmão, o Tiago, que vive na Inglaterra e trabalha com o nosso irmão, filho apenas do meu Pai, o Humberto. Foi ao Norte, em serviço, e ainda não deu notícias, mas podemos tentar localizá-lo…
- Lamento muito, minha filha, mas não há tempo para isso. A optarmos pela cirurgia, tem que ser rapidamente. Agora vais para casa descansar e pensa bem no assunto. Amanhã já deveremos ter um quarto individual, para onde transferiremos a tua mãe. E depois já poderás fazer-lhe companhia de noite.

A primeira coisa que Eduarda fez ao chegar a casa foi dar largas ao seu desespero.

Quando ficou mais calma, telefonou ao “irmão”.
Humberto assustou-se ao ouvi-la àquela hora da noite, e mais ainda ao aperceber-se de que ela estava a chorar.
Sem entrar em demasiados pormenores Eduarda contou o que se passara desde o dia anterior, quando começara a dor de cabeça de Anita.
Humberto ouviu-a sem a interromper. No fim disse apenas:
- Amanhã vou para aí.
No dia seguinte apanhou o avião, e poucas horas depois da conversa com Eduarda, Humberto passou em casa dela, para deixar a maleta que trouxera; seguiu directamente para a clínica, para onde Eduarda se deslocara mal o sol despontou.
Ali chegado foi recebido pelo médico de Anita, que Eduarda já tinha posto de sobreaviso.
Humberto ouviu, da voz do médico, com todos os pormenores, o que Eduarda lhe havia descrito.
Sufocando um soluço na garganta, Humberto comentou:
- Então o estado de saúde de Anita é ainda mais grave do que Eduarda supõe…
- Sim, é mais grave. Não quis dizer à Eduarda, mas estou convencido que só um milagre a poderá salvar.
Humberto sentiu-se desfalecer. Fez um esforço sobre-humano para que o médico não percebesse até que ponto se sentia perturbado.
Acabou por sair do gabinete do médico como que atordoado, sem saber o que fazer nem para onde se dirigir.
Apenas uma pergunta o torturava: Porquê?
Num impulso dirigiu-se à capela, e em pensamento, invectivou Deus:
- Porquê? Porquê a Anita, Senhor? Não te parece que ela já teve a sua dose completa de sofrimento? Não te parece que ela merecia, finalmente, viver uns tempos feliz, descansada, sem preocupações?
Ou é a mim que queres castigar? Sempre amei esta mulher, em silêncio, sem jamais a levar a trair os seus princípios.
Mereço ser castigado por isso?
Onde está a tua tão apregoada justiça?
Como a capela se encontrava deserta, deixou de reprimir as lágrimas, chorando convulsivamente.
Manteve-se ali um largo espaço de tempo, até que, finalmente, sentiu que poderia aparentar a calma necessária ao encontrar-se com Anita.
Esta já fora transferida para um quarto particular, onde Humberto a encontrou na companhia de Eduarda.

Entrando no quarto de Anita teve que sufocar um soluço.

FIM DO EPISÓDIO XXXIX

24 comentários:

Ana Martins disse...

Amiga Mariazita,
A situação não podia ser mais grave e triste, mas mesmo assim e não esquecendo que se trata de uma história baseada em factos reais, mesmo assim, aguardo o desfecho da doença de Anita com um milagre, a sua total recuperação.

Beijinhos,
Ana Martins

Sonia Schmorantz disse...

Passando para ler mais um pouco da história de Anita.
beijo, lindo domingo

Paula Raposo disse...

Já chorei. Que decisão! Beijos.

SAM disse...

Mariazita,

é o que te disse na postagem anterior..Passei por isso. A demora do diagnóstico foi um desespero. Trágico mesmo ( e eu no desespero com meus pensamentos e intuições)...E também foi eu quem teve que assinar o termo para que meu irmão operasse e na circustância foi terrível porque diante das " confusões" médicas se desse algo errado eu iria me sentir culpada ou até mesmo pela família ( lembrando que já estive em 2 situações na vida de entes amados que tive que decidi só: filha aos 3 anos e irmão já após os 40 anos). É barraaaaaaaaa! E também como disse, anteriormente, um caso raro, difícil e um aneurisma enorme! E um milagre ( só mesmo pensando assim) não só sobreviveu como incrivelmente não ficou cego ou outra sequela mais grave! Há coisas acima de nós. Há forças que atuam a nosso favor. E nesta certeza, espero que tal como meu irmão, Anita não só viva, mas também não venha a ter sequelas tão graves. Tenho fé, Mariazita!!!


Carinhoso beijo, amiga querida.

Mariazita disse...

Sarita
Deixa-me esclarecer:
A primeira TAC, menos sofisticada do que as actuais... foi feita em 1972.
A história da Anita, neste momento, está a passar-se em meados dos anos 80 do século XX. Já se faziam, com relativa frequência, TAC's.

Isto vem a propósito do teu comentário ao episódio anterior de Anita

Beijo
Mariazita

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Olá, Mirabolante Mariazita!
Sabia que você iria dar um giro.
A vida é feita de surpresas boas e não muito boas.
Anita me parece boa pessoa.
Espero que a próxima supresa que lhe espera seja boa.
Muito obrigada, Caríssima e gira Mariazita!
Amiga, você é pra lá de gente fina!
Amei de Amar!
Mil beijossssss
Renata
Ps: Vou fazer algo que já deveria ter feito há muito tempo: linkar este Blog lá no canto dos filmes.

Francisco Sobreira disse...

Querida amiga,
Com habilidade e talento, você continuou com o "suspense" sobre o que poderá acontecer à sofrida Anita. Assim, continuamos na expectativa do que lhe poderá ocorrer nos próximos episódios. Um beijo.

SAM disse...

Te esperoooooooooooooo kkkkkkkkkkkkkkkkk


Beijão amiga!

Vitor Chuva disse...

Olá Mariazita!
O Calvário da Anita parece não ter nem limite nem fim. E com ela sofrem os que lhe são mais próximos,talvez mesmo mais do que ela própria, já que conhecem a dura realidade dos factos.

Aguardar pelo final duma intervenção, pela palavra do médico no final da mesma - esperando que ele nos poupe a más notícias - são momentos de sofrimento, e por vezes, mesmo de angústia.
Vamos esperar que o talento do cirurgião lhes possa trazer as notícias que todos eles anseiam por ouvir!

Beijinhos; bom domingo.

Vitor

Pena disse...

Estimada e Genial Amiga:
Um Conto em que as sucessivas ocorrências são de uma extraordinária incógnita de difícil solução que prende o leitor. Numa só palavra: CATIVA!
Escrito fabulosa e sublimemente.
O "suspense" é conseguido e manifesto em cada passo da sua poderosa e fluída escrita de uma eloquência verbal admirável.
Parabéns sinceros.
Continuarei seguindo atentamente.
Foca aspectos relevantes de saúde delicados e de difícil final feliz, sucesso pleno e bem-estar total.
Adorei.
Beijinhos amigos.
Com imenso respeito.
Sempre a admirá-la e ao seu talento.

pena

SAM disse...

Mariazitaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Você é D++++++++++++++++++++++++!!!

Amei esta tirada by Mariazita "Quando a tristeza acordar...que nós estejamos noutro lugar!"


É isso amiga!!!! Obrigada! Beijãooooooooooooo

Pelos caminhos da vida. disse...

NATAL INFORMÁTICO...

Dê um CLIQUE DUPLO neste NATAL!
ARRASTE JESUS para seu
DIRETÓRIO PRINCIPAL.
SALVE-O em todos SEUS
ARQUIVOS PESSOAIS.
SELECIONE-O como seu DOCUMENTO MESTRE.

Que Ele seja seu MODELO
para FORMATAR sua vida:
JUSTIFIQUE-a e ALINHE-a
À DIREITA e À ESQUERDA,
sem QUEBRAS na sua caminhada.

Que Jesus não seja apenas
um ÍCONE, um ACESSÓRIO,
uma FERRAMENTA, um RODAPÉ,
mas o CABEÇALHO, a LETRA
CAPITULAR, a BARRA DE ROLAGEM
de seu caminhar.

Que Ele seja a FONTE da graça
para sua ÁREA DE TRABALHO,
o PAINTBRUSH para COLORIR seu
sorriso, a CONFIGURAÇÃO de sua
simpatia, a NOVA JANELA para
VISUALIZAR o TAMANHO de seu amor,
o PAINEL DE CONTROLE,
para CANCELAR seus RECUOS
COMPARTILHAR seus RECURSOS e
ACESSAR o coração de suas amizades..

COPIE tudo que é bom
DELETE seus ERROS.
Não deixe à MARGEM ninguém,
ABRA as BORDAS de seu coração,
REMOVA dele o VÍRUS do egoísmo.

Antes de FECHAR,
Coloque JESUS nos seus FAVORITOS
e seu Natal será o ATALHO de sua
felicidade! CLIQUE agora em OK
para ATUALIZAR seus CONTEÚDOS!

(Desconheço o Autor).


beijooo.

Barbara disse...

Deus em tudo. Quem passou algo semelhante reconhece este Deus em tudo.
Venite Adoremus Dominum.

Luis disse...

Querida Mizita,
Lendo uma vez mais os seus rabiscos e que belos e surpreendentes eles são. Mas apesar da gravidade da doença da Anita acredito que ela sobreviverá à intervenção. Espero que sim pelo bem dela que merece melhor sorte!
Um beijinho amigo e saudações Natalícias.

Vicktor disse...

Querida Mariazita

Continuo a ler com muito interesse este teu escrito tão realista e sentido.

Uma narrativa perfeita onde transmites todos os sentires desencontrados que situação tão grave implica.

Foi bonito o acto de solidariedade de Humberto para com Eduarda vindo de pronto dar o seu apoio...

Beijinhos.

Alvaro Oliveira disse...

Amiga Mariazita

Hoje consegui ler uma parte do capítulo de Anita. Uma situação grave, mas vamos esperar o seguinte
ou seguintes episódios, para sabermos o desfecho desta dramática
situação.

Beijinhos

Alvaro

SAM disse...

Mariazitaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Então além de ser bonita você ainda tem a voz bonita!!! A minha é terrivel...quando moça miava ( baixinhooooooooo e caladinha) rsrs. Agora falo alto por conviver com mãe, meu irmão (era) e meu marido com problema auditivo. E sou faladeira demais! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Voz infantil! Se bem que estou me sentindo adolescente com voz encorpada ( metida a mulher feita) pós menopausa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Linda noite amiga! E belíssima semana! Obrigada! Muitos beijos!

Zé do Cão disse...

Esta Anita, sofreu, fez sofreu os seus e também está a fazer sofrer os que têm acompanhado toda a história.

Se fosse nos anos 40, esta história era passada a folhetim semanal, distribuída por debaixo da porta da populaça e na semana seguinte, começava-se a pagar -$50 se se pretendia ler o capitulo seguinte e assim sucessivamente. E demorava 3 anos para se conseguir ler a totalidade dos folhetins.
Mais tarde, a rádio, criou e coxinha do Tide, em que algumas ouvintes mais acérrimas, chegaram a ir à porta da estação maltratar as actores radiofónicos que faziam mal à coxinha. Mas nunca lhe ofereceram uma muleta. Naquela altura ainda não tinham inventado as canadianas.

Beijocas

Fernanda disse...

Amiga Mariazita,

Situação muito difícil.
O sofrimento aumenta agora não só para a Anita como também para a filha.

Esperemos que aconteça o melhor, não suportaria saber que Anita morre assim, seria demasiado horrível.

Beijinhos

xistosa - (josé torres) disse...

É claro que todos temos que morrer.
Quando se sente o abismo, penso que não há quem não fuja dele, se tal for possível.

Se morrem criancinhas que tanto sofrem, mães que deixam orfãos, pais que são o sustento de famílias, dá para acreditar que existe um ente superior a nós?
Ou nós somos o limite?

com senso disse...

Amiga Mariazita

A Anita tornou-se nestes meses uma companhia, que recordo, mesmo fora das navegações da Net.
Esta é uma história tão humana e tão bem contada, que a Anita se tornou mais do que uma personagem de ficção, tornou-se uma amiga, cujas peripécias da vida tenho testemunhado e relativamente à qual esperava tudo menos esta triste situação dramática.
Mas é exactamente pelo seu realismo que é o realismo da vida que torna esta história fascinante.
Fico à espera da continuação com alguma preocupada ansiedade...
Um beijinho com amizade!

Canduxa disse...

Minha Querida Manita,

Pensei logo que Anita devia estar mesmo muito doente, mas só agora tenho a certeza disso.
Desconfio que chegou a sua hora e em breve vai partir....que pena!
A confissão de Humberto não é de todo novidade para mim...pensei algumas vezes que o seu afastamento deveria querer dizer alguma coisa...afinal sempre foi apaixonado por ela!
Agora que já pouco há a fazer é esperar por um milagre.

Será que vai ser esse o desfecho?

Muitos beijinhos coloridos e cheios de saudade

Maria João disse...

Mariazita

Decisões que são tomadas no limite... momentos em que não desejamos mais nada a não ser acordar e libertarmo-nos desse abismo. Eu sei, porque tenho cá um presentimento, que Anita vai ficar bem. Ao Humberto, chegou talvez o momento, para ele talvez o mais duro de todos os que já viveu em silêncio. A vida da mulher que ele sempre amou está ali, suspensa...

.. e em suspense ficamos nós que seguimos a sua história.

Um beijinho com muito carinho

Daniel Costa disse...

Mariazita

Embora já ulrapassado pelo poema de Natal não pude deixar passar sem ler mais este episódio da vida atribulada da Anita.
A história terá um fim feliz?
Beijos
Daniel