domingo, 30 de novembro de 2014

MOMENTO DE POESIA - TUDO O QUE EU QUERIA TER

 TUDO O QUE EU QUERIA TER


TUDO O QUE EU QUERIA TER
Tudo o que sinto por ti
Neste mundo de dor que me associa
É uma sensação indefinida
Sufocada de pranto, noite e dia.
Tu és o meu amor, a própria vida,
A inspiração e a melodia
Que envolve esta minha alma dividida
Entre espasmos de gozo e agonia.
És a minha constante
A bela e pura poesia
A mais doce criatura que os meus olhos podem ver
És pedestal, que ergo, incessante.
És sinfonia para o meu ser, cantante,
Tu és tudo o que eu queria ter.

Mariazita

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

RETOMANDO O FIO À MEADA

No post de 14/10 falei de um dos passeios que ocuparam a primeira parte das minha férias deste ano.
Para além de revisitar a Quinta da Regaleira, fui a Tomar, rever o CONVENTO DE CRISTO, classificado pela Unesco como Património Mundial,

que, infelizmente, não se encontra no melhor estado de conservação.
Aliás, os monumentos em Portugal sofrem todos de falta de obras de restauro…
Não poderia deixar de fotografar a famosa    “Janela do Capítulo” , em estilo manuelino,  em cuja arquitectura se destacam pormenores marítimos,
 
 
assim como a belíssima “Charola”.
 
Neste mesmo dia fomos também a Almourol.
O castelo, de não muito fácil acesso, vê-se sempre com agrado.
 
Dentro do programado para esta parte das férias fomos, ainda, e mais uma vez, ao belíssimo Palácio da Pena, onde é sempre um prazer voltar.
 


Para não tornar este post demasiado extenso, avanço já para a segunda parte das férias.

Esta foi passada em Porto Santo, onde já estive bastantes vezes, e de que já falei em anos anteriores, com publicação de várias fotos.

Desta vez fiz uma coisa que ainda não tinha feito – um passeio de barco à volta dos diferentes ilhéus que salpicam o mar de Porto Santo,

 
tais como os ilhéus de Baixo, de Ferro, de Cima, das Cenouras, de Meio e de Fora, e o ilhéu Fonte de Areia. Foi um passeio maravilhoso, com oportunidade de fazer fotos em locais inacessíveis por qualquer outro meio.
A determinada altura do passeio os tripulantes imobilizaram o barco para nos refrescarmos naquelas águas límpidas e transparentes.
 

Demos, de autocarro, a “volta à ilha”, em duas manhãs – percurso já meu conhecido – em que o guia conta histórias divertidas,

 

que terminam com um aperitivo antes de almoço,


abrilhantado por música tocada por dois jovens músicos locais.
 

Depois do regresso, com saída às 23 horas,

passei alguns dias no “lar, doce lar”… após o que rumei ao Algarve para cumprir a última etapa destas férias que, este ano, foram excepcionalmente prolongadas.  
Na província mais ao sul de Portugal, depois de comodamente instalada
convivi com pessoas amigas,
e até pude usufruir da companhia da simpática “Chiquinha”.
Visitei, entre vários monumentos, a Sé Catedral de Faro,
 
situada no centro histórico, e classificada como  Imóvel de Interesse Público.
Estando no Algarve não se pode dispensar o mar, que se apresentava com ar pouco acolhedor…

 
E com esta passagem pelo Algarve dei por terminadas as férias deste ano.
 
Peço desculpa por esta postagem tão longa: prometo que a próxima, no dia 30/11, dedicada à Poesia, será pequenina.