domingo, 29 de março de 2009

CARTA DE CAMINHA



Paul d’Angelo, de seu verdadeiro nome Paul Murphy, advogado, exerceu, durante 10 anos, a sua profissão como advogado de defesa criminal em tribunais dos arredores de Boston.
Ao mesmo tempo, sob o pseudónimo de Paul d’Angelo, trabalhou como comediante.
Durante 6 meses actuou em diversos clubes, fazendo a apresentação e introdução de vários actores/comediantes; após este período de tempo passou a ter o seu próprio programa.
Viveu algum tempo em Hollywood, onde actuou em diversos clubes, com reconhecidos comediantes como Jay Leno, Ray Romano, Howie Mandel, entre outros.
É considerado “um grande talento” entre actores de comédia, e todos os seus shows são sempre excelentes, provocando fortes gargalhadas entre a assistência.
O jornal “Los Angeles Time” apelidou-o de “o actor mais cómico que já se viu e ouviu”.

É autor da “Carta de Caminha” onde é satirizada “A carta, de Pêro Vaz de Caminha”.

Pêro Vaz de Caminha começa assim:

Senhor,
posto que o Capitão-mor desta Vossa frota, e assim os outros capitães escrevam a Vossa Alteza a notícia do achamento desta Vossa terra nova, que se agora nesta navegação achou, não deixarei de também dar disso minha conta a Vossa Alteza, assim como eu melhor puder, ainda que -- para o bem contar e falar -- o saiba pior que todos fazer!

Veja, agora, como Paul d’Angelo a (re)escreveu:

Olá meu amado Rei, aqui quem fala é o Pêro Vaz. Está me ouvindo bem? Peguei emprestado o celular de um nativo aqui da nova terra. Tudo bem, o Capitão Pedro está lhe mandando um abraço. Chegamos na terça, 21 de Abril, mas deixei para ligar no Domingo porque a ligação é mais barata. É aqui tem dessas coisas.

E continua:

Os nativos ficaram espantados com a nossa chegada por mar, não achavam que éramos Deuses, Majestade. Acharam que éramos loucos de pisar em um mar tão sujo. A ligação está boa? Pois é, essa terra é engraçada. Tem telefonia celular digital, automóveis importados, acesso gratuito à Internet mas ainda tem gente que morre de malária e está cheia de criança barriguda de tanto verme. É meio complicado explicar.

Se já encontrámos o chefe?
Olha Rei, tá meio complicado. Aqui tem muito cacique para pouco índio. Logo que chegamos a Porto Seguro tinha um cacique lá que dizia que fazia chover, que mandava prender e soltar quem ele quisesse. É, um cacique bravo mesmo... Mais para o Sul encontramos outra tribo, uma aldeia maravilhosa e muito festiva, com lindas nativas quase nuas. Seguindo em direcção ao Sul, saímos do litoral e adentramos-nos ao planalto.

Lá encontramos uma tribo muito grande. A dos índios Sampa. Conhecemos o seu cacique, que tinha apito mas que não apitava nada, coitado. Dizem até que ele apanha da mulher. O senhor está rindo, Majestade? Juro que é verdadeiro o meu relato. Como vossa Majestade pode perceber, é uma terra fácil de se colonizar, pois os nativos não falam a mesma língua.

Sim, são pacíficos sim. É só verem um coco no chão para eles começarem a chutá-lo e esquecerem da vida. Sabem, sabem ler, mas não todos. A maioria lê muito mal e acredita em tudo que é escrito. Vai ser moleza, fica frio. Parece que há um "Cacicão Geral", mas ele quase não é visto. O homem viaja muito. Dizem que se a intenção for evitar encontrá-lo, é só
ficar sentado no trono dele.

Engraçado mesmo é que a "indiaiada" trabalha a troco de banana. É banana!!! Todo mês eles recebem no mínimo 151 bananas. Não é piada, Majestade!! É sério!! Só vindo aqui p’ra ver. Olha, preciso desligar. O rapaz que me emprestou o telefone celular precisa fazer uma ligação. Ele é comerciante. Disse que precisa avisar ao povo que chegou um novo carregamento de farinha. Engraçado... eles ficam tão contentes em trabalhar... A cada mercadoria que chega, eles sobem o morro e soltam rojões.

É uma terra muito rica, Majestade. Acho que desta vez acertamos em cheio. Isso aqui ainda vai ser o país do futuro...

Paul D'Angelo


Autor: Paul D'Angelo, publicitário, reescreveu a Carta de Caminha e ganhou o concurso "Crónica do Ouvinte" promovido pela Rádio Bandeirantes.

35 comentários:

Giselle disse...

Mà,
me desculpe, mas eu como boa brasileira não gostei nada , nada dessa carta, será quee sse cara ao menos de uma vez veio ao Nosso Brasil, antes de sair satirizando que o mar é sujo, que trabalhamos por pouca coisa, e que aqui só tem traficante no morro?
Acho um absurdo alguém escrever tal coisa sendo que ao menos nunca veio eo nosso País, e se veio, veio com as intenções erradas.
Pois eu como brasileira amo nosso País, está certo, que há vários defeitos, mas para mim, o povo brasileiro tem raça, memso que seja para trabalhar por pouco trrabalha, e o nosso mar sujo?
Ahhh pelo amor, hein?
Lindona, se eu pudesse mandaria esse cara para P ...
Desculpe, rs...
Mas, que cara mais ignorante ...
Odeio esse tipo de gente que fala mal do Brasil, só do que ouviu falar, ou então porque viu filmes nacioais que insistem em mostrar pobreza, favela , e mulher pelada ...
Aff nosso País é muito mais que isso, mas infelizmente nossa imagem lá fora está manchada ...
Desculpe o desabafo lindona ...
Tenha um domingo maravilhoso
Súper beijos

Giselle disse...

Ah Má,
mais um detalhe da Santa Ignorância, malária, criança com vermes, será que ele trocou nossa terra brasileira pela África ...
Aff ...
beijos

Mariazita disse...

Gi, minha querida, mesmo contrariando o sistema que adoptei de não responder aqui aos comentários, preferindo fazê-lo no espaco de cada comentador, não posso deixar de abrir uma excepção neste caso.
É que quero que, todos os que aqui vierem, saibam que você merece uma grande salva de palmas pelo calor com que defende a sua pátria!
Adorei a maneira como pugna pelo que de bom existe no Brasil!!!
É de pessoas com toda essa garra que o mundo está precisando!

Obrigada, querida, pela sua preciosa contribuição.

Bom domingo e beijinhos de sua

Giselle disse...

Má,
minha linda, olha vou ser bem sincera, rs...
Até li o texto para minha mãe onde ela ficou revoltada assim como eu ...
Má, há anos não vemos um caso de malária no Brasil, menina, fiquei besta com tal ignorância, mas paciência, ele pode escrever o que quise,r pois hj temos liberdade de expressão, mas sinceramente eu DUVIDO que esse cara já tenha vindo ao Brasil.
Mas paciência ...
Me desculpe pelo desabafo, mas se me autorizar, posso publicar esse texto em meu blog?
Tenho certeza que muitos brasileiros ficaram revoltados com tal texto, rs...
Um beijo enorme e linda festa para vcs

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Mariazita:
Achei o texto extremamente ofensivo, nâo tem cabimento falar do que não se conhece. Por isso, abstenho-me de dizer mais.
Querida, ontem já lhe disse, mas como não obtive resposta, vou dzier-lhe de novo. Tenho outro Blog, o ARTE:
http://blogliteraturarenata.blogspot.com.
Nele, vou publicar a tradução que fiz de O MORRO DOS VENTOS UIVANTES. Serão sempre postagens pequenas e só as publicarei no domingo. Serão necessários 2 anos para postar tudo. Mas vale a pena, pois eu e a Eliane, que traduziu o livro comigo, ganhamos prêmios e fomos muito homenageadas por essa tradução. A maior parte fui eu quem fiz, pois ela nunca tinha traduzido um livro e eu tive de refazer tudo. Tem cerca de 300 notas e um dossiê com depoimentos da época em que a obra foi lançada. Além disso, oferece meios para maior compreensão da leitura e dá uma visão da vida da autora que só viveu 30 anos e produziu um todos maiores livros do mundo.
Mas para seguir essa leitura que proponho, é preciso linkar o Blog e ler mesmo.
Um beijo,
Renata
PS: Se eu fosse vc tirava este post, pois ofenderá mais brasileiros

Francisco Sobreira disse...

Querida Maria,
Muito bom o texto. Ele só esqueceu de falar que o Caminha aproveitou para pedir um emprego para um familiar seu. Um beijo carinhoso.

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho la pra vc.

Bom domingo.

beijooo

Mariazita disse...

Queridas amigas Gi e Renata
Aprecio muito, acreditem que sim, o vosso patriotismo.
Contudo, tenho que chamar a vossa atenção para o seguinte:
Paul d’Angelo é um comediante americano que apenas SATIRIZOU” a carta que Pedro Vaz de Caminha escreveu, em 1500, ao rei D. Manuel I, aquando da sua chegada ao Brasil.
Tenho quase a certeza que não era intenção de Paul d’Angelo ofender os brasileiros, mas apenas fazer graça com a descrição que os portugueses fizeram acerca do que viram, há mais de 500 anos, à chegada a Terras de Vera cruz.
A graça está – já que se trata de um humorista – em comparar as duas cartas: a autêntica e a sátira.
Não era viável eu publicar, também, a carta autêntica, porque é muitíssimo extensa. Mas vou transcrever uns pequenos trechos, que vos ajudarão a entender o verdadeiro espírito de Paul d’Angelo (Não estou a defendê-lo, entendam-me. Não o conheço de lado nenhum; apenas sei que é um actor cómico muito apreciado nos Estados Unidos…).
E agora alguns excertos da carta.

“E dali avistamos homens que andavam pela praia, uns sete ou oito, segundo disseram os navios pequenos que chegaram primeiro.
******
Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Traziam arcos nas mãos, e suas setas. Vinham todos rijamente em dilecção ao batel. E Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles os depuseram. Mas não pôde deles haver fala nem entendimento que aproveitasse, por o mar quebrar na costa. Somente arremessou-lhe um barrete vermelho e uma carapuça de linho que levava na cabeça, e um sombreiro preto. E um deles lhe arremessou um sombreiro de penas de ave, compridas, com uma copazinha de penas vermelhas e pardas, como de papagaio. E outro lhe deu um ramal grande de continhas brancas, miúdas que querem parecer de aljôfar, as quais peças creio que o Capitão manda a Vossa Alteza. E com isto se volveu às naus por ser tarde e não poder haver deles mais fala, por causa do mar.
******
Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé!
E desta maneira dou aqui a Vossa Alteza conta do que nesta Vossa terra vi. E se a um pouco alonguei, Ela me perdoe. Porque o desejo que tinha de Vos tudo dizer, mo fez pôr assim pelo miúdo.
É pois que, Senhor, é certo que tanto neste cargo que levo como em outra qualquer coisa que de Vosso serviço for, Vossa Alteza há de ser de mim muito bem servida, a Ela peço que, por me fazer singular mercê, mande vir da ilha de São Tomé a Jorge de Osório, meu genro -- o que d'Ela receberei em muita mercê.
Beijo as mãos de Vossa Alteza.
Deste Porto Seguro, da Vossa Ilha de Vera Cruz, hoje, sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500.
Pero Vaz de Caminha. “

NÃO VEJO QUALQUER MOTIVO PARA SEGUIR A SUGESTÃO DA RENATA, DE RETIRAR ESTE POST.
SE EU O CONSIDERASSE OFENSIVO PARA OS BRASILEIROS (COMO PARA QUALQUER PESSOA) SERIA INCAPAZ DE O PUBLICAR.
ISSO IRIA CONTRA A MINHA NOÇÃO DE ÉTICA.
Obrigada às duas, e beijinhos
Mariazita

PS - Renata, se vc quiser eu posso lhe mandar a carta, na totalidade. Digo-lhe que é interessantíssima.
Bjs

as-nunes disse...

Mariazita
De facto não se percebe qual poderá ser o problema para um Brasileiro de hoje e até de antanho, pelo conteúdo do excelente texto que publicaste neste teu blogue.
Tantas coisas se passaram na altura, as circunstâncias de muitos factos, são tão distantes no tempo e nas mentalidades, que não podemos ficar agarrados a preconceitos de qualquer espécie.
Quanto mais nos conhecermos, Portugueses e Brasileiros, tanto melhor será para um bom e importante entendimento entre os nossos povos.
Beijinho
António

Maria João disse...

Querida Mariazita..

Passei para te agradeçer o "convite" que há dias me fizeste!
Acredita que me senti honrada por te teres lembrado de mim... mas eu, por principio, não dou continuidade. Lamento caso te decepcione, não é minha intenção, acredita!

Não vou fazer qualquer comentário específico a este post. Já percebi que existem opiniões dissonântes, o que para além de ser salutar, também nos dá conta do quanto são diferentes as formas de pensar e sentir das pessoas, em função das diferentes realidades que vivem, dos seus pretextos e dos seus contextos.

Beijinhos e mais uma vez...

Obrigada!

Daniel Costa disse...

Mariazita

Fazer sorrir, sendo dificil, o senhor Paul d'Angelo e tu como coadjutora, fizeram-me sorrir à séria. Se mesmo só a ler é assim o que será com as inevitáveis momices!
Bejinhos,
Daniel

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

Ana Maria disse...

Mariazita, obrigada pelo comentário e pelo recado da nossa amiga Lícia.
Uma segunda de sucesso !
Beijinhos de luz!

In Cucina disse...

Querida amiga Mariazita, quanto ao texto,seria tágico se não fosse cômico!

O Brasil é uma terra santa, governada por diabos! Aliás, cada povo tem o governo que merece. Na verdade os políticos são o retrato de uma sociedade, infelizmente!
É bom refletirmos à respeito.

Beijos brasileiros, Teresa

Rafeiro Perfumado disse...

Ia comentar mas perdi-me pelos comentários. Não me parece que haja realmente motivo nenhum para retirares o poste, pois mesmo que houvesse algo que fosse considerado depreciativo para com os nossos amigos do lado de lá do Atlântico, é uma sátira, pelo que tem de ser encarada como tal.

A censura começa muitas vezes aí, quando dissimuladamente nos querem dar a entender quais assuntos devemos ou não abordar.

Beijo.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Mariazita:
No Galeria, resenhei Morte em Veneza e apresento as pinturas de Ivan Vassilev. Espero por você.
Um abraço,
Renata

Peter Pan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Meg disse...

Mariazita,

Acho que esse tal de Paul d'Angelo não pode pôr os pés no Brasil.
Realmente também estou de acordo com alguns comentários anteriores.
Não sou brasileira, mas se ele pretendia fazer humor, não se saiu nada bem.
Claro que é um testemunho de um trabalho do "humorista"... uns gostarão mais, outros menos e os brasileiros nada.
Olha, eu não conhecia e só assim fiquei a par do que faz deste "artista"...

Um beijo grande

Multiolhares disse...

Infelizmente a maior parte das pessoas só acham graça ao que de mal se fala sobre o que seja, é assim o ser humano, na verdade existem coisas engraçadas, mas quando falam de seres não se devem de os amesquinhar
beijos

Peter Pan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter Pan disse...

Fabulosa Amiga:
Fui eu que eliminei os comentários.
Apenas, assumi uma atitude de simpatia consigo que penso ter entendido.
Quanto ao Brasil de sonho e aos brasileiros estimo-os imenso e quero salvaguardar a beleza humana e natural que possuem.
Aqui, na Blogosfera, fiz gigantes amigos brasileiros que estimo muito. De forma gigante, como a estimo a si.
Sem tentar magoar ninguém, isento-me, por favor, pedindo as minhas mais sinceras desculpas pelo empolgante sentimento de adoração que nutro por esse povo admirável, fantástico e fabuloso: O deslumbrante Brasil de sonho e as suas extraordinárias pessoas sensíveis e lindas!
Bem-Haja, Amiga, tente compreender a razão de retirar os comentários, com a compreensão que sempre abraçou.
Todo o êxito do mundo para si e para o seu maravilhoso blog
Beijinhos amigos

pena

OBRIGADO pela magistral simpatia no meu blog.
OBRIGADO sincero e sentido.

Mariazita disse...

Meu querido amigo Peter Pan
Confesso que estou muito admirada com o seu segundo comentário.
Ainda cheguei a ler o primeiro, que o amigo apagou (não sei porquê!)e não vejo qualquer razão para o ter feito.
Eu tenho amigas e amigos brasileiros, há anos, muito antes de ter criado este blog.
Com vários correspondo-me diariamente por email.
Estimo-os muito, tal como sei que eles me estimam a mim.
O que eu não consigo entender é que o amigo não preceba que este texto é uma sátira a uma carta que, em 1500, Pero Vaz de Caminha escreveu ao Rei de Portugal D.Manuel I.
Penso que, como professor, deve conhecer essa carta. Se não conhece, e estiver interessado, posso facultar-lha.
Pode dar a ideia de que estou aborrecida, mas creia que não.
Pelo contrário, fico muito feliz por ter despertado nos comentadores opiniões tão diversas.
E, se me permite, chamo a sua atenção para o comentário de FRANCISCO SOBREIRA, brasileiro, com um nível intelectual bastante acima da média, autor de vários livros publicados, e que entendeu perfeitamente o "espírito" do texto.´
Peço mais uma vez que não me interprete mal, mas eu não ficria de bem comigo mesmo se não dissesse
o que acabei de expor.
Se, pelo contrário, ficasse calada, aí sim, é que os meus amigos brasileiros tinham o direito de pensar que este meu post era uma provocação(que eles sabem que não é, evidentemente).

Darwin disse...

Mariazita,

Devido à minha actividade profissional ser extremamente exigente, o tempo parece não ter a elasticidade necessária para tudo conter, tenho passado por aqui algumas vezes, mas confesso que me custa passar à porta da sua casa e não entrar.
Também eu me perdi hoje pelos comentários, tentando no mínimo compreende-los.
Embora as minhas preferências em stand - up comedy vão para Bill Maher, que quanto a mim, tem um enorme talento e uma infinita variedade de humor inteligente. No entanto reconheço que Paul d’Angelo é um popular e notável comediante.
Desconhecia de todo esta “Carta de Caminha”. Depois de ler o texto, não compreendo o porquê de tanta Indignação, trata-se apenas de uma sátira à carta que Pero Vaz de Caminha, não há intenção de Paul d’Angelo de ofender quem quer que seja.
Por exemplo, Bill Maher pega nos casos mais mediáticos e mais diversos da sociedade americana, transformando-os em comédias absolutamente hilariantes. Muitas dessas figuras mediáticas satirizadas, não deixam de lhe reconhecer um enorme talento.

Voltarei, sempre que puder!
Um abraço

Peter Pan disse...

Fantástica amiga, respondi-lhe assim no meu blog:
Linda e Simpática Amiga Mariazita:
Desculpe, amiga.
Tem toda a razão. Às vezes queremos somente fazer o bem e, nem pensamos nas incongruências e despropósitos do que escrevemos ou dos actos que fazemos.
Fiz dois comentários no seu blog somente a pensar no seu talentoso e genial valores.
É claro que connheço este seu texto que é uma sátira a uma carta que, em 1500, Pero Vaz de Caminha escreveu ao Rei de Portugal D.Manuel I.
Olhe, nem pensei...!!!!
Só "senti" o povo brasileiro que admiro, estimo e considero e que a minha amiguinha também adora.
Beijinhos amigos de desculpas e o meu sentido e sincero respeito por tudo o que faz...

OBRIGADO. Fez bem em retornar cá.
Penso que assim sentimos melhor a dedicação para com o povo brasileiro lindo e para o encanto que significa para os Portugueses, em geral.
Com cordialidade e o pedido de desculpas por um acto impensado e indevido

p.p.

Linda atitude, amiguinha!

A. João Soares disse...

Pero Vaz de Caminha 090331 em A Casa da Mariazita http://acasadamariazita.blogspot.com/
Cara Amiga Mariazita,
Não tenho comentado, por falta de tempo, pois o Sempre Jovens, a acrescentar aos ouros blogs, tem-me ocupado muitas horas. Por outro lado, a elevação cultura dos seus poosts levam a minha humildade a evitar a ousadia de ‘ir além da chinela’.
O tema deste post, da célebre carta gera polémica e isso dá mais projecção ao blog. Acabo por me atrever a deixar uma recordação ligada ao caso. Estava eu no cais de Belém, onde depois construíram uma torre que estragou o negócio a mim e aos colegas, a vender fruta fresca que os físicos das naus aconselhavam aos nautas para curarem a falta de vitaminas provocada pela longa viagem sem fruta nem hortaliças, quando os navegadores regressaram das terras de Vera Cruz, onde havia uma madeira de cor da brasa e me contaram o seguinte:
Quando chegaram à vista de terra, o Pero foi acometido daquilo que o físico apelidou de sezões ou febre dos pântanos e foi obrigado a manter-se na tarimba com sinapismos e cataplasmas de linhaça, para suar e se curar. Mas ele, com a sua habitual genica e depois da longa viagem, teimava em ir a terra. Porém, o Pedro não estava pelos ajustes para não contrariar as prescrições do físico. Mas a vontade do Pero era tanta que traficou influências com todos os companheiros ao ponto de o Cabral ser tão pressionado que acabou por autorizar, mas com uma condição: «Sim, vás, pêro vás de caminha».
E esta decisão, nos termos do linguajar ibérico da época, muito diferente daquele que mais tarde viria a ser o clássico de Vasco Graça Moura, lá permitiu que o Pero fosse levado de maca até terra, sempre acompanhado pelo físico, porque o apoio de saúde na marinha já era excelente.
E, agora, depois de mover os ponteiros do calendário para a incarnação actual, neste ambiente lusitano sem honra nem glória, de bisbilhotice, vou ser indiscreto, informando a Amiga Mariazita, muito em privado, de que, no Sempre Jovens, toda a ente desde os colaboradores, aos comentadores e aos visitantes, todos estamos roídos de saudades suas, dos seus trabalhos d alto nível e doa comentários sempre sensatos e com humanismo. O desejo de a termos de regresso é superior ao de Pero ir a terra, nem que fosse de caminha
Tem lá espaço à sua disposição para postar em qualquer dia ou hora. «Ni que vás de caminha»!!!
Um abraço
João Soares

Canduxa disse...

Mariazita querida,

A tua casinha está muito quentinha... o que é bom porque voltou o frio.
Voltarei noutro dia em que possa fazer um comentário mais de acordo comigo.
Como não temos falado, deixo beijinhos saudosos.
canduxa

SAM disse...

Ja conhecia o texto da casa do Zé Carlos, acho..Mas não sabia nada de quem o escreveu! E adorei. aqui no Brasil também temos excelentes comediantes que nos tribunais são advogados seríssimos. Meu marido é criminalista. Não é comediante...Mas na vida pessoal é uma pessoa super bem humorada e engraçada! Faz graça de tudoooo! Uma compensação para quem trabalha com uma carga profissional e emocional muito pesada e estressante.



Um beijo!

Mara disse...

Querida Mariazita,

Vens visitar-me como fosses um pombo-correio !!! Que bom. Vou receber-te com muito carinho, fazer-te festinhas no alto da cabeça como fazia com o meu Leonardo, o canário de uma pata só que me deixou chorando. Graças ao pedido da Líria, vamos finalmente conhecer-nos pessoalmente. Serás o meu pombo-correio. Passarei a dar-te missões, como cartas de amor para distribuires nas respectivas moradas. E tu, percorrerás os ares feliz e contente.

Estou esperando.

Beijos
Milai

Rafeiro Perfumado disse...

Mariazita, o mal de muitas pessoas é que gostam de humor mas sempre e quando não haja nada que lhes possa ser associado, nem que seja na sua imaginação.

Olha para mim, por exemplo. As pessoas estão sempre a dizer a expressão "estás com um humor de cão", achas que fico chateado? ;)

Beijoca!

Pelos caminhos da vida. disse...

Ao nascer de mais um dia, tudo é lindo e maravilhoso. O caminho que se prossegue, a verdade que se faz presente e a vida que se expressa são os dons da plenitude Divina.

Bom dia.

beijooo.

Mariazita disse...

Meu caro João
Nem me fale em falta de tempo! É um mal de que se queixa toda a gente (ou quase). Corremos tanto não sei para quê…
Para ajudar à festa ontem estive quase todo o dia sem computador. Estava necessitado duma “faxina” geral. Como o Mário está de férias, aproveitou, e fê-la. Já dá para aguentar mais uns meses.

Gostei muito desse “vás, pêro de caminha” que não conhecia. É o tipo de humor que mais aprecio. Obrigada por partilhá-lo connosco.

Lisonjeiam-me as suas palavras acerca da hipotética falta que faço no SEMPRE JOVENS.
O blogue está recheado de colaboradores de muito valor. Ultimamente o João tem feito muito boas “aquisições”, e a minha colaboração seria até supérflua.
Para além de que…o rumo que tem vindo a ser dado aos temas dos posts foge um pouco às “NEPS” dos “velhos tempos”.
Atenção! Isto não é uma crítica, é apenas o constatar de um facto que não é, de forma alguma, desprestigiante.
No que se refere a crítica político/social o João sabe que eu apenas dou uma ou outra “ferroada” e nada mais.
Nos tempos do PREC apanhei uma overdose de política que me chegou para a vida toda! Dessa senhora (política) quero é distância.
Por último, e para terminar este longo arrazoado, vou-lhe dizer, também ao ouvido, e para que fique só entre nós: não me importaria de voltar a publicar um post à terça-feira, por exemplo, como fazia no antigamente, mas, com toda a franqueza (o João vai dar-me razão) não tenho bases (nem gosto, especialmente) para obedecer aos actuais temas. Acho que iria destoar do harmonioso conjunto que existe actualmente.
E embora saiba que as “saudades que vos estão roendo” são apenas fruto da sua imaginação…agradeço como se fossem verdade…

Uma boa semana

Beijinhos
Mariazita

A. João Soares disse...

Minha querida amiga,
Quanto ao Sempre Jovens, como se trata de um blog colectivo, cada autor o deve considerar como seu e escrever o que desejar. Não pode haver censura de qualquer tipo e nenhum dos colaboradores pode considerar-se dono.
O aumento de colaboradores é uma medida para que não comece a estiolar por falta de colaboração, dados os sinais de falta de entusiasmo de alguns, devido a outras solicitações diversas.
Não vejo razão para alguém que seja colaborador se sentir inibido de publicar. Cada um é responsável por aquilo que publica, não havendo co-responsabilidade nem essa coisa a que chama NEP.
Beijos
João Soares (veja onde a leva este link!)

Táxi Pluvioso disse...

Se não fosse a carta do Pêro não se tinha sabido do Brasil. A do Pedrocas Álvares de Cabral perdeu-se, a não ser que a tenham falsificado, como fizeram com a desenho da cara dele.

Mariazita disse...

Caro Darwin
Não há quem não fale do tempo, especialmente para se queixar da falta dele.
Sob este tema publiquei um post em 9 de Novembro, com o título Ressonância Schumann, em que Leonard Boff nos fala da “noção” de que o tempo voa.

Será que, de facto, o tempo voa, ou o dia, simplesmente, não tem 24 horas??? Acho que é um tema muito interessante.

Mas hoje, aqui, não é disso que se trata…
Parece que se gerou uma certa controvérsia, chegando ao ponto de algumas pessoas se terem sentido atingidas pelo teor da carta, não de Pêro Vaz de Caminha, mas de Paul Murphy – ou d’Angelo.
Afinal...há um final feliz, como para tudo :)))
Muito obrigada por mais esta sua opinião que, como sabe, aprecio muito.
Contudo, não posso deixar de lhe dizer que me dá muito prazer recebê-lo; isso é indiscutível. Mas de modo algum quero que faça das suas visitas um ponto de honra.

Aparece quando puder, sim, (ficarei feliz por vê-lo) mas sem transtornar a sua vida.

Obrigada e beijinhos
Mariazita

JADY*ALVES disse...

rss, pois é né minha amiga,
Continuamos na esperança de um "País de Futuro."
Por que o futuro desse país como anda, tem mais jeito não...

Vamos empurrando do jeito que dá, a gente ganha pouco mas se diverte um bocado ne não? rss
Parabéns pela postagem, não vejo razão pra ficar ofendida se até do Obama já estão fazendo chacota...?
Temos aqui comediantes que falam até da mãe...rss, assistam o Casseta e vejam onde esses comediantes vão buscar imaginação, e do nosso presidente? Esse então é a maior piada e ele se ofende com isso?
Olha, ele está mais preocupado pra quem vai passar sua faixa de presidente..rss já que seu mandato graças à Deus estar no fim...
Como vc disse bem, é uma sátira, e depois do descobrimento tantas foram as vacinas pra tudo qto é doença, morria-se até de catapora... Vermes então, nem se fala.Hoje tem remedinho pra tudo até pra lombrigas, essas saiam até pela boca... Sou brasileira mas, não tenho a mente curta não.
Tudo bem que sempre ha os exageiros pra comédia dar ibope, mas na vida é preciso manter o humor e levar em conta o trabalho do comediante, brasileiros ou não.

Marazita minha amiga, aceite meu carinhoso abraço e tenha lindos sonhos.

Carinhos da Jady