domingo, 24 de abril de 2011

FELIZ PASCOA

Image and video hosting by TinyPic


PÔNCIO PILATOS



Dos Ritos e Cultos Orientais

Minha mulher me falara Dele muitas vezes, antes que Ele fosse trazido diante de mim, mas eu não estava interessado.
Minha mulher é uma sonhadora, e é dada, como muitas mulheres romanas de sua classe, aos cultos e ritos orientais. E esses cultos são perigosos para o Império; e quando encontram um caminho para o coração das mulheres, tornam-se destruidores.
O Egipto chegou ao fim quando os hicsos** da Arábia lhe trouxeram o Deus único de seu deserto. E a Grécia foi submetida e reduzida a pó quando Astarté e suas sete virgens vieram das praias da Síria.
Quanto a Jesus, eu nunca vira o homem antes de me ser Ele trazido como um malfeitor, como um inimigo de Sua própria nação e de Roma.
Foi trazido ao Pretório do Juízo com os braços amarrados ao corpo por umas cordas.
Eu estava sentado na curul*, e Ele caminhou para mim com passos largos e firmes; depois, postou-se ereto, com a cabeça erguida.
E não posso compreender o que me salteou naquele momento; mas foi de súbito meu desejo embora não minha vontade, levantar-me e descer daquela curul* e cair diante Dele.
Senti como se César tivesse entrado no Pretório, um homem maior ainda do que a própria Roma.
Mas isto durou apenas um momento. E depois vi simplesmente um homem que era acusado de traição por Seu próprio povo.
Interroguei-O, mas Ele não respondeu. Apenas olhou para mim. E em seu olhar havia piedade, como se Ele é quem fosse meu governador e meu juiz.
Depois, ergueram-se de fora os gritos do povo. Mas Ele permaneceu silencioso, e continuava a olhar para mim com piedade nos olhos.
Então saí para os degraus do palácio, e quando o povo me viu, parou de gritar. E eu disse: “Que quereis com esse homem?”
E eles bradaram como por uma garganta só: “Queremos crucificá-Lo. É nosso inimigo e o inimigo de Roma.”
E alguns gritaram: Não disse Ele que destruiria o templo? E não foi Ele quem reclamou o reino? Não temos rei senão César.”
Deixei-os e voltei para o Pretório do Juízo, e vi-O ainda de pé ali sozinho, e Sua cabeça estava ainda erguida.
E lembrei-me de que tinha lido que um filósofo grego dissera: “O homem solitário é o mais forte.” Naquele momento, o Nazareno era maior do que a Sua raça.
E não senti clemência para com Ele. Ele estava além de minha clemência.
E perguntei-Lhe: És tu o rei dos judeus?
E Ele não disse uma palavra.
E perguntei-Lhe novamente: “Não disseste que és o rei dos judeus?”
E Ele olhou para mim.
E respondeu com uma voz tranquila: “Tu mesmo me proclamaste rei. Talvez eu tenha nascido para tal fim, e por essa causa vim dar testemunho da verdade.”

Imaginai um homem falando da verdade em tal momento!
Em minha impaciência, falei alto, talvez tanto para mim mesmo como para Ele: “Que é a verdade? E que representa a verdade para o inocente quando a mão do carrasco já está sobre ele?”
Então Jesus disse com poder: “Ninguém governará o mundo senão com o Espírito e a verdade.”
E perguntei-Lhe, dizendo: “És tu do Espírito?”
Ele respondeu: “Assim também o és, embora não o saibas.”
E que era o Espírito e que era a verdade, quando eu, pelo bem do Estado, e eles, por zelo pelos seus ritos antigos, entregamos um homem inocente à morte?
Nenhum homem, nenhuma raça, nenhum império se deixará deter por uma verdade em seu caminho, para se realizar.
Eu disse novamente: “És o rei dos judeus?”
E Ele respondeu: “Tu mesmo o disseste. Eu conquistei o mundo antes desta hora.”
E só isso, de tudo o que Ele disse, era impróprio, porquanto somente Roma conquistou o mundo.
Mas agora as vozes do povo levantavam-se novamente e o barulho era maior do que antes.
E desci de meu acento e disse-Lhe: “Segue-me.”
E novamente apareci sobre os degraus do palácio, e Ele postou-se a meu lado.
Quando o povo O viu, bramiu como o trovão rugidor. E em seu clamor, eu só ouvia: “Crucificai-O! Crucificai-O!”
Então, entreguei-O aos sacerdotes que mo tinham trazido e disse-lhes: “Fazei o que quiserdes com este justo. E se for de vosso desejo, tomai soldados de Roma para guardá-Lo.”
E eles O tomaram, e eu decretei que fosse escrito na cruz, acima de Sua cabeça: “Jesus de Nazaré, rei dos judeus.” Podia, em vez disto, ter posto: “Jesus de Nazaré, um rei.”
E o homem Foi despido, e flagelado, e crucificado.
Ter-me-ia sido possível salvá-Lo, mas salvá-Lo teria provocado uma revolução; e é sempre sábio para o governador de uma província romana não ser intolerante com os escrúpulos religiosos de uma raça conquistada.
Creio, até esta hora, que o homem era mais do que um agitador.
O que decretei, não foi de minha vontade, mas antes pelo bem de Roma.
Não muito depois, deixamos a Síria, e desde esse dia minha esposa se tornou uma mulher de tristeza. Algumas vezes, mesmo aqui neste jardim, vejo uma tragédia em sua face.
Dizem-me que ela fala muito de Jesus às outras mulheres de Roma.
Vede, o homem cuja morte decretei volta do mundo das sombras e entra em minha própria casa.
E, dentro de mim, repito sempre a mesma pergunta: O que é a verdade e o que não é a verdade? Pode dar-se o caso de que o sírio nos esteja conquistando nas horas quietas da noite?
Isto não deve acontecer.
Porque Roma precisa prevalecer contra os pesadelos de nossas esposas.

Gibran Khalil Gibran

*cadeira de marfim reservada outrora a certos magistrados romanos.

**hicsos - foram um povo asiático que invadiu a região oriental do Delta do Nilo durante a décima segunda dinastia do Egito, iniciando o Segundo Período Intermediário da história do Antigo Egito.
Inf. Wikipedia




GIBRAN KAHLIL GIBRAN foi um ilustre poeta libanês, filósofo e artista.
Nasceu em 6 de Dezembro de 1883 em Bsharri, nas montanhas do Líbano, a uma pequena distância dos cedros milenares.
Sua fama e sua influência se derramaram por todo o mundo.
Suas reflexões e sua poesia foram traduzidas para mais de vinte idiomas, e seus desenhos e pinturas são expostos em grandes cidades do mundo.
Faleceu em 10 de Abril de 1931 no Hospital São Vicente, em Nova York, no decorrer de uma crise pulmonar que o deixara inconsciente.

39 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Há dias você me disse, Mariazinha, que só postava aos domingos.
De repente,eu aqui,sábado,23, vejo uma postagem "FELIZ PÁSCOA".
Pensei: Ué????...sem reparar a data, nem me ligar no fuso horário,
me espantei. Então, "caiu a ficha"..ah!, em Portugal, já é Domingo de Páscoa!
Agora, sim.Vamos ao comentário:
Gibran Khalil Gibran, por si só, já vale o post.Maravilhoso texto.
Passei alguns anos, ouvindo texto semelhante, mas no palco de um teatro, quando eu interpretava, na Semana Santa, a Virgem Maria. Pois é, fui atriz amadora, há tempos...

Jesús e Pôncio Pilatos, são as figuras mais fortes, quando um texto da Paixão de Cristo é representada, por atores...
Gostei deveras, amiga...

Alegre Domingo de Páscoa!
Hosana, nas Alturas!

Ana Martins disse...

Boa noite Mariazita,
Agradeço e retribuo votos de Páscoa Feliz, amanhã ou depois passo para ler o post e comentar.

Beijinho,
Ana Martins

Sotnas disse...

Olá Mariazita, que tudo esteja e permaneça sempre bem contigo!
Como sempre estava aqui a ler esta tua postagem quase sem piscar, sabe, por mais que eu leia, ou ouça estas passagens, me custa entender o motivo de nós, humanos sermos cruéis, e ainda intolerantes e desobedientes! E com o nosso salvador!
Parabéns pela belíssima postagem histórica, pois aqui e a sua casa de histórias, e lírios, que sempre encanta que por cá passa!
E deveras feliz estou por ter mais uma vez recebido sua visita e comentário, que como sempre tão cheios de carinho, e assim venho cá desejar a você e todos ao seu redor um domingo de páscoa tão feliz quanto toda sua existência, abraços e até mais!

Sotnas disse...

Ah, voltei pra corrigir! O correto é sempre encanta quem por cá passa, e não que, como está, me desculpe pela distração na revisão!

Liene disse...

Oi Mariazita!

A você o meu carinho...

Páscoa é viver em constante libertação, é crer na vida que vence a morte.Páscoa é renascimento, é recomeço, é uma nova chance para nos aproximarmos de Cristo Salvador...

Um abraço carinhoso e que tenhas um domingo de muita paz!

Deus seja contigo

http://hajalluz.blogspot.com/

CF disse...

Gosto muito dos poemas deste poeta GIBRAN KAHLIL GIBRAN.. tenho alguns dele.
As suas reflexões são interessantes e esta em particular diz-nos que, não merece a pena iludirmo-nos com a abolição daquilo que nos apoquenta com regras e ditaduras sem nexo, pois que seremos "perseguidos" pela nossa consciência.... Poncio dizia "o homem cuja morte decretei volta do mundo das sombras e entra em minha própria casa"...
pois entra!!!
Bonito conto.
Retribuo os cumprimentos e desejos de feliz Páscoa que deixou no meu blogue
bjs

C. disse...

Estou encantada com o texto! (ainda nao conhecia...)
E quantas vezes somos atormentados pelo que julgamos certo, e no fundo nossa intuição dizia que nao era. Khalil, brilhante como sempre, creio colocou bem essa questão, nesse texto. Khalil Gibran é um dos meus autores favoritos, está entre os meus queridinhos.

Uma bela escolha para esse domingo tao simbólico Mariazita!

Abração e novamente, feliz páscoa, obrigada pela mensagem deixada em meu blog!

Gilmar Morais disse...

Mariazita,

É com muita alegria que passo por aqui para agradecer-lhe pela cumplicidade permitida, ao acompanhar o Caminhar & Ruminar, que ontem completou o seu primeiro ano de vida. Obrigado!

A festa é você, a sua presença e amizade que empresta sem reservas! Tenha certeza, significa muito!

Receba o meu fraternal abraço!

Livinha disse...

Se cá não passar, como introduzir-se nas belas histórias que tens pra contar.
Coisas a saber, isto é cultura e o que é deveras muito importante para todos nós...
Gostei muito!

Tenha uma feliz semana minha querida na santa paz do Senhor com que hoje se faz lembrete...

Bjs

Livinha

Desnuda disse...

Querida amiga,


Um texto excelente, como sempre!

Que a Paz, o Amor e a Esperança da Páscoa estejam sempre com você e a sua família . Beijos com carinho e feliz semana!

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Mariazita:
Lindo o texto do Khalil Gibran, autor de que tanto gosto.
Sempre muito oportunos os teus textos.
Penso que a grande lição a retirar é a de que uma pessoa até pode ser condenada à morte, mas os seus ideiais mais puros, permanecerão para sempre vivos em nós. O Homem deixa de se ver, o exemplo fica. Assim, o Homem nunca morre, transformando-se em etermo, imortal, através dos valores que depositou e ofereceu ao mundo.
Fez-me tão bem o texto, Mariazita! Bem hajas.
Um beijinho semeado de estrelas do firmamento.

Licas disse...

Obrigada Mariazita pelas palavras de encorajamento que deixaste no meu blog. Aos poucos vou tentando recuperar e aparecerei por aqui quando me sentir mais forte,
A "minha casa" estará sempre aberta.
Um beijo
Licas

António Gallobar disse...

Olá Mariazita

Um amigo está a criar um espaço de divulgação em http://artevadia.blogspot.com
assim se for do seu agrado envie link da imagem do seu livro para
arte.vadia@gmail.com/ para publicação

Beijinho
Gallobar

Evanir disse...

Querida Mariazita que sua Páscoa tenha sido maravilhosa ao lado da sua familia .
Hoje vim te deixar uma carinho desejar uma feliz semana beijos e beijos no coração ,Evanir.
www.aviagem1.blogspot.com

www.fonte-amor.zip.net

Carla Ceres disse...

Belo texto, muito bem escolhido, Mariazita!
Lembrei-me, várias vezes, de você e de seu blog durante o fim de semana. Estive no interior de Minas Gerais, um estado brasileiro onde o catolicismo tem muita força, e testemunhei formas tradicionais de comemorar a Páscoa. Seu blog me preparou para compreender melhor os rituais.
Beijos e obrigada!

Saozita disse...

Querida Mariazita, agradeço e retribuo os votos de uma Santa e Feliz Páscoa, já os tinha manifestado telefonicamente, mas a Páscoa deve continuar e estar presente sempre nos nossos corações, todos os dias.

Lindo post, uma bela narrativa do dilema de Pôncio Pilatos... a bem de Roma e seguindo a política romana, não quis intervir na salvação nem condenação de Jesus, daí lavou as suas mãos entregando-o aos sacerdotes judeus... agora resta-nos a esperança, de que a sua crucificação, sirva de lição aos homens, e que aprendamos a trilhar os caminhos da verdade e do amor.

Beijinhos com muito carinho.

Sãozita

Cida disse...

Querida Mariazita, amei todas as postagens que ainda não havia tido oportunidade de ler.
Que postagens completas, amiga!
Você está de parabéns!

Te desejo uma linda e luminosa semana.
Fique com Deus

Jinhos meus

Cid@

MARCOS DHOTTA disse...

Quanta sensibilidade por aqui... Aportei! Vou relembrar minhas velhas histórias de além mar. Abraços.

Bergilde Croce disse...

Mariazita,meu abraço voltando por aqui aos poucos depois desses dias de férias.
Que sua Páscoa tenha sido feliz junto aos seus caros.
Seus posts são sempre belos e de conteúdo muito informativos,parabéns!
KAHLIL GIBRAN deixou escritos muito profundos para a humanidade,bom conhecer mais este através de seu blog!

Lilá(s) disse...

E espero que a Páscoa tenho corrido da melhor maneira...terá havido cuidado com a doçaria?
Bjs

Regina Rozenbaum disse...

Mariazita amada!
Espero que tenhas tido uma Páscoa abençoada junto aos teus. Gostei muito dessa postagem e confesso que não conhecia esse texto de Gibran.
Uma semana iluminada amiga!
Beijuuss n.a.

tecas disse...

Magnifico texto biblico!
Se Jesus voltasse neste momento ao mundo, a história repetia-se. Milénios passados e o homem pouco ou nada aprendeu dos Seus exemplos de amor.
Sobre Gibran Khalil Gibran, excelente texto.
Maravilha conhecer o seu blog.
Suas postagens são soberbas.
Adorei.
Bjito e uma flor

Daniel Costa disse...

Mariazita

São sempre maravilhosos os teus post's. Neste o texto bíblico ´´e muito adequado á época em que o autor, Gibran Khalil Gibran se baseia, para nos traçar o resultado do seu próprio estudo.
Depois, volto a repetir: a opção de optares também por uma pequena biografia, não é de menosprezar, pelo menos, para quem como eu gosta de saber que é a pessoa do autor.
Beijos

Malu disse...

Mariazita, sempre primorosa em tuas postagens.
Sempre a nos brindar com ensinamentos que valem ouro!
Que a tua Páscoa tenha sido repleta de RENOVAÇÕES, sempre acompanhado do SENHOR DEUS.
Grande abraço minha querida amiga

Zé do Cão disse...

Boa Amiga

O meu abraço, dado um pouco tarde é certo. Mas é do coração que sai este abraço.

Regina d'Ávila disse...

Querida Mariazita,
Passos para deixar abraços, desejar um lindo dia e enviar super beijos, com todo carinho,
Obrigada pela presença no meu cantinho,
Regina d´Ávila.

Fernanda disse...

Minha querida amiga Mariazita!

Faltei a este post, mas não creio que tenha deixado de te desejar uma Feliz Páscoa.
Repito-me aqui, em qualquer caso, porque nunca é demais.

Contigo sempre se aprende algo mais.
Obrigada.

Desculpa se estou mais ausente, é o sol :)
Não é fácil resistir-lhe :)

Beijinho

AFRICA EM POESIA disse...

MARIAZITA
Um beijinho
SER PALHAÇO


Ser palhaço...
É ser gente...
E é saber...
Rir...
Quando apetece...
Chorar...
Ser palhaço...
Muitas vezes...
É vida...
Muito dorida...
Mas...
O palhaço...
Pinta a cara...
Faz palhaçadas...
Faz rir...
E ao ver...
A alegria...
Dos outros...
Também ele...
Se sente feliz...
E acaba por...
Deixar de chorar!...

LILI LARANJO

ju rigoni disse...

Querida Mariazita, emocionei-me ao ler o seu post. Primeiro, pela mensagem que ele nos traz. Podemos nos libertar de quase tudo; da nossa consciência,... jamais! Segundo, porque fez-me lembrar de meus queridos avós paternos, libaneses, de Richmaya, e apaixonados pela obra de Gibran.

Espero que você tenha tido uma Feliz Páscoa, querida.

Bjs, amiga. E inté!

Luciana Vannucchi de Farias disse...

Lindo, lindo texto, minha querida!!!

Você teve uma boa Páscoa?

Beijocas!!!

Lis disse...

Oi Mariazita
Uma bela escrita de Kalil Gibrant sobre uma história maravilhosa que
resultou na resserreição , essa mesma que ainda temos acesso e a oportunidade de renovar e recomeçar.
Obrigada pela boa leitura, sempre.
Que a Páscoa lhe tenha feito muito bem.
deixo abraços

Táxi Pluvioso disse...

Pouco se sabe do Pôncio historicamente, mas a morte é coisa boa, permite pôr na boa das pessoas tudo o que quisermos, e agora o FMI traz as amêndoas. bfds

Fernanda disse...

Olá amiga Mariaziata|

Achei piada à imagem "da língua de fora", fez-me lembrar uma anedota :)

Querida amiga, acredita que nunca te visito por obrigação, não concebo essa ideia e até me custa constatar quando percebo que alguém o faz.
Estou aqui agora e logo após o teu comentário, porque calhou.
Hoje o sol foi pouco, esteve um bom dia, mas não estive ao sol. Tinha outros afazeres e entrei há pouco em casa.
Para mal dos meus pecados :(((( o sol vai estar ausente no fim de semana ... já sabias??? Custa a crer!!!

Enfim, que seja um bom fim de semana e com saúde.

Beijinho doce.


PS. Não sei porquê mas estou com dificuldades em comentar pela conta do wordpress :(

Mais um.

Machado de Carlos disse...

Mariazita;

Realmente o que mar a história em geral é a arte. Através da arte é possível conhecer o pretérito longínquo. Já que a nossa arte é voltada para a poesia, como não deixar grafada a nossa história em forma de poemas? Por isso admiro muito Florbela Espanca, pois ela ainda está viva dentro das suas páginas!

Um Grande Abraço para Você!

Beijos!...

Maria disse...

Querida amiga sempre excelentes posts.
Tenha um maravilhoso fim de semana pleno de alegria e paz.
"Não acrescente dias a sua vida, mas vida aos seus dias." (Harry Benjamin)
Beijinhos
Maria

Brasigrega disse...

Passando para te deixar um abraço!
bjusssss

Maria João disse...

Mariazita

A História de Jesus Cristo é um guia para a nossa vida. Em cada um de nós, todos os momentos que a compõem, são vividos. Uns de forma mais conscientemente vivida, outros, sem nos darmos conta.

Obrigada por o recordares, mais uma vez!

Espero que tenhas tido uma boa Páscoa ( estive ausente nestes dias, por isso, chego aqui tão fora de tempo).

Um beijinho grande

J.F. disse...

Alô, Mariazita.
Que lindo texto, proveniente de um grande escritor. Muito oportuno!
Abração.

xistosa - (josé torres) disse...

A esta hora já não há amêndoas.
Khalil Gibran, de quem já fiz um post, foi tudo isso e um pintor.
Estou a recolher elementos da sua pintura renascentista, a faceta menos conhecida.
Entre pássaros-flor e nus, tem uma obra bem extensa.
Gosto dos seus pensamentos, da sua prosa e especialmente da poesia.
Bem, não comi amêndoas, mas recebi uma dádiva.
Obrigada e bom domingo.