quinta-feira, 25 de junho de 2009

UMA CENA DE AMOR

Duma janela da minha casa avisto, na rua, um candeeiro de iluminação pública.
Há pouco, olhando lá para fora, vi que estavam dois pombos pousados no candeeiro.
Achei a imagem muito bonita.
Sem aviso prévio, pelo menos sem que eu me tenha apercebido, num repente, amaram-se!
Foi tudo muito rápido, questão de segundos, e já estavam novamente lado a lado, satisfeitos e felizes.


Mas olhavam em todas as direcções, perscrutando os arredores.
Com um olhar entre desconfiado e interrogativo, pareciam dizer: será que alguém testemunhou o nosso amor???

Este pequeno acontecimento trouxe-me à lembrança uns versos que, com os meus sete ou oito anitos, recitava na escola primária, e que nunca esqueci!
E até me lembro do autor: Afonso Lopes Vieira!

Já não se fazem memórias como antigamente…

Mariazita

Os passarinhos
Tão engraçados
Fazem os ninhos
Com mil cuidados.

São p’ra os filhinhos
Que estão para ter
Que os passarinhos
Os vão fazer.

Nos bicos trazem
coisas pequenas,
E os ninhos fazem
De musgo e penas.

Depois lá têm
os seus meninos,
Tão pequeninos
Ao pé da mãe.



Nunca se faça
Mal a um ninho,
À linda graça
De um passarinho!

Que nos lembremos
Sempre também
Do pai que temos
Da nossa mãe!

Afonso Lopes Vieira

OS PASSARINHOS (???)

19 comentários:

Vicktor disse...

Querida Mariazita

Ouvir o arrulhar dos pombinhos já é de si um sentir ternurento...

Que bonita memória essa... uma memória do nosso imaginário colectivo...

Se bem me recordo cheguei a declamar esse poeminha numa daquelas festas escolares...

Há quantos anos? Há mais de 50...

Beijinho.

Susana disse...

Boa tarde, Mariazita!

Quero agradecer-lhe, em nome da organização da blogagem colectiva Aldeia da minha vida, por ter participado, na qualidade de leitora e eleitora e pelo seu contributo para o sucesso da mesma.

Dia 30 de Junho serão publicados os resultados.
Até lá, um bom fim de semana!

Susana Falhas

Francisco Sobreira disse...

Querida Maria,
Pessoas de sensibilidade aguçada, como você, se, por um lado, são mais vulneráveis às maldades do mundo e das pessoas, por outro lado veem coisas como essa dos dois passarinhos se amando. E como é privilegiada a sua memória, ao recordar esses versos singelos que conheceu na meninice. Um beijo carinhoso.

Desnuda disse...

Mariazitaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Que lindo este post!!! Mas parece eu e meu love made in paraiba! Oxente! Não conhecia este poema..No meu tempo o único versinho que sabia era


" Sou pequena
Da perna grossa
Vestido curto,
Papai não gosta!"

( Folclore popular)

50 anos depois, continuo pequenininha, de perninha grossa e pasme: vestidinho curto kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Te adoro, Mariazita! Voce tem uma sensibilidade maravilhosa, como poucos. Este post é de uma beleza ímpar! Parabéns!


Um beijão procê!

Paula Raposo disse...

Que post tão lindo! Muitos beijos.

Ana Martins disse...

Lindo Mariazita, uma verdadeira ternura o que acabou de testemunhar e agora partilhas connosco.

Beijinhos,
Ana Martins

elvira carvalho disse...

Lembro com saudade como gostava de declamar esses versinhos. Punha-me em cima da mesa e declamava para os meus irmãos mais novos.
Um abraço

Pelos caminhos da vida. disse...

Linda imagem registrada amiga.

beijooo.

Alvaro Oliveira disse...

Amiga Mariazita

Com acto de amor do casalinho de pombos, a amiga traz à lembrança
um passado que é tão bom recordar.
E foi com este poema de Afonso Lopes Vieira (que vinha creio que no livro de leitura da 3ª classe),
que a minha professora sentiu que
em mim havia uma veia poética, só
porque eu lia quase declamando.
Como a amiga sem pensar, me trouxe à lembrança o que tantas e tantas vezes recordei, quando comecei a
escrever poesia.

Obrigado querida amiga

Um beijo

Álvaro

Princesa disse...

Hoje passo aqui mesmo rápido estou muito cansada me perdoe.

"Para falar ao vento bastam palavras. Para falar ao coração, é preciso obras.
um beijo

Deusa Odoyá disse...

Querida amiga.
UMa foto linda, pura e iluminada.
pois até os animais sabem o que é amar.
Os seus versos amiga, são lindos de uma breijice intocável.
Uma semana abençoada por Deus.
Fique na paz.
A natureza por sí é muito bela.
Beijinhos doces, minha linda amaiga.
Regina coeli.
Obrigado por suas visitas ao meu cantinho.

Maria João disse...

Amiga

A verdadeira beleza das coisas, está no pormenor que elas encerram. É necessário saber olhar com alma para captar esse detalhe. É necessário estar atento à vida que acontece para além de nós. É no fundo necessário, saber distinguir o que é essêncial!
Este teu texto, ilustra bem a sensibilidade do teu olhar. Esse olhar que vê o que é "invisivel" para os olhos e o guarda em local precioso onde também estão as nossas deliciosas recordações de infância.

Um beijinho muito grande, pela grandeza de pessoa que revelas ser!

Xabonas disse...

"A juventude precisa de sonhos e se nutrir de lembranças, assim como o leito dos rios precisa da água que rola e o coração necessita de afeto."
(Charles Chaplin)

.................:-)

Pena disse...

Linda e Simpática Amiga:
Lembro-me tão bem deste poema maravilhoso e sempre actual.
Imagem fantástica.
É deliciosa. Repleta de pureza e beleza imensas.
Adorei!
Parabéns sinceros. Vivem de uma "Arte" enorme e prodigiosa, os seus fabulosos posts. Encantam. São mágicos.
Lindo este amor.
Beijinhos de respeito.
Sempre a lê-la atentamente e dom delícia.
Maravilhado...

pena

Canduxa disse...

Querida Manita,

Foi a sorrir que olhei este par de namorados … tão ternurentos e apaixonados.
Que beleza de imagem e amor partilhaste connosco!
Depois, foi o recordar destes versinhos que também eu li e reli no meu livro de leitura.
O passado não volta mais...mas é bom recordar coisas que num outro presente nos fizeram sorrir.
Meus beijinhos de luz com muito carinho

Carlos Rebola disse...

Mariazita
Já ouvi ou li em algum lado que os pombos formam casais e são fieis, um ao outro, durante toda a vide ambos. Talvez devido a esta fidelidade eles foram utilizados como correios de mensagens importantes. Existem histórias extraordinárias portagonizadas por pombos correios.
Este poema de Afonso Lopes Vieira, "Os Ninhos" é um hino ao amor dos pais pelos filhos...

Beijinhos e Bom fim-de-semana
Carlos Rebola

Pelos caminhos da vida. disse...

TEM SELINHO LA PRA VC.

BEIJOOO.

Multiolhares disse...

Os pombos são muito reservados, o seu amor não é para ser presenciado pela multidão, há tanto tempo que não via esse poema
obrigado por o trazeres
beijinhos

Táxi Pluvioso disse...

O comportamento dos pássaros, de um ponto de vista científico, (ou real) distancia-se muito, mas mesmo muito, das "visões poéticas".