domingo, 17 de janeiro de 2010

ANITA

ANITA – EPISÓDIO XLIV

(Ficção baseada em factos reais)

Anita estremeceu, como se tivesse sentido um choque. Fechou os olhos por momentos, saboreando aquelas palavras que lhe provocavam um calor interior, um bem-estar, uma paz como há muito tempo não sentia.

FIM DO EPISÓDIO XLIII
EPISÓDIO XLIV

Queria dizer alguma coisa, mas parecia ter medo de falar, medo de que qualquer som quebrasse o encantamento daquele momento mágico.
Sem uma palavra, desprendeu uma das mãos que Humberto mantinha entre as suas,

e, apelando às poucas forças que lhe restavam, acariciou-lhe o rosto suavemente.
Olhando-o nos olhos, murmurou:
- Como pude ser tão cega, e nunca perceber o amor que sentias por mim?
- Tu não foste cega, minha querida, eu é que me esforcei muito para ocultar esse amor.
Primeiro, porque não queria, de modo algum, levar-te a cometer nenhum acto que considerasses menos digno. Eras casada com meu Pai, e por muito que eu, nessa altura, o detestasse, tu, para mim, eras sagrada, intocável.
Depois, quando na tua vida surgiu o padre João, senti que nunca poderias retribuir o meu amor.
Foi a partir desse momento que decidi afastar-me de ti o mais possível, tentando, em vão, esquecer-te.
Se bem te recordas foi nessa altura que comecei a espaçar as minhas idas à Ilha, e a encurtar o tempo de permanência lá.
- Sim, lembro-me bem, e recordo-me que me custou bastante essa alteração que fizeste aos hábitos anteriores.
Agora eu considero-o um período negro da minha vida.
A propósito, quero pedir-te um favor: Como te mandei dizer por carta, o padre João preferiu ir para uma Missão em África a vir viver comigo.
- Sim, eu sei. Mas, por favor, Anita, não fiques agora a remexer nesse assunto – interrompeu-a Humberto.
- É preciso, Humberto. Mas não te preocupes, que “esse assunto”, como lhe chamas, já não me incomoda; apenas me causa desconforto, e só não o abomino porque existe a Eduarda.
É exactamente por isso, por ela existir, que quero pedir-te um favor.
- Não imagino o que possa ser…mas, seja o que for, sabes que farei tudo o que me pedires – respondeu Humberto.
- Como tu sabes, Eduarda viveu sempre pensando que Vicente era o seu Pai…
- Sim, eu sei…
- Pois o que te quero pedir é que me jures que, aconteça o que acontecer, nunca revelarás a Eduarda quem é o seu verdadeiro Pai.
Além de mim, tu és a única pessoa a conhecer a verdade.
Humberto estremeceu. Pelo tom em que Anita falou, sentiu que ela “sabia” que o seu fim estava próximo.
Anita insistiu:
- Tens que me jurar, Humberto. Por favor…
- Juro, sim, mas apenas porque me pedes. Não vejo qualquer motivo para esse teu pedido…
- As mulheres, às vezes, têm caprichos meio estranhos, não sabes?
E quero também que me prometas que serás sempre o “irmão querido” da Eduarda… - acrescentou, já com um ar cansado.
Humberto apressou-se a prometer tudo. Começava a sentir-se de tal modo oprimido, que receava que os seus nervos o traíssem. Precisava sair dali rapidamente, para respirar fundo, e recuperar forças para continuar junto de Anita.
A enfermeira veio trazer o almoço, e Humberto aproveitou para sair, alegando que precisava ir comer.
Anita concordou, mas com a condição de que voltasse bem depressa…

Humberto, inteirando-se de que Eduarda estava em casa, foi ter com ela, e dali telefonou para Inglaterra.
Pelo seu assistente ficou a saber que haviam conseguido localizar Tiago, e que o tinham avisado que devia regressar imediatamente ao escritório. Humberto informou que telefonaria ao cair da tarde, e que Tiago deveria aguardar, lá, o seu telefonema.

Depois de comerem, sem apetite, Eduarda e Humberto voltaram para a clínica.
Encontraram Anita semi-adormecida, depois de lhe terem recolhido sangue para análises, com vista à cirurgia no dia seguinte.
Logo que sentiu a sua presença Anita abriu os olhos, o que, notoriamente, lhe exigiu um certo esforço.

Apesar do seu estado de extrema fraqueza e cansaço conseguiu ostentar um sorriso que envolvia os dois num grande carinho.
Sentaram-se cada um de seu lado da cama. Anita segurou as mãos de ambos, e assim se conservaram, conversando com aparente calma, cada um engolindo as suas próprias lágrimas, tentando fingir que tudo iria correr bem.
Pouco depois de a enfermeira ter trazido o lanche, ouviram-se umas pancadas suaves na porta.

FIM DO EPISÓDIO XLIV

18 comentários:

Canduxa disse...

Querida Mariazita,

Agora que Humberto confessou o seu amor por Anita e depois das promessas feitas quem será que a vem visitar?
Será que o Padre João vai aparecer?
Irá resistir Anita à delicada operação?
Tantas interrogações …para um desfecho que não se advinha feliz.

Meus beijinhos ternos da tua manita

Desnuda disse...

Meu Deus!!! Acho que a amiga acima está certa! Deve ser Padre João! Mariazita, vou ficar sem unhas! HAhahahahahaha Bom, se for, ela poderá fazer o mesmo pedido para ele e ficar mais tranquila! Ele não vai negar....


Mil beijos, amiga!!! I love you!

Ana Martins disse...

Querida Mariazita,
falo das palavras da Canduxa as minhas, já que as interrogações são as mesmas.

Aguardo ansiosa pelo próximo episódio.

Beijinhos,
Ana Martins

EDUARDO POISL disse...

Há um tempo em que é preciso
abandonar as roupas usadas,
que já têm a forma do nosso corpo,
e esquecer os nossos caminhos,
que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o tempo da travessia:
e, se não ousarmos fazê-la,
teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos

Fernando Pessoa

Te desejo um lindo domingo com muito amor e carinho
Abraços

com senso disse...

Amiga Mariazita

E eu que fico sempre à espera por mais.... que fico sempre sequioso pelo chegar do novo desenvolvimente desta história de vida, tão bem escrita, tão bem contada, tão interessante.
É uma "maldade" termos que esperar tanto entre cada capítulo, mas a verdade é que a espera vale sempre a pena!!!
Obrigado Mariazita.
Um beijinho com amizade!

Francisco Sobreira disse...

Querida Maria,
Cada vez mais, à medida que a história vai chegando ao fim, você termina um episódio nos deixando numa grande expectativa. De quem serão as pancadas na porta? Do primeiro amor de Anita? Padre João? Por falar em Anita, você teve uma pequenina distração já perto do fim, quando diz que Humberto e Anita, depois de almoçaram, seguiram para a clínica. Não é nada, mas achei por bem dizer a você. Beijinhos.
P.S. Resolvi atualizar HOJE o meu blogue.

Vitor Chuva disse...

Olá Mariazita!

A vida, sofrida, da Anita - e a história à sua volta - tem sido um emaranhado de sentimentos cruzados, sobrepostos, e até aparentemente contraditórios, que ela foi gerindo como pôde e soube. Parece agora aproximar-se do fim, a passoa largos,e esse alguém que em breve entrará no quarto - que suspeito será o padre João - irá selar o fim da mesma, na sua qualidade de sacerdote - será?
Qualquer que ele seja, será certamente um fim dramático, nesta história que a Mariazita soube muito bem desfiar, e cujo desfecho
não nos poderá "esconder" por muito mais tempo ...
Beijinhos.
Bom Domingo
Vitor

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Ai, Mariazita, estou morrendo de fome e chego aqui e fico mordida de curiosidade. Só falta ser mesmo o macaco do padre João.
Isso não se faz, amiga.
Mas que coisa!
Beijos mil, Loira Linda demais********

Pelos caminhos da vida. disse...

DESEJO DE TUDO...
UM POUCO !

Sensibilidade ...

Para não ficar indiferente
diante das belezas
da vida ...

Coragem ...

Para colocar a timidez de lado
e poder realizar o que tem vontade.

Solidariedade ...

Para não ficar neutro
diante do sofrimento da humanidade.

Bondade ...

Para não desviar os olhos
de quem te pede ajuda.

Tranquilidade ...

Para quando chegar ao fim do dia,
poder deitar e dormir o sono dos anjos.

Alegria ...

Para você distribuí-la,
colocando um sorriso no rosto de alguém.

Humildade ...

Para você reconhecer
aquilo que você não é.

Sinceridade ...

Para você ser verdadeiro,
gostar de si mesmo,
e viver melhor.

Felicidade ...

Para você descobri-la dentro de você
e doá-la a quem precisar.

Amizade ...

Para você descobrir que,
quem tem um amigo,
tem um tesouro.

Esperança ...

Para fazer você acreditar na vida
e se sentir uma eterna criança.

Sabedoria ...

Para entender que só o bem existe,
o resto é ilusão.

Desejos ...

Para alimentar o seu corpo,
dando prazer ao seu espírito.

Sonhos ...

Para poder, todos os dias,
alimentar sua alma.

Amor ...

Para você ter alguém para amar
e sentir-se amado.

Para você desejar tocar uma estrela,
sorrir para a lua.

Sentir que a vida é bela,
andando pela rua.

Para você descobrir que
existe um sol dentro de você.

Para você se sentir feliz
a cada amanhecer
e saber que o amor
é a razão maior para viver.

Mas, se você não tiver um amor,
que nunca deixe morrer em você,
a procura.
O desejo de o encontrar.

Tenha de tudo, um pouco...

E SEJA FELIZ!

Boa semana para você!

beijooo.

Fernanda disse...

Amiga Mariazita,

Como nos faz sofrer...eu estive sem respirar alguns segundos enquanto lia.

Agora outra pessoa vai entrar em cena, será que aguento todo este suspense???

Lá terei de esperar pelo próximo episódio.

Beijinhos

Vicktor disse...

Querida Mariazita

Continuo a ler-te com o interesse que o encantamento da tua estória em mim desperta.

Sempre no desejo de um pouco mais.

Bjinhos.

Canduxa disse...

Queridinha,

Venho desejar-te uma noite tranquila e pedir que passes no Mundo Colorido porque tens lá um desafio.....se estiveres com disposição para tal.

Fica com os meus beijinhos ternos e cheios de luz

poetaeusou . . . disse...

*
a tua realista ficção,
daria um belo Livro,
o titulo ?
( Anita Tal e Qual )
,
para quando a publicação ?
srsrsr.
,
conchinhas ficam,
,
*

Maria João disse...

Mariazita

Eu diria que quem bate à porta é o padre João. Não sei porquê, mas sinto que é o momento de todas as reconciliações. Será?

Um beijinho muito grande

Meg disse...

Pois minha cara companheira, fiquei também muito contente por visitar este teu espaço. É um romance virtual, que não irei agora perder...aliás, acho muito criativo fazê-lo!
sou de Coimbra de facto, nascida e criada, estudante no passado, professora no presente, mas ainda da "velha academia" de sonhos e de amizades construídas, sem falsas pretensões, ou snobismos, como agora imperam infelizmente.
Volta sempre ao meu "Bichanar", eu vou seguir-te.Abraço

Luis disse...

Querida Mariazita,
Não quero acreditar que a Anita não sobreviva à intervenção cirúrgica!
Para quem tem sofrido imenso isso seria "uma maldade" e ela não a merece! Fico aguardando como sempre num "suspense" imenso!
Um beijinho amigo.

Táxi Pluvioso disse...

Então ela renega o padre? Não pode ser portuguesa. Português só ama padres.

Daniel Costa disse...

Mariazita

Tinha- me passado este episódio duma história que me tem prendido.
Vim ler e deixo marcada a presença.
Beijos
Daniel