domingo, 22 de junho de 2008

DESABAFOS DE UM BOM MARIDO

Luís Fernando Veríssimo, com o seu humor tão peculiar, relata-nos a “sua” vida de casado, revelando segredos para um casamento feliz.




Minha esposa e eu temos o segredo para fazer um casamento durar: duas vezes por semana, vamos a um ótimo restaurante, com uma comida gostosa, uma boa bebida, e um bom companheirismo. Ela vai às terças-feiras, e eu às quintas.

Nós também dormimos em camas separadas. A dela é em Fortaleza e a minha em São Paulo .

Eu levo minha esposa a todos os lugares, mas ela sempre acha o caminho de volta. Perguntei a ela onde ela gostaria de ir no nosso aniversário de casamento.
'Em algum lugar que eu não tenha ido há muito tempo!' ela disse. Então eu sugeri a cozinha.

Nós sempre andamos de mãos dadas. Se eu soltar, ela vai às compras.

Ela tem um liquidificador elétrico, uma torradeira elétrica, e uma máquina de fazer pão elétrica. Então ela disse:
'Nós temos muitos aparelhos, mas não temos lugar pra sentar'.
Daí, comprei para ela uma cadeira elétrica.

Lembrem-se, o casamento é a causa número um para o divórcio.
Estatisticamente, 100 % dos divórcios começam com o casamento.
Eu me casei com a 'Sra. Certa'. Só não sabia que o primeiro nome dela era 'Sempre'.

Já faz 18 meses que não falo com minha esposa.
É que não gosto de interrompê-la. Mas tenho que admitir, a nossa última briga foi culpa minha. Ela perguntou: 'O que tem na TV?' E eu disse 'Poeira'.

No começo Deus criou o mundo e descansou.
Então, Ele criou o homem e descansou. Depois, criou a mulher.
Desde então, nem Deus, nem o homem, nem o Mundo tiveram mais descanso.

Quando o nosso cortador de grama quebrou, minha mulher ficava sempre me dando a entender que eu deveria consertá-lo. Mas eu sempre acabava tendo outra coisa para cuidar antes: o caminhão, o carro, a pesca, sempre alguma coisa mais importante para mim.

Finalmente ela pensou num jeito esperto de me convencer. Certo dia, ao chegar em casa, encontrei-a sentada na grama alta, ocupada em podá-la com uma tesourinha de costura.
Eu olhei em silêncio por um tempo, me emocionei bastante e depois entrei em casa.
Em alguns minutos eu voltei com uma escova de dentes e lhe entreguei.'
- Quando você terminar de cortar a grama, - eu disse - você pode também varrer a calçada.

Depois disso não me lembro de mais nada. Os médicos dizem que eu voltarei a andar, mas mancarei pelo resto da vida.

“O casamento é uma relação entre duas pessoas na qual uma está sempre certa e a outra é o marido...”


Luís Fernando Veríssimo

6 comentários:

Paula Raposo disse...

Está fantástico! Já me ri...

Xinha disse...

Acabei de ler a 2 minutos.. e ainda me estou a rir !!

Boa disposição !!


Xi-coração

Anónimo disse...

Bolas... texto mais machista!!! E ainda lhes deu vontade de rir?!:(

a casa da mariquinhas disse...

Querida Paula
Rir é o melhor remédio.
Causa menos rugas do que fazer cara feia...
Beijos
Mariazita

a casa da mariquinhas disse...

Olá, Xinha
A ideia era mesmo essa: provocar uma boa gargalhada.
Ainda bem que o objectivo foi conseguido!
Um Domingo cheio de boa disposição.
Xi grande
Mariazita

a casa da mariquinhas disse...

Anónimo
Deve ser anónimA... para considerar este texto machista...
Onde pára esse senso de hunor???
É preciso (e necessário) saber RIR!
Um sorridente beijo
Mariazita